Tecnologia 04/08/2016

Em 2015, número de pedidos em lojas virtuais cresceu 255% durante o inverno

Diferentemente do verão, época que aponta queda nas vendas, o inverno é um forte aliado do comércio eletrônico. Só na Loja Integrada o inverno 2015 faturou cerca de R$ 36 milhões

ecommerce temporario
  • Save

Conforme relatório divulgado este ano pelo WebShoppers, o e-commerce brasileiro já soma mais de 39 milhões de consumidores e teve faturamento de R$ 41 bi em 2015. Com a expectativa ainda maior para esse ano, o primeiro trimestre de 2016 também teve resultado favorável em comparação com o mesmo período do ano passado. Segundo o E-bit, foram 25 milhões de pedidos realizados pela internet de janeiro a março deste ano e um faturamento de 10 bilhões.

Com a chegada do inverno – época em que as pessoas costumam sair menos devido às quedas de temperatura – o comércio eletrônico esquenta as vendas em diversos setores. Em 2015, o número de pedidos em lojas virtuais cresceu 255% durante o inverno em comparação com o ano anterior, de acordo com levantamento feito pela Loja Integrada (www.lojaintegrada.com.br) – maior plataforma para criação de e-commerce do país, com mais de 300 mil lojas cadastradas. Só na plataforma, os três meses de inverno em 2015 faturaram cerca de R$ 36 milhões.

O levantamento analisou os meses de junho, julho e agosto de 2014 e 2015 e constatou um crescimento de 400% em número de pedidos realizados nos segmentos de casa e decoração, seguido de 300% na área de cosméticos e perfumaria e 200% em artigos esportivos e de lazer. O segmento de moda e eletrônicos também tiveram um crescimento, mas não lideram o pódio de vendas.

“Para o empreendedor digital, aproveitar o frio para impulsionar as vendas é fundamental, já que os meses mais quentes do ano causam quedas no movimento do e-commerce que podem chegar até 50%, devido às férias, menos tempo no computador, contenção de gastos, calor entre outros motivos”, afirma Adriano Caetano, especialista em comércio eletrônico e diretor da Loja Integrada.

Ainda de acordo com Adriano, é possível criar estratégias para se dar bem nas vendas durante esse período, como investir em redes sociais, promoções da estação e combos. Só ano passado, mais de 80 mil lojas físicas fecharam as portas no Brasil e mesmo em meio ao cenário atual do país, o comércio eletrônico não para de crescer. Só na Loja Integrada, mais de 500 lojas são criadas diariamente.

PLATAFORMA DE SERVIÇOS BANCÁRIOS DIGITAIS

A Unisys Corporation (NYSE: UIS) anuncia colaboração com a Sandstone Technology e a Payment Card Technologies (PCT) para o lançamento da plataforma de digital banking USP (Unisys, Sandstone e PCT). A nova solução foi desenvolvida para auxiliar as instituições financeiras a atenderem às necessidades de inovação de seus clientes, fornecendo serviços bancários digitais seguros, por meio de diversas plataformas, incluindo dispositivos móveis, tablets e navegadores de Internet.
A parceria entrega de forma simples soluções de ponta da Unisys, Sandstone Technology e PCT. A plataforma USP pode ser implementada em organizações entrantes no mercado ou em instituições financeiras já estabelecidas, com a capacidade de proporcionar uma experiência digital em múltiplos canais, incluindo a geração de crédito imobiliário, empréstimos e contas poupança e corrente, em uma solução econômica. A plataforma fornece biometria adaptável integrada e análise de dados para identificar os clientes com segurança e validar transações, com a finalidade de reduzir fraudes e aprimorar a experiência do usuário.
A plataforma digital para bancos pode ser fornecida no modelo como serviço (PaaS) a partir de uma nuvem pública ou privada e também como uma solução on-premise (no local). Ambas as opões são protegidas pelo Stealth™, que utiliza técnicas de microssegmentação baseada em identidade e criptografia, auxiliando na redução de ataques cibernéticos dentro ou fora da organização, ao deixar dispositivos, dados e usuários finais indetectáveis nas redes.
Eric Crabtree, diretor global de Financial Services da Unisys explica que “o desafio de hoje para muitos bancos e instituições financeiras é como ser relevante e estar em dia com as necessidades de inovação dos clientes. As novas gerações querem uma nova experiência bancária e preferem utilizar smartphones e Internet, em vez do banco físico tradicional”.

Sete importantes considerações sobre Governança de Dados

Cynthia Bianco (*)

Se a possibilidade de estar lidando com dados incorretos, mesmo que hipoteticamente, estremece sua estrutura, você não está sozinho

É preciso ter claro que, sem uma governança, qualquer organização que decida ampliar suas aplicações self-service deparar-se-á com o mesmo problema.
Na verdade, a corrupção dos dados é uma consequência da não verificação da origem do que se tem em mãos ou, mais do que isso, de não se saber como se chegou àquela informação. Desconsiderar ou desconhecer os filtros que foram aplicados ao transformar cada dado em uma informação é um risco inerente a qualquer ambiente corporativo e que é resultado, na maioria das vezes, da descentralização das soluções.
Este modelo pode até funcionar em equipes menores, com menos pessoas envolvidas, mas em locais com centenas de usuários e dezenas de linhas de negócios as consequências de se confiar nesse método podem ser muito negativas e o cenário certamente será caótico.
Além disso, é preciso atentar-se ao fato que embora todos dentro de uma empresa estejam em busca de um mesmo objetivo, ou seja, tornar o negócio bem sucedido, equipes diferentes têm prioridades distintas. A TI foca principalmente na gestão de processos e em assegurar dados confiáveis. Já as áreas de negócio, geralmente enxergam a segurança e a governança como obstáculos na tomada de decisão. Com prioridades tão conflitantes, é obvio que aumentam as dificuldades para se colocar em prática uma aplicação self-service de analytics capaz de funcionar para todos. Porém, algumas medidas podem ajudar as equipes a trabalharam juntas de maneira eficiente:
1. Engajar
Como é mandatório em qualquer projeto, o engajamento é crucial. A organização como um todo precisa reconhecer o valor de uma iniciativa corporativa de governança de dados – seja por meio de padronização de tecnologia, revisões sistemáticas ou designando administradores de dados. É preciso que o empenho vá além do patrocinador do projeto. Os líderes de negócios devem comprometer-se em traçar objetivos e diretrizes e, ainda, estabelecerem de maneira muito transparente e direta as responsabilidades de cada uma das equipes.
2. Identificar os principais stakeholders
Cada unidade de negócio precisa disponibilizar um representante dentro do projeto, que funcione como um porta-voz. Idealmente, os diálogos entre as equipes devem ter uma rotina pré-estabelecida para garantir que todos estejam na mesma página. É responsabilidade de cada um dos envolvidos assegurar que seus times adaptem-se aos processos estabelecidos, construindo assim um ambiente mais colaborativo.
3.TI e Negócios precisam conversar de maneira direta
Criar um canal de comunicação e promover a colaboração entre as equipes de TI e de negócios são os melhores caminhos para garantir que as demandas sejam totalmente atendidas. A área de negócios precisa ser transparente em relação às suas necessidades e tratar a equipe de tecnologia como uma aliada. Ao mesmo tempo em que a TI precisa soltar-se um pouco e ser mais flexível, porém sem forçar-se a extremos. A plataforma analítica selecionada para o projeto deve ser capaz de oferecer funcionalidades de monitoramento que preencham esta lacuna, mas a tecnologia por si só não levará o projeto tão longe quanto se imagina. Para viabilizar isso, os processos de governança precisam ser abertos e fluídos e a área de TI precisa estabelecer uma rotina de monitoramento contínua, trabalhando para que os principais indicadores estejam estruturados com governança e preparados para mudanças recorrentes.
4. Nomear um administrador de dados
É ingênuo pensar que os dados de maior criticidade estão armazenados em um único local. Normalmente, encontram-se espalhados por toda a empresa, em planilhas pessoais e em aplicações na nuvem, e é preciso que alguém os administre. É aí que entra o CDO (Chief Data Officer) ou gerente de dados. De acordo com o Gartner, nos próximos três anos, esta posição estará preenchida em 90% das grandes empresas, o que é uma boa notícia. O CDO surge da interseção das áreas de TI e de negócios com a missão de zelar pelas informações e promover a comunicação entre as equipes.
5. Padronizar tecnologias
Padronize, padronize, padronize. Imagine que você use determinado editor de apresentações e em sua equipe exista um grande número de pessoas que não utilizam esse tipo de tecnologia, fazendo com que cada slide construído, precise ser adaptado para a ferramenta adotada pelo restante da equipe. O tempo de execução do trabalho com certeza aumentaria. Agora, se houver uma padronização da tecnologia, embora isso possa significar abdicar de uma preferência pessoal, tudo poderia ser concluído duas vezes mais rapidamente. Com o analytics, assim como em todas as outras implementações tecnológicas, a padronização entre todas as áreas ajuda consideravelmente.
6. Dar pequenos passos
A verdade é que a governança de dados não ocorre de um dia para outro. Com as necessidades de negócios mudando com frequência, é preciso estabelecer um processo de identificação de lacunas repetitivo e cíclico, priorizando as aplicações e dados mais importantes. O ideal é começar pequeno. Escolha um e comece por ele. Lembre-se que mesmo que você seja capaz de certificar ou impulsionar uma aplicação por mês, serão 12 implementações críticas ao longo do ano.
7. Não deixar que vitórias de curto prazo impactem em estratégias de longo prazo
Para alcançar verdadeiramente a governança, você precisa investir em uma estratégia de longo prazo que inclua uma visão de crescimento e de mudanças. Correções pontuais trabalham no sentido contrário. Focar em objetivos em curto prazo e adotar a primeira ferramenta gratuita de análise com a qual se deparar, dificulta a colaboração entre as equipes e torna a governança ainda mais árdua. Então, quando estiver selecionando uma ferramenta, certifique-se de que ela seja escalável; possa ser acessadas através de diversos dispositivos e que tenha futuro garantido no que diz respeito à velocidade e reutilização.
Lembre-se, que dados estão sempre mudando e evoluindo.

(*) É presidente da MicroStrategy no Brasil, empresa líder mundial no fornecimento de plataformas de software empresarial, que atende com sua solução inovadora MicroStrategy 10 Secure Enterprise tanto as necessidades de implementações departamentais self-service como de âmbito corporativo.

 
 
 
 
 
 
 
 
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap