Democracia ocidental

Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

O ocidente, defensor da democracia e liberdade, acabou criando um tipo de república que funciona mal porque não há consenso, mas sim interesses particulares conflitantes.

O país e sua população ficam em segundo plano e o resultado está bem visível: ninguém se responsabiliza por nada e a nação vai a pique, restando situação favorável apenas aos tiranos. A liberdade, o grande trunfo, se acha sob ameaça e as novas gerações estão com pouco preparo. A China viu tudo isso e ao perceber que dólar é o que importa, pôs a máquina exportadora a funcionar, conduzindo com sucesso sua população que não quer mais passar necessidades básicas.

Enquanto isso, o ocidente vai se desmanchando. O que se poderia esperar de um sistema de gestão de Estado feito para ser deficitário? O que se poderia esperar de um sistema monetário baseado numa moeda mundial influenciada por interesses particulares? O que se poderia esperar de países geridos por grupos interesseiros inadequados para governar?

Os especialistas estão advertindo sobre as consequências da emissão de dinheiro e crédito em larga escala, enquanto a produção definha, os empregos desaparecem e a insatisfação aumenta. No Brasil, ninguém assume a responsabilidade pelo descalabro das contas públicas. Quem tem poder sabe como se defender, mas o peso sempre recai sobre os mais frágeis que têm de se submeter a leis imediatistas e precarização.

Com o golpe da pandemia e inflação, o Brasil está se recuperando lentamente. Apesar das crises políticas e da aproximação do ano eleitoral, o mercado financeiro recebe sem grandes apreensões o atraente aumento da renda fixa. Haverá uma transferência de renda para fora, mas o viver será apertado para os assalariados, inclusive para os funcionários públicos comuns, sujeitos ao aperto fiscal e aos desmandos dos governadores estaduais.

EUA e China se tornaram os grandes expoentes da economia, mas enquanto os EUA lutam para sanar as próprias incoerências, a China vai impondo aos seus cidadãos medidas pragmáticas. A miséria avança pela maioria dos países, muitos deles superendividados, enfrentando crise econômica, política e social.

Em vez de os políticos e os empresários do Brasil seguirem as pegadas dos Estados Unidos que levaram ao progresso, parece que agora os políticos americanos estão copiando os do Brasil. Diante da turbulência de acontecimentos já se nota a paulatina perda do controle emocional. A polidez vai sendo posta de lado. Quanto mais aumenta a pressão, maior é a tendência da ação impulsiva de pessoas que não querem ouvir o sentimento intuitivo. Na gestão pública, essa possibilidade cria um risco adicional para a população.

O historiador Eric Hobsbawm disse que estamos na era dos extremos e das incertezas. Mas em vez de as mazelas serem atacadas e combatidas, passou-se a discutir ideologia num cenário de luta pela riqueza e poder, e embrutecimento da espécie humana. Despreparados, muitos pais não conseguem dar bom preparo a seus filhos. Tudo isso criou a tendência do decadente embrutecimento da humanidade. Como combater o descalabro?

Tempos de penúria se anunciam, na subida de preços de commodities, alimentos, energia, combustíveis, juros, tudo subindo, significando menos dinheiro nas mãos dos consumidores, menos consumo, menos empregos. Infelizmente a delinquência está tomando conta do Brasil, na criminalidade, nas drogas, nas favelas, na política, na justiça, nas negociatas corruptas. O viver está complexo e atribulado. Que futuro poderá ter a humanidade?

A desigualdade atinge muitos seres humanos que ficaram abaixo de seu potencial. Faltaram oportunidades e força de vontade. Uma questão pouco comentada é a da indolência pessoal ou induzida para manter dóceis as massas e que predispõe os humanos a ficarem acomodados sem desenvolver o necessário esforço para o seu aprimoramento, e não colocar em movimento a sua capacitação de examinar e elucidar a causa das dificuldades e o significado da vida, pois todos nós a recebemos por igual.

Acima de qualquer lei humana pairam as leis do Criador que devem ser reconhecidas e observadas em todas as construções para que possa haver a paz e o progresso real.

(*) – Graduado pela FEA/USP, coordena os sites (www.vidaeaprendizado.com.br) e (www.library.com.br). E-mail: [email protected].

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap