Senso de coletividade e inovação: o futuro do gerenciamento de projetos

Ana Luiza Milan (*)

Os últimos anos proporcionaram aprendizados importantes no que diz respeito a novas modalidades de trabalho e sistemas de gestão alinhados com a transformação digital. A tendência é de que cada vez mais empresas se movimentem rumo à inovação, e os que optam por não acompanhar a utilização de novas tecnologias podem prejudicar a atuação de seus profissionais e, por consequência, o próprio crescimento de seus negócios.

Ao trazermos a discussão para o gerenciamento de projetos, mostra-se clara a conexão de tal atividade com a inovação empresarial. Nesse sentido, a tecnologia, por meio da automatização de processos, torna possível uma readequação dos profissionais para atividades que os valorizem, mais estratégicas e segmentadas. Dessa forma, nota-se a importância de se sustentar um senso de coletividade internamente, priorizando a participação de todos para a conquista de melhores resultados.

. Quais são os benefícios da inovação? – Ao planejar de forma completamente manual, abre-se um espaço maior para possíveis erros, além de tornar o processo moroso. Por meio da tecnologia, os ganhos são vistos frequentemente no cotidiano empresarial e possibilitam a criação de uma cultura de tomada de decisão suportada pelo uso de ferramentas digitais.

Este novo mindset pode ser categorizado como a peça-chave para que o gerenciamento de projetos tenha a resiliência necessária para reagir a adversidades, a exemplo de crises financeiras graves. Os desafios de se integrar novas metodologias de trabalho são numerosos, não há como se apoiar em uma fórmula exata sobre uma mudança tão radical na cultura organizacional de uma empresa.

Todas possuem suas particularidades e variáveis que influenciam a recepção das equipes quanto à inovação. O que deve ser preservado pelas figuras de liderança é a premissa de que a tecnologia tem como grande objetivo simplificar a rotina das equipes, oferecendo insumos para que os colaboradores tenham tranquilidade e respaldo para contribuir com as tarefas designadas.

. O coletivo em meio à onda tecnológica – Vale destacar que a tecnologia não realizará todo o gerenciamento de projetos e o componente humano é fundamental para que essa atividade seja bem-sucedida. Claro, a transformação digital é um elemento imprescindível ao discutirmos o futuro do gerenciamento de projetos, na medida em que automatiza etapas operacionais e impulsiona a agilidade dos procedimentos, mas o protagonismo ainda é exclusivo à figura humana.

Com a inovação assumindo um papel secundário de suporte e contenção, as maiores beneficiadas serão as pessoas. Comunicação ágil e instantânea, geração de insights proveitosos para decisões conscientes, visão macro sobre a estrutura do projeto, prazos, além do redirecionamento das equipes para atividades mais estratégicas, os reflexos da introdução da tecnologia nesse cenário são variados e criam um ambiente corporativo suscetível ao desenvolvimento de todos.

Por fim, o futuro do gerenciamento de projetos passa por uma compreensão de que a produtividade e o engajamento das equipes dependem do uso inteligente da inovação no dia a dia de execução dos planejamentos. Com esses preceitos instruídos internamente, a empresa terá totais condições de aproveitar o que há de mais vantajoso em tendências para o tema.

(*) – É cofundadora e Head de Projetos na Receiv, sistema de cobrança inteligente. Psicóloga, com especialização em Administração de RH (www.receiv.it).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap