114 views 6 mins

Lazer e Cultura 07/07/2016

em Lazer e Cultura
quarta-feira, 06 de julho de 2016
Cena da peça “Levante”.

Reestreia

Cena da peça “Levante”.

“Levante”, peça com direção de Roberto Alvim e texto de Daniel Graziane, volta aos palcos no dia 8 de julho

O espetáculo fala dos desdobramentos políticos de nossa atual revolução tecnológica, sendo focado no universo dos hackers. O vazamento de informações denominado Escândalo Panamá Papers mostra como a internet pode deixar presidentes, primeiros ministros e outros chefes de estado em situação vulnerável. Tempos em que qualquer pessoa pode, de seu quarto numa periferia de um país subdesenvolvido, detonar crises sem precedentes. Com Arthur Rangel, Diego Machado, Vinicius Tardelli, Taynã Marquezone, Érica Kou, Maria Alarza, Camilla Flores, Adriano Rodrigues, Douglas de Abreu e Leandro Grance. Figurinos – Juliana Galdino.

Serviço: SP Escola de Teatro, Praça Franklin Roosevelt, 210, Consolação,tel. 3775-8600.Quintas e sextas às 21h Ingressos: R$ 30 eR$ 15 (meia). Até 05/08.

REFLEXÃO

CHEFIA E SUBALTERNIDADE.
Não olvidar que o chefe é aquela pessoa que se responsabiliza pelo trabalho da equipe. A melhor maneira de reverenciar a quem dirige, será sempre a execução fiel das próprias obrigações. Quem administra efetivamente precisa da colaboração de quem obedece, mas se quem obedece necessita prestar atenção e respeito a quem administra, quem administra necessita exercer bondade e compreensão para quem obedece, a fim de que máquina do trabalho funcione com segurança. Orientar é devotar-se. Aquele que realmente ensina é aquele que mais estuda. Um chefe não tem obrigação de revelar ao subordinado os problemas que lhe preocupam o cérebro, tanto quanto o subordinado não tem o dever de revelar ao chefe os problemas que porventura carregue no coração. Livro Sinal Verde – F.C. Xavier.

Internacional

Richie Sambora & Orianthi.

Vencedor do Grammy Awards e fundador/ex-guitarrista da banda Bon Jovi, Sambora traz para o espetáculo suas famosas composições, com refrões viciantes e letras poéticas. Sua habilidade na guitarra é mundialmente reconhecida tanto quanto sua natureza filantrópica. Já a australiana Orianthi, considerada a deusa do rock, completa o show com seu incrível talento nas guitarras e com composições sensíveis. A performer é uma das únicas mulheres de todos os tempos a figurar na capa da revista Guitar, além de ser a primeira guitarrista mulher a tocar na banda de Alice Cooper e ter sido convocada para tocar com Michael Jackson na turnê ‘This is It’.

Serviço: Tom Brasil, R. Bragança Paulista, 1281, Vila Cruzeiro. Sexta (8) às 22h. De R$ 100 a R$ 500.

Stand Up

Dizem que de médico e louco, todo mundo tem um pouco. Mas de pastor também. Quem é que não curte aconselhar exemplificando a vida alheia, ouvir os pedidos de oração da vizinhança toda (e garante que não é fofoca)?. Pax, O Stand Up com o músico e ator Daniel Araujo traz em tom de desabafo o cotidiano de seu personagem (Paxtorzão) que é desastrado e cuida de uma pequena igreja prestes a falir. Acompanhe a narrativa do Pax em seu “divã”, , desabafando sobre aconselhamentos aos poucos membros da igreja, questões de ego, músicos sem talento algum e relacionamentos confusos.

Serviço: Teatro Bibi Ferreira, Av. Brigadeiro Luis Antônio, 93, Bela Vista,tel. 3105-3129.Terças às 21h. Ingresso:R$ 60. Até 26/07.

Samba

Beth Carvalho

Acompanhada por Magnu Sousá (pandeiro e coro), Maurílio de Oliveira (cavaquinho e coro), Cassiano Andrade (surdo), Léo Carvalho (bateria), Nenê P.N.O. (percussão), Gabriel Borges (violão) e Diego Alexandre (violão de sete cordas), a sambista Beth Carvalho comemora 70 anos de vida e 100 do surgimento do gênero que a consagrou, relembrando seus maiores sucessos, presentes em mais de 30 álbuns, como “Andança”, “Vou Festejar”, “Eu Só Peço a Deus”, “Água de Chuva no Mar”, “Tristeza”, entre outros.

Serviço: Sesc Belenzinho, R. Padre Adelino, 1000, Belenzinho. Hoje (7) e sexta (8) às 21h30. Ingressos:de R$ 20 a R$ 40.

Corpo

A exposição “Young Male: Fotografias de Alair Gomes”. A mostra traz à luz uma série de fotografias inéditas oriundas de sua maioria por obras da Coleção Robson Phoenix e conta com uma sala de aprofundamento com publicações, textos, páginas de diário e pesquisas realizadas por este artista seminal, complexo e original. Usando o corpo humano como discurso e a fotografia como linguagem, as sequencias de imagens que Alair elaborou inspiradas em sinfonias, sonatinas e em altares religiosos, coincidem temporalmente com as pesquisas do conceituado artista norte-americano Duane Michals, que em 1970 lançou o livro “Sequences”.

Serviço: Casa Triângulo, R. Paes de Araújo, 77, Itaim Bibi. De segunda a sábado das 10h às 19h. Entrada franca. Até 16/07.