País perdeu R$ 1 trilhão por demora no desenvolvimento do pré-sal, diz ANP

Plataforma de Mexilhão, na Bacia de Santos: o leilão dos blocos representa a “reinserção do país na rota mundial da indústria do petróleo e gás”, segundo o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho.
  • Save

O diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustível (ANP), Décio Oddone, disse na sexta-feira (27) que, com a demora na realização de leilões para exploração do pré-sal, o país perdeu grande volume de investimentos. Desde que o pré-sal foi descoberto, somente uma área tinha sido licitada até o momento.
“O pré-sal foi descoberto há uma década, e nesse período, só uma área foi licitada, a de Libra. A sociedade brasileira perdeu mais de R$ 1 trilhão, entre investimentos e arrecadação. Esse atraso no desenvolvimento do pré-sal foi a maior oportunidade perdida em uma geração. Mas estamos deixando esse tempo para trás”, disse Oddone, na abertura da segunda rodada de leilão de partilha dos blocos da área.
O leilão estava programado para começar às 9h, mas uma decisão liminar do juiz Ricardo de Sales, da 3ª Vara Federal Cível do Amazonas, suspendeu a segunda e terceira rodadas. A Advocacia-Geral da União (AGU) recorreu, e o Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) cassou a liminar, liberando a realização das rodadas de licitação do pré-sal. Para o diretor-geral, o Brasil tem mostrado segurança jurídica para os investidores.
Oddone afirmou ainda que os oito blocos ofertados vão transformar São Paulo em um dos principais produtores de petróleo do Brasil, e farão com que o Rio de Janeiro volte a ser a capital brasileira do petróleo e uma das regiões de maior produção do mundo. Os blocos estão localizados nas bacias de Campos e Santos. “A produção do pré-sal poderá ser responsável pelo maior acréscimo de oferta de petróleo fora dos países da OPEP nos próximos anos. Com isso, o Brasil retoma seu espaço na primeira liga do petróleo mundial”.
O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, também discursou na abertura da segunda rodada e destacou que o leilão faz parte do esforço para “reestabelecer a liderança do setor de óleo e gás na construção do PIB brasileiro”. O caminho seguido pelo governo “vai permitir a recuperação da economia brasileira”. O ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, diz que o leilão dos blocos representa a “reinserção do país na rota mundial da indústria do petróleo e gás” (ABr).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap