70 views 11 mins

Geral 30/07 a 01/08/2016

em Geral
sexta-feira, 29 de julho de 2016

Petrobras vende por US$ 2,5 bi participação em bloco na Bacia de Santos

O BM-S-8 está localizado na Bacia de Santos e é atualmente operado pela Petrobras, que detém 66% do empreendimento.

O Conselho de Administração da Petrobras aprovou a venda de sua participação no bloco exploratório da Bacia marítima de Santos – 8 (BM-S-8) – na área do pré-sal – para a empresa norueguesa Statoil Brasil Óleo e Gás em um negócio de US$ 2,5 bilhões e que envolve o prospecto exploratório denominado Carcará

Segundo a empresa, a operação faz parte da política de gestão de portfólio da Petrobras “que prioriza investimentos em ativos com maior potencial de geração de caixa no curto prazo e com maior possibilidade de otimização de capital e de ganhos de escala, tendo em vista a padronização de projetos de desenvolvimento da produção”. A transação faz arte do novo Plano de Parcerias e Desinvestimentos 2015-2016 que vem implantado pela Petrobras e “sua conclusão está sujeita a determinadas condições precedentes usuais, incluindo o direito de preferência por parte dos demais parceiros no BM-S-8 e a aprovação pelos órgãos competentes”.
Neste contexto, a Petrobras tem obtido vantagens competitivas relevantes no desenvolvimento do pré-sal brasileiro com a aplicação extensiva de projetos semelhantes e equipamentos padronizados. Em nota, a empresa informa que a venda faz parte “de um processo competitivo e representa um avanço material na parceria estratégica entre as duas companhias que já possuem acordos de cooperação com foco em desenvolvimento tecnológico na área de E&P offshore.
Com relação ao preço base da transação, de US$ 2,5 bilhões, a primeira parcela, correspondente a 50% do valor total (US$ 1,25 bilhão), será paga já no fechamento da operação. O restante do valor será quitado através de parcelas contingentes relacionadas a eventos subsequentes como, por exemplo, a celebração do Acordo de Individualização da Produção (unitização). O BM-S-8 está localizado na Bacia de Santos e é atualmente operado pela Petrobras, que detém 66% do empreendimento, em parceria com a Petrogal Brasil (14%), Queiroz Galvão Exploração e Produção (10%) e Barra Energia do Brasil Petróleo e Gás (10%). A nota lembra, ainda, que foi no bloco que ocorreu a descoberta no prospecto exploratório denominado Carcará.
Ainda segundo a Petrobras, ela continua negociando com a Statoil um Memorando de Entendimento, onde outras iniciativas de cooperação estratégica serão avaliadas com o objetivo de uma atuação de longo prazo.
A nota ressalta que “a operação em curso abre oportunidades para que parcerias com outras empresas, com forte expertise e condições de investimento, contribuam para o fortalecimento da indústria de óleo & gás no Brasil”.

25% dos micro e pequenos empresários pretendem contratar

Presidente da CNDL, Honório Pinheiro.

Uma sondagem realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) revela que somente um em cada quatro (25,0%) micro e pequenos empresários que atuam no comércio e no segmento de serviços pretende fazer alguma contratação até o fim deste ano. Com o mercado de trabalho enfraquecido, mais da metade (59,3%) desses empresários não têm a intenção de contratar novos funcionários, seja porque não se veem atualmente em condições financeiras para aumentar a folha de pagamento da empresa (35,8%) ou por estarem com mão de obra ociosa (12,1%), uma vez que a atividade da empresa diminui nos últimos meses.
O levantamento revela ainda que 20,5% das micro e pequenas fizeram pelo menos uma demissão no último mês de junho, sendo que para 9,1% o desligamento aconteceu por conta da queda do faturamento do negócio. Outros 6,0% demitiram algum funcionário, mas contrataram outro para substituí-lo. Entre os que demitiram, a maioria (60,4%) desligou apenas um empregado.
Para o presidente da CNDL, Honório Pinheiro, a perspectiva é de que o quadro recessivo da economia se estabilize nos próximos meses, melhorando paulatinamente o ambiente no mercado de trabalho para novas contratações e menos demissões. “A piora no mercado de trabalho é resultado da recessão. Com a expectativa de resolução da crise política e a retomada da agenda econômica, a confiança dos empresários e dos consumidores devem voltar a apesentar melhoras e o ciclo de queda nas vendas no varejo irá se atenuar, iniciando um período lento, mas de gradual melhora”, analisa Pinheiro.

Tráfico de humanos no Amazonas

A Polícia Federal fez na sexta-feira (29), operação para desarticular uma organização criminosa que usava ilegalmente o próprio nome da PF. O grupo fazia anúncios para atrair jovens amazonenses a apresentações artísticas na Coreia do Sul, mas na verdade tinha como objetivo a exploração sexual dos interessados.
A empresa Brazil Amazon Show & Productions postava anúnicos em redes sociais para recrutar jovens dançarinos e dançarinas, com a promessa de pagar passagens aéreas, visto, alimentação, moradia e um salário de R$ 3 mil. A PF era apresentada como validadora dos contratos de trabalho. A Operação Salve Jorge cumpriu cinco mandados de condução coercitiva e cinco de busca e apreensão. As investigações apontaram cidadãos sul-coreanos como responsáveis por financiar o esquema (ABr).

Em Auschwitz, Papa pede perdão por ‘tanta crueldade’

Em temproario

O papa Francisco realizou na sexta-feira (29) uma das visitas mais esperadas de sua viagem à Polônia: a ida aos campos de concentração nazista de Auschwitz e Birkenau, símbolos de horror da Segunda Guerra Mundial e palco da morte de milhões de judeus. Em espanhol, o líder católico escreveu uma mensagem no “Livro de Honra” às vítimas. “Senhor, tende piedade do teu povo! Senhor, perdoa tanta crueldade”, escreveu o Pontífice de acordo com um tuíte divulgado pelo Museu Memorial de Auschwitz.
A viagem, feita em grande parte a pé pelo sucessor de Bento XVI, foi realizada em silêncio. Francisco orou sozinho por diversas vezes e parou por alguns minutos perante ao Bloco 11 de Auschwitz, considerado o “Bloco da Morte” dos judeus presos pelos nazistas. No local, há também a cela do mártir franciscano Maximiliano Kolbe, que trocou sua vida para que os militares de Adolf Hitler poupassem uma família de judeus.
O Papa ainda encontrou um grupo de sobreviventes do Holocausto, em momento repleto de emoção, com troca de abraços e de algumas palavras. Um dos sobreviventes deu de presente para Jorge Mario Bergoglio uma pequena vela, que o argentino acendeu em frente ao chamado “muro do fuzilamento”. Assim que terminou a visita por Auschwitz, o sucessor de Bento XVI foi ao campo de Birkenau, onde voltou a rezar em silêncio perante às lápides que lembram as vítimas do Holocausto de todas as nações (ANSA).

Mais cinco atletas refugiados chegam ao Rio

Equipe de atletas refugiados do Quênia vêm para participar dos Jogos Olímpicos.

Cinco atletas do Sudão do Sul que vivem refugiados em um campo das Nações Unidas no Quênia chegaram ao Rio de Janeiro para participar dos Jogos Olímpicos Rio 2016. Os três homens e duas mulheres, que disputarão provas de atletismo sob a bandeira da Equipe Olímpica de Atletas Refugiados, vivem no acampamento de Kakuma.
Anjelina Nada Lohalith, no feminino, e Paulo Amotum Lokoro, no masculino, vão competir nas provas de 1.500 metros. As de 800 metros serão disputadas por Rose Nathik Lkonyen, no feminino, e Yiech Pur Biel, no masculino, e as de 400 metros, por James Nyang Chiengjiek. Antes de vir ao Rio, eles passaram por uma temporada de treinamento em Nairóbi, capital do Quênia.
Esta é a primeira olimpíada da Equipe Olímpica de Atletas Refugiados, que será composta por dez atletas na Rio 2016. Os judocas congoleses Yolande Mabika (judô feminino, peso médio) e Popole Misenga (judô masculino, peso médio) vivem no Rio. “Essa participação na Olimpíada é boa porque, em primeiro lugar, eu, como atleta, me sinto realizado em correr. Em segundo lugar, nós temos uma mensagem para o mundo: apesar de sermos refugiados, somos capazes de fazer qualquer coisa”, disse Yiech Pur Biel, ao desembarcar.
Os nadadores sírios Ramis Anis (100 metros livre e 100 metros borboleta masculino) e Yusra Mardini (100 metros borboleta feminino), que vivem na Europa, também já tinham chegado ao Rio. O único atleta da equipe que ainda não desembarcou na cidade foi o etíope Yonas Kinde, que disputará a maratona (ABr).