O novo estilo de vida no trabalho remoto

Sergio Mansilha (*)

Aqueles de nós que tiveram a sorte de ter trabalhos que podem ser feitos em casa, levaram o mesmo para a sala de estar, a cozinha e o quarto. Nós nos desafiamos a atingir e até mesmo superar nossas metas pré-pandêmicas, contra probabilidades desfavoráveis. Apesar de tudo, priorizamos o trabalho. Temos tratado o trabalho como algo a ser levado para casa e apreciado. O trabalho se tornou nosso amante. E nesses novos tempos, nós o levamos para a cama.

Mas, nem tudo é funesto! Temos o passatempo da “conversa fiada”. Comumente a conversa fiada é algo que muitos de nós sentimos falta ao ir para o escritório, e por um bom motivo, ajuda as pessoas a se sentirem conectadas emocionalmente e aumenta a colaboração e a criatividade. E alguns trabalhadores remotos que precisam desesperadamente de conversa fiada estão perdendo, no entanto, nem todo mundo é fã.

Alguns acham que conversa fiada não é autêntica e uma perda de tempo. Contudo, as conversas não precisavam ser íntimas ou demoradas para oferecer benefícios. O que vocês acham? A mudança para um ambiente de trabalho remoto está cortando muitas pessoas das conversas triviais no local de trabalho. E essas são pessoas que antes da Covid-19 e do distanciamento social, conversavam sobre amenidades como um ritual diário nas empresas.

Pessoal, a conversa fiada é importante para nós de outras maneiras, nos deixando à vontade e nos ajudando na transição para tópicos mais sérios, como negociações, entrevistas de emprego, argumentos de vendas e avaliações de desempenho. Vejam esse “Novo Normal” como o terceiro tempo de uma partida. O ritual diário do local de trabalho, ou seja, pequenas conversas; parece um incômodo quando excessivamente disponível, mas você dificilmente sente sua importância até perdê-la.

São os poucos minutos de conexão emocional e encontros que trazem vida ao trabalho. Trocamos cumprimentos ao entrar, vindo do estacionamento, conversando sobre nossos fins de semana enquanto esperamos pelo início das reuniões, e trocamos histórias sobre nossas famílias e por aí vai. Mas, quando é negativo, pequenas conversas podem deixar os outros ansiosos, embaraçosos, pode ser uma perda de tempo e um veículo para espalhar fofocas e tudo o que é inautêntico.

Com o trabalho remoto, precisamos encorajar novos rituais sociais, como dar tempo no início de cada reunião para que os membros se cumprimentem, troquem gentilezas e façam perguntas divertidas. Portanto, não se esqueça de que os colaboradores remotos também precisam de conversa fiada. À medida que as organizações consideram sua estratégia de trabalho remoto pós-pandemia ideal, elas precisam de práticas para integrar conversinhas em seus ecossistemas de trabalho.

A boa notícia, quero dizer, no meu ponto de vista, é que a paisagem virtual apresenta uma oportunidade surpreendente de aumentar o valor da conversa fiada. Vai uma dica: Incentive novos rituais sociais. Trabalhar em casa confundiu os limites entre o trabalho das pessoas e suas vidas pessoais e, sem rotinas como o deslocamento diário para dividi-las, muitos colaboradores estão lutando para mudar de marcha entre os dois.

Dessa forma, a conversa fiada pode ajudar as pessoas a se desvencilharem do papel de “casa” e se adaptarem a um pensamento empresarial. Enfim, o que dizer então do impacto da “conversa fiada” entre os colaboradores, no qual, ela se mostra edificante e perturbadora, mas venhamos e convenhamos os aspectos positivos superaram os negativos e os negativos podem ser gerenciados. Pense nisso!

(*) – É Consultor e Pedagogo Empresarial (sergiomansilha.blogspot.com).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap