Construção civil segue desaquecida e pouco confiante

A Sondagem Indústria da Construção Civil, divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), com apoio da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), indica que a indústria da construção continua sofrendo os efeitos da pandemia do novo coronavírus (Covi-19) em abril, embora a queda mais brusca tenha ocorrido em março. Os índices de evolução do nível de atividade e do número de empregados permanecem bem abaixo da linha de 50 pontos, indicando que ambos estão em queda em relação ao mês anterior.

O indicador de evolução do nível de atividade registrou 29,4 pontos, o segundo menor valor da série histórica, abaixo apenas do valor observado em março. Já o índice de evolução do número de empregados recuou para 24,1 pontos, o terceiro menor valor da série, superando apenas os registros de dezembro de 2015 e janeiro de 2016.

Consequentemente, a ociosidade está elevada: o indicador de Utilização da Capacidade Operacional, que reflete os efeitos da queda da atividade econômica registrou o valor mais baixo da série histórica.

A falta de confiança é consolidada entre os empresários, que estão pouco dispostos a investir diante da baixa expectativa de crescimento para os próximos 6 meses. O ICEI-Construção registrou 37,6 pontos em maio, após aumento de 2,8 pontos frente a abril. Contudo, permanece 12,4 pontos abaixo da linha divisória (AI/CBIC).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap