Seu corpo sabe que você está esgotado

Veja como reconhecer os sintomas físicos do estresse relacionado ao trabalho – e o que fazer com eles.

Vamos usar um exemplo fictício: alguém que trabalha numa organização caótica, sem processos e que exige desempenho acima da média. Vamos chamar nosso personagem de Dr. Dipiù. Ele sabe que está se aproximando do esgotamento quando acorda, sente raiva instantaneamente de sua caixa de entrada de e-mail e não quer sair da cama. Talvez não seja surpreendente que um profissional que está tentando conter a maré crescente de esgotamento também possa se esgotar às vezes. Afinal, o fenômeno praticamente se tornou onipresente em nossa cultura.

Quando as pessoas pensam em esgotamento, sintomas mentais e emocionais, como sentimentos de desamparo e cinismo, geralmente vêm à mente. Mas o esgotamento também pode levar a sintomas físicos, e os especialistas dizem que pode ser sábio ficar atento aos sinais e tomar medidas quando os notar.

Burnout, como é definido, não é uma condição médica – é uma manifestação de estresse crônico absoluto. A Organização Mundial da Saúde descreve o burnout como um fenômeno no local de trabalho caracterizado por sentimentos de exaustão, cinismo e eficácia reduzida.

Você começa a não funcionar tão bem, está perdendo prazos, fica frustrado, talvez fique irritado com seus colegas. Mas o estresse pode ter efeitos de desgaste no corpo, especialmente quando não diminui depois de um tempo – então faz sentido que também possa incitar sintomas físicos, dizem especialistas. Quando as pessoas estão sob estresse, seus corpos sofrem mudanças que incluem níveis mais altos do que o normal de hormônios do estresse, como cortisol, adrenalina, epinefrina e norepinefrina. Essas mudanças são úteis a curto prazo – elas nos dão energia para superar situações difíceis – mas com o tempo, elas começam a prejudicar o corpo.

O que observar

Um sintoma comum de esgotamento é a insônia. Pesquisas sugerem que o estresse crônico interfere no complicado sistema neurológico e hormonal que regula o sono. É um ciclo vicioso, porque não dormir deixa esse sistema ainda mais fora de controle. Se você notou que não consegue dormir à noite, isso pode ser um sinal de que você está sofrendo de esgotamento.

A exaustão física é outro sinal comum. Especialistas dizem que um de seus principais sintomas de esgotamento era a fadiga. “Percebi que estava dormindo todos os dias depois do trabalho – e fiquei tipo, ‘O que há de errado comigo?’, mas na verdade era um esgotamento”, disse Dr. Dipiù.

Mudanças nos hábitos alimentares – comer mais ou menos do que o habitual – também podem ser um sinal de esgotamento. As pessoas podem comer menos porque estão muito ocupadas ou distraídas, ou podem desejar “aquelas comidas reconfortantes que todos nós gostamos de ir quando precisamos de algo para nos fazer sentir melhor. Pesquisas também sugerem que os hormônios do estresse podem afetar o apetite, fazendo com que as pessoas sintam menos fome do que o normal quando estão sob muito estresse e mais fome do que o normal quando o estresse alivia.

Dores de cabeça e de estômago também podem ser incitadas pelo esgotamento. Também é importante observar que o esgotamento pode se desenvolver juntamente com a depressão ou a ansiedade, que podem causar sintomas físicos. A depressão pode causar dores musculares, dores de estômago, problemas de sono e alterações de apetite. A ansiedade está ligada a dores de cabeça, náuseas e falta de ar.

O que fazer

Se você estiver enfrentando sintomas físicos que podem ser indicativos de esgotamento, considere consultar seu médico ou um profissional de saúde mental para determinar se eles são motivados pelo estresse ou enraizados em outras condições físicas. Não ignore os sintomas e assuma que eles não importam.

Se for burnout, a melhor solução é abordar a raiz do problema. O burnout é normalmente reconhecido quando é motivado pelo trabalho, mas o estresse crônico pode ter uma variedade de causas – problemas financeiros, problemas de relacionamento e encargos de cuidado, entre outras coisas.

Quando o esgotamento decorre de problemas relacionados ao trabalho, pode ser útil solicitar melhores condições de trabalho. Em alguns locais seria importante fazer um brainstorming com colegas de trabalho e apresentar ao seu empregador ideias que ajudariam – como fornecer áreas silenciosas para intervalos, criar dias “sem reuniões” para que os funcionários possam ter mais tempo para se concentrar ou garantir que haja sempre café na sala de descanso. Mesmo pequenas mudanças como essas podem reduzir o risco de esgotamento se resolverem um problema que as pessoas enfrentam no trabalho todos os dias. São os estressores crônicos do trabalho que deixam as pessoas realmente loucas depois de um tempo – elas não têm o equipamento certo, não têm as coisas de que precisam, não têm pessoas suficientes para fazer o trabalho. Conhece algum trabalho assim?

Você tem que ter algo fora do trabalho que te ajude a desestressar, que te ajude a se concentrar e te ajude a relaxar. Repense a sua vida profissional e pessoal!

Prof. Ms Almir Vicentini

Maio de 2022

 Prof. Ms Almir Vicentini é mestre em Educação, Coordenador e Professor de Pós-Graduação de cursos na área da Educação, Curador do “Programa Escola da Família” e das LIVES “Universo Educação”, ambas da Full Sail University. Autor de livros sobre Gestão Escolar, Competências Socioemocionais e Comportamentais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap