ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Geraldo Nunes, jornalista e memorialista,
integra a Academia Paulista de História.
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Decreto oficial de D. Leopoldina formalizando a Independência do Brasil foi queimado no incêndio do Museu Nacional

No último 7 de setembro o país lembrou os 196 anos da Independência do Brasil, ainda lamentando a tragédia que destruiu parte da história brasileira, até então preservada no Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro

mi 963524189796460 temproario

Reprodução do quadro de Georgina de Albuquerque, no livro Viagem Pitoresca – Ao Velho e ao Novo Rio, de Herculano Mathias e Alexandre Wulfes, 1965 – Acervo da FBN

O incêndio destruiu, entre outras preciosidades, os originais da assinatura da independência, decretada em 2 de setembro de 1822, por D. Maria Leopoldina, então princesa regente do Brasil, nas dependências deste mesmo prédio atingido pelo fogo na noite de um domingo, mesma data da assinatura histórica.

Leopoldina usou seus atributos de chefe interina do governo após uma reunião com o Conselho de Estado, resultando na assinatura do documento. A maioria dos brasileiros contava com o retorno de D. Pedro a Portugal, rebaixando o status do país da condição de reino unido à antiga situação de colônia. Havia temores que uma guerra civil separasse a Província de São Paulo do restante do Brasil e o príncipe regente decidira seguir para a capital dos paulistas na tentativa de acalmar os ânimos.

Neste cenário conturbado D. Pedro entregou o poder a D. Leopoldina no dia 13 de agosto de 1822, nomeando-a chefe do Conselho de Estado e Princesa Regente Interina do Brasil. Por conta das notícias vindas de Portugal, determinando o retorno imediato do príncipe, Dona Leopoldina não teve tempo de esperar pelo marido e precisou tomar a decisão da qual participou o conselheiro José Bonifácio de Andrada e Silva.

Após a assinatura ela enviou carta a D. Pedro solicitando que ele proclamasse a Independência do Brasil, para fazer valer publicamente o decreto já assinado. As recomendações chegaram nas margens do Rio Ipiranga, em São Paulo, quando a comitiva foi alcançada pelo mensageiro Paulo Bregaro, por volta das 15 horas do dia 7 de setembro de 1822, um sábado. Ali mesmo D. Pedro anunciou aos presentes o rompimento dos laços do Brasil com Portugal, proferindo aos presentes o célebre grito que entraria para a história, “Independência ou Morte!”

D. Maria Leopoldina, uma austríaca da família dos Habsburgo, mecenas de vários artistas e amante das artes, estudou botânica, zoologia e arqueologia, tendo aceito de bom grado a proposta de casamento pelo fato de no Brasil, poder desenvolver melhor os seus estudos. Este ainda era um território desconhecido para o mundo e, na linguagem de hoje, rico em biodiversidade.

Coroada imperatriz do Brasil, a 1° de dezembro de 1822, na cerimônia de sagração a D. Pedro I, respeitada e querida pelo povo brasileiro na sua época, Leopoldina dá nome hoje a cidades, bairros, ruas, avenidas, ferrovias, estações e até escolas de samba. Uma coleção particular da imperatriz, atendendo a um pedido pessoal dela, para se ilustrar e fazer circular um conhecimento melhor sobre o Brasil, foi doada ao Museu Nacional pouco antes de seu falecimento. Parte das peças desse acervo puderam ser salvas, mas o documento oficial da independência, infelizmente, desapareceu consumido pelas chamas.

O que o Museu Nacional perdeu
A instituição ainda faz um levantamento da extensão dos danos pelo ponto de vista acadêmico e científico. Havia coleções focadas em paleontologia, antropologia e etnologia biológica, entre outras. No local, eram guardados itens importantes como o meteorito do Bendegó, o maior já encontrado no país, e uma coleção de múmias egípcias – inclusive o crânio de Luzia, a mulher mais antiga achada no Brasil. Se perderam coleções de vasos gregos e etruscos, e o primeiro dinossauro de grande porte já montado no Brasil.

Compilando notícias recentes de diversos jornais impressos, extraímos informações importantes como a da vice-diretora do Museu Nacional, Cristiana Serejo, informando que as coleções de invertebrados, que estavam em um anexo, foram preservadas, assim como a coleção de tipos de malacologia, área que estuda os moluscos. “Tivemos que arrombar uma porta e conseguiu tirar algumas coisas lá de dentro”, explicou.

“De todo modo é um prejuízo incalculável para a ciência e para a história do Brasil. A história brasileira está sendo queimada”, lamentou o professor de geologia João Wagner Alencar Castro, funcionário da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), mantenedora do museu.

Em maio último, 10 das 30 salas de exposição foram fechadas, incluindo algumas das mais populares, como a que guardava um esqueleto de baleia jubarte e a do Maxakalisaurus topai – o dinoprata, primeiro dinossauro de grande porte já montado no Brasil. Para reabrir a sala, interditada havia cinco meses após um ataque de cupins, o museu armou uma campanha de financiamento coletivo na internet e arrecadou R$ 58 mil, mais do que a meta de R$ 30 mil.

A decadência do prédio já era visível para os visitantes, que pagavam oito reais pelo ingresso. No bicentenário da instituição, em 6 de junho de 2018, foi celebrado com o BNDES um contrato de R$ 21,7 milhões para se investir em restauração, em curso estava uma outra negociação para reabertura das cinco das principais salas fossem reabertas até 2019.

Em maio, disseram os jornais, Alexandre Kellner, diretor do museu, afirmou serem necessários R$ 300 milhões, ao longo de pelo menos uma década, para executar o Plano Diretor do museu. “A princesa Isabel brincava aqui, no jardim das princesas, que não está aberto ao público porque não há para isso condições”, afirmou.

Exposições
As exposições do Museu Nacional eram organizadas em seções: Evolução da Vida (a história da Terra e dos primeiros seres que a povoaram), Nos Passos da Humanidade (a evolução do Homem), Culturas Mediterrâneas (arte e artefatos greco-romanos), Egito Antigo, Arqueologia Pré-colombiana (arte e artefatos dos povos que habitavam as Américas), Arqueologia Brasileira (onde se destaca Luzias), Etnologia Indígena Brasileira (a diversidade, a arte e o engenho dos índios brasileiros) e Culturas do Pacífico, além das diversas seções dedicadas à Zoologia.

LUZIA Esqueleto mais antigo descoberto nas AméricasLuzia
Um dos mais importantes itens era um fóssil humano, achado em Lagoa Santa, em Minas Gerais, em 1974. Batizado de Luzia, fazia parte da coleção de antropologia. Trata-se do fóssil de uma mulher que morreu entre 20 e 25 anos e seria a habitante mais atinga do Brasil.

Bendegó
Outra preciosidade era o maior meteorito já encontrado no País, chamado de Bendegó e pesa 5,36 toneladas. A pedra é de uma região do sistema solar entre os planetas Marte e Júpiter e tem mais de 4 bilhões de anos. O meteorito foi achado em 1784, no sertão da Bahia, na localidade de Monte Santo. Quando foi encontrado era o segundo maior do mundo. A pedra integra a coleção do Museu Nacional desde 1888.

Múmias egípcias
Dom Pedro I arrematou em 1826 a maior coleção de múmias egípcias da América Latina. Eram múmias de adultos, crianças e de animais como gatos e crocodilos que estavam em um navio com destino a Buenos Aires. Ao ver as peças trazidas de um colecionador europeu para serem vendidas na Argentina, Dom Pedro fez uma oferta maior e ficou com elas, a maioria da região de Tebas, localizada a 800 km do delta do Nilo a sul de Alexandria, no Egito.

Mais artigos...

  1. Os 100 anos da gripe espanhola e o boato da neve em São Paulo
  2. Os 60 anos da Bossa Nova e as reflexões sobre o destino da Música Popular Brasileira
  3. Dia do Mundial do Rock virou festa dos “coroas”
  4. Reflexões sobre a Revolução Constitucionalista de 1932
  5. Alegria da garotada, o futebol de botão é agora esporte sério
  6. Os 80 anos do “novo” Viaduto do Chá
  7. Capelas que ajudam a contar a história do Grande ABC e de São Paulo
  8. Em São Paulo a tradição das capelas segue mantida
  9. O Dia Mundial do Rádio e as confusões do carnaval
  10. Dançarinas de aluguel que atuavam nos taxi-dancings de São Paulo
  11. Era uma vez um repórter aéreo na noite do réveillon
  12. Lendas e Verdades sobre o Natal
  13. Alguém ainda duvida que Elvis não morreu?
  14. Greve Geral há cem anos traz reflexões sobre o momento atual
  15. Jânio Quadros volta a ser assunto na cidade após entrega dos “Arcos”
  16. Machado de Assis e os 178 anos de um texto que não envelhece
  17. Os 50 anos do disco mais emblemático dos Beatles
  18. Conheça os fatos que marcaram a fatídica noite de 23 de maio de 1932
  19. Os 80 anos da Rádio Bandeirantes e a democracia no Brasil
  20. São Paulo com suas ruas e bairros de nomes polêmicos
  21. São Paulo de Todos os Tempos e o sentido de respeito à cidade
  22. O fim da Rádio Estadão é só um pedaço da crise instalada na mídia
  23. Há 150 anos o trem chegava a São Paulo
  24. Bravo Maestro, ou Maestro Bravo?
  25. Belém ou Belenzinho? Eis a questão
  26. “Novos Cangaceiros” agem no interior do Nordeste como nos tempos de Virgulino Ferreira, o “Lampião”
  27. Memórias de um repórter aéreo no aniversário da cidade
  28. A estrela sobe
  29. Circulando de carro por uma São Paulo que não volta mais
  30. Um passeio na história paulistana para quem visita a Liberdade
  31. Os 50 anos do álbum Revolver e a curiosa história de Eleanor Rigby
  32. Na festa da Rádio Nacional preocupação e saudades
  33. Paralimpíadas prometem marcar história no Brasil
  34. Morre o policial criador do Museu do Crime
  35. A curiosa passagem de um cronista inglês pelo Brasil de 1927
  36. Postura do povo paulista em 32 é exemplo para nossos dias
  37. Narrações esportivas da Copa 50 são doadas ao Museu do Futebol
  38. Vamos falar da Mooca?
  39. Os reis do futebol
  40. Esculápios, Boticas e Misericórdias na Piratininga D’Outrora
  41. A magia da vida nas canções de Gal Costa
  42. Conheça a verdadeira história da Revolução Constitucionalista
  43. A Era do Rádio
  44. São Paulo mantém mas não preserva a lenda do DC-3
  45. Os 20 anos do Windows 95 e o museu brasileiro do computador
  46. 50 anos depois a Jovem Guarda já é vista com melhores olhos
  47. Estados Unidos reabrem embaixada com festa e desconfiança
  48. Constellation: uma viagem aérea e musical pelo Rio de Janeiro antigo
  49. Há 60 anos surgia a fábrica de sonhos de Walt Disney
  50. Da maioridade de Dom Pedro II aos dias atuais, o Brasil sempre foi um país de “pedaladas”
  51. Marisa Monte reconhecida entre as melhores da MPB
  52. Estatuto da Pessoa com Deficiência: agora começa luta para qualificar a mão de obra
  53. A verdadeira história da Revolução Constitucionalista
  54. Marreco jogou melhor no tricolor do que Pato e Ganso
  55. Maria Bethânia: quinta melhor voz da MPB em todos os tempos
  56. Você já foi chamado de “coxinha”?
  57. Descubra o que São Paulo perdeu visitando acervo digital
  58. Descubra o que São Paulo perdeu visitando acervo digital (2)
  59. Livro e exposição resgatam chegada do zepelim ao Brasil
  60. Arqueólogas descobrem no Rio caminho secreto de Dom Pedro I
  61. Mostra desvenda a figura do Morgado de Mateus
  62. Em novo livro Gilles Lapouge declara seu amor ao Brasil

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171