ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Projetos miram caixa-preta das tarifas de ônibus

Garantir o acesso da população às planilhas que servem de base para a definição do preço das passagens e dos reajustes é o objetivo de propostas em análise no Congresso

cidadania novo 01 temproario

 

Ag. Senado/Especial Cidadania

Os brasileiros pagam cerca de R$ 18 bilhões em passagens de transporte coletivo por ano sem saber se os valores são justos. A maioria das cidades não divulga as planilhas que embasam o cálculo das tarifas e, nos municípios onde elas estão disponíveis ao público, as informações são insuficientes, adverte o doutor em desenvolvimento urbano Lafaiete Neves, de Curitiba.

O especialista afirma que as planilhas geralmente tomam como base estudos feitos na década de 1980 pela extinta Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes (Geipot). Esse modelo, na avaliação de Neves, está desatualizado pela evolução tecnológica.

— Os motores que equipavam os ônibus na década de 1980 eram de primeira geração. Hoje são de quarta geração. Uma das consequ- ências é que o consumo de combustível ficou menor — avalia.

O segundo problema apontado por ele é a ausência de controle do consumo de combustível, como o existente na aviação civil. O combustível é um dos custos variáveis usados nas planilhas (veja quadro abaixo). Na maioria das empresas, não há fiscalização, diz.

— As empresas ganham em cima da defasagem do modelo e da falta de controle das autoridades, em prejuízo dos usuários — acrescenta.

cidadania vert temproarioTransparência
Para enfrentar o problema, o Senado trabalha em algumas propostas. Na primeira delas, incluiu mecanismos de transparência no projeto que visa reduzir as tarifas com a desoneração da atividade econômica (PLC 310/2009).

O texto institui o Regime Especial de Incentivos para o Transporte Coletivo Urbano de Passageiros (Reitup). Uma das condições para a concessionária beneficiar-se do Reitup é submeter-se a esses critérios de transparência.

Um deles é a contratação de auditoria externa em cidades com mais de 500 mil habitantes para auxiliar elaboração de laudo de cálculo da tarifa. Outra exigência é a aplicação da Lei de Acesso à Informação (12.527/2011) às empresas de transporte, em razão da existência de contrato de concessão com o poder público.

Como a Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) aprovou substitutivo do relator, senador Lindbergh Farias (PT-RJ), o projeto retornou à Câmara dos Deputados, que ainda não votou as alterações feitas no Senado.

Outro projeto torna obrigatória a divulgação das planilhas que embasam reajustes e revisões de tarifas. O PLC 50/2013, do deputado Ivan Valente (PSOL-SP), já foi aprovado por três comissões do Senado e está pronto para votação em Plenário.

Relator do texto na Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle (CMA), o senador Randolfe Rodrigues (RedeAP) considera a proposta essencial para abrir a caixa- -preta das tarifas de transporte coletivo. Para ele, não se sabe como é feita a política de reajuste desses preços.

Randolfe classifica de insuficiente a determinação por transparência na estrutura tarifária prevista na Lei 12.587/2012, que criou a Política Nacional de Mobilidade Urbana. De acordo com ele, a lei não é cumprida e, por isso, torna-se necessária uma determinação mais específica. Para o senador, a obrigatoriedade da divulgação poderá levar inclusive a uma revisão do modelo do Geipot, já que “a realidade de hoje é diferente dos anos 1980”.

Presidente da Comissão de Transparência e Governança (CTG) do Senado, Paulo Bauer (PSDB-SC) diz que o sigilo nas planilhas é incompatível com “um serviço concedido pelo poder público para o público”. Favorável ao PLC 50/2013, o senador defende um trabalho de conscientização dos prefeitos para que tornem as planilhas acessíveis ao público. Quanto à defasagem do modelo do Geipot, sugere a atualização e anuncia a intenção de fazer audiência pública para discutir o tema.

Distorções penalizam os usuários de renda mais baixa, aponta estudo

preview temproarioO modelo de financiamento do transporte público urbano (TPU) baseado na receita tarifária, adotado pela maioria das cidades brasileiras, apresenta distorções, apontadas em nota técnica do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), de julho de 2013.

Uma delas, conforme o documento, está relacionada à perda de demanda pagante no sistema devido ao aumento do custo da passagem. A nota técnica acrescenta: “Quando esse fato ocorre, e na última dé- cada no Brasil verificou-se esse movimento em função do avanço do transporte individual, o nível da tarifa torna-se cada vez mais alto para compensar a diminuição do número de tarifas pagas, o que induz novas perdas de demanda, retroalimentando o círculo vicioso que se forma em função da dependência das camadas mais carentes da população em relação ao TPU e sua baixa capacidade de pagamento”.

Outra distorção apontada é o subsídio cruzado entre passageiros, quando os pagantes são diretamente sobretaxados ao custear as gratuidades. Conforme a nota, essa situação é mais grave quando os pagantes de menor renda — a maioria dos usuários do transporte público — “arcam com gratuidades concedidas a pessoas pertencentes aos estratos de renda mais altos (estudantes e idosos de alta renda, por exemplo)”.

Segundo o estudo, o usuário que paga integralmente a tarifa destina um percentual desse valor para cobrir os usuários que não pagam ou têm desconto. A Associação Nacional de Empresas de Transportes Urbanos calcula em 20% o impacto médio das gratuidades nas capitais.

passagem temproarioFórmula dos anos 80 divide custo pelo número de pagantes

O modelo criado pela extinta Empresa Brasileira de Planejamento de Transportes (Geipot) nos anos 1980 e ainda hoje adotado pela maioria dos municípios brasileiros considera a tarifa como o rateio do custo total do serviço entre os usuários pagantes.

Para o cálculo, é necessário conhecer os seguintes elementos: número de passageiros transportados, quilometragem percorrida e custo quilométrico, que corresponde à soma de custos variáveis com custos fixos.

Os custos variáveis, que mudam em função da quilometragem percorrida pela frota, são os combustíveis, os lubrificantes, rodagem, peças e acessórios.

Os custos fixos, que independem da quilometragem percorrida, são o custo de capital (depreciação e remuneração), despesas com pessoal e despesas administrativas.

O custo total do serviço corresponde ao custo quilométrico acrescido da taxa de gerenciamento e tributos (como PIS, Cofins, ISS e ICMS).

Mais artigos...

  1. Frutas nativas brasileiras podem ser alternativa de renda
  2. O pêndulo demográfico
  3. Código de Processo Civil entrou em vigor com a promessa de agilizar ações
  4. Promotor da 'Mãos Limpas' elogia Moro e diz temer retaliação
  5. Congresso combate violência obstétrica
  6. Sob a lona, o poder do riso
  7. Projeto de alunos concorre em competição internacional
  8. Oswaldo Cruz, o médico que derrotou o Aedes
  9. Engenheiro define carreira até 3 anos após o primeiro emprego
  10. 58 milhões de devedores estão negativados, indica SPC Brasil
  11. Mulheres lutam por igualdade, mas problemas históricos persistem
  12. Atuações de mulheres no setor de franquias crescem e redes comemoram
  13. Desperdício de comida desafia sociedade moderna
  14. Sífilis avança e deve chegar a quase 42 mil casos entre gestantes neste ano
  15. Quando as emoções entram em pane
  16. Medalha de ouro em Los Angeles, Joaquim Cruz busca sucessor em Brasília
  17. Remédio comum pode salvar da morte vítimas de escorpiões
  18. Voto impresso começa a valer em 2018, mas já é alvo de críticas
  19. PE: mais da metade das famílias de bebês com microcefalia são de baixa renda
  20. Crise de refugiados e violência ameaçaram direitos humanos em 2015
  21. Sistema ajuda portador de deficiência visual a se locomover
  22. Intervenções espirituais e religiosas na saúde são benéficas
  23. Livro resgata ideias econômicas de Roberto Simonsen
  24. Ensino de literaturas africanas precisa de melhorias
  25. Arqueologia na Amazônia elucida mistério de 500 anos
  26. Cérebro induz à escolha de alimentos calóricos para armazenar energia
  27. Obesidade pode interferir na aprendizagem das crianças
  28. Um dia na maior universidade de aviação do mundo
  29. Jornada de refugiados inclui perigos da travessia e desafios da integração
  30. Engraxates ambulantes influenciaram no samba paulistano
  31. Mais tempo para mães de prematuros
  32. Com diferentes estilos e histórias, 355 blocos animam carnaval paulistano
  33. Mesmo com crise, escolas prometem carnaval luxuoso em São Paulo
  34. Perda de emprego leva pessoas para o trabalho informal
  35. Eleição de líderes partidários movimenta retomada dos trabalhos legislativos
  36. Comissões de frente surpreendem por inovações a cada carnaval
  37. Desemprego fecha dezembro em 6,9% e atinge maior taxa para o mês desde 2007
  38. Escolas de samba apostam na especialização para produzir alegorias e adereços
  39. Vegetais: crus ou cozidos?
  40. Ano Novo Chinês: conheça as tradições milenares que marcam a data_a
  41. Travestis comemoram entrada em universidades e esperam diálogo mais saudável
  42. Aída foi a primeira a voar
  43. Aquífero Guarani: estudo analisa as negociações do acordo
  44. Cães reconhecem o significado de expressões emocionais
  45. DOI-Codi sequestra e mata Manoel Fiel e diz que metalúrgico cometeu suicídio
  46. Modernidade traz novos significados aos contos de fadas
  47. Distúrbios na tireoide podem causar ansiedade e depressão
  48. Atletas se destacam pela persistência; relembre momentos das Olimpíadas
  49. Oferta de frutas é similar em regiões ricas e pobres de São Paulo
  50. Pesquisa traça panorama dos acidentes de trânsito no Brasil
  51. Liga acadêmica une teoria e prática em ação para a sociedade
  52. Licença para voar
  53. Economias de aglomeração podem ampliar desigualdade espacial
  54. A supressão da cidadania nas celas
  55. 2015: O ano que o futebol começou a limpar as chuteiras
  56. Crise migratória e atentados terroristas marcam cenário internacional em 2015
  57. Conheça mitos e verdades sobre a osteoporose
  58. Peixe do rio Negro coletado por Alfred Wallace há 160 anos é finalmente descrito
  59. Projeto proíbe revista vexatória de visitante de jovem infrator internado
  60. Pequeno príncipe, grande aviador
  61. Patrimônio histórico nas mãos das Geociências
  62. Mudança no crime organizado ajudou a reduzir homicídios
  63. Universalização da pré-escola traz desafio gigantesco aos municípios
  64. Falta de assistência no nascimento de bebês incomoda mães
  65. Gastar menos energia é melhor ação contra aquecimento global
  66. Revelando o turista-fotógrafo
  67. Cidades pretendem reduzir quase pela metade emissões de CO2 até 2020
  68. O Estatuto do Desarmamento sob ameaça
  69. Getúlio e Collor também passaram por processo de impeachment
  70. Políticas públicas também tratam a saúde como mercadoria
  71. Estudo indica que Zika vírus está cada vez mais eficiente para infectar humanos
  72. Padronizar tamanho de roupas é possível, mostra estudo
  73. Pesquisador investiga a privatização e a concentração de capital no ensino superior
  74. Desmatamento reduz tamanho de peixes em região amazônica
  75. Mobilização marca vida dos encarcerados nas prisões
  76. Decreto regulamenta publicidade de alimentos infantis
  77. Chá verde e cacau protegem contra complicações causadas por diabete
  78. Lei de drogas vem causando lotação no sistema penitenciário
  79. Paleontólogos descrevem anfíbio gigante de 260 milhões de anos
  80. O padre aviador
  81. Presídio paraibano ilustra realidade do cárcere no Brasil
  82. Às vésperas da Rio 2016, legado da Olimpíada ainda é incógnita
  83. Rota de ônibus é definida com base no conforto do passageiro
  84. Filmes levam discussão sobre cultura indígena para a escola
  85. Entenda o que é a microcefalia e porque há um aumento dos casos em Pernambuco
  86. Pesquisas na Argentina dão vantagem ao candidato da oposição Mauricio Macri
  87. Modelo de governança é adaptado para clubes de futebol
  88. Estudante precisará de carteira padronizada para pagar meia
  89. Filha de Carolina de Jesus diz que não conseguiu ler livro mais famoso da mãe
  90. Envelhecimento da população precisa ser priorizado nas políticas públicas
  91. Entenda as novas regras para aposentadoria
  92. Elefante no Cerrado exerceria papel que já foi de mastodontes
  93. Fórmula auxilia médicos a lidarem com pé diabético
  94. Trotes telefônicos podem custar R$ 1 bilhão por ano ao país
  95. Tecnologia 29/10/2015
  96. Pesquisadores criam métodos estatísticos para prever fraudes em operações financeiras
  97. As particularidades da linguagem humorística brasileira
  98. Pílula da USP usada em tratamento contra o câncer divide opiniões
  99. Como identificar infarto, AVC e angina
  100. Viagens longas propiciam uso de drogas por caminhoneiros
Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171