92 views 13 mins

Geral 29/11/2017

em Geral
terça-feira, 28 de novembro de 2017
Com Nobel da Paz, Papa cobra respeito aos direitos humanos.

Com Nobel da Paz, Papa cobra respeito aos direitos humanos
Com Nobel da Paz, Papa cobra respeito aos direitos humanos.


O papa Francisco se reuniu ontem (28) com a Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi, em Myanmar e ouviu elogios da “líder de fato” do país por sua ajuda nas questões de tolerância e de respeito
aos direitos humanos

Por sua vez, Francisco pediu o respeito a todas as etnias e religiões do país.
Segundo a representante do governo, os “desafios” que seu país tem pela frente “para proteger os direitos, perseguir a a tolerância e assegurar a segurança de todos”, incluindo também a questão do estado de Rakhine, onde há a grave crise com os muçulmanos rohingyas, “nos pedem força, paciência e coragem”. Por conta disso, ela agradeceu Jorge Mario Bergoglio por estar entre “os bons amigos que desejam ver o sucesso de nosso esforço”.
Já o Papa pediu “tolerância, unidade e perdão” para “curar as feridas e construir um novo país”. “O árduo processo de construção da paz e da reconciliação nacional pode avançar apenas através do empenho pela justiça e o respeito aos direitos humanos”, disse o líder religioso ao afirmar que fazer justiça “é a vontade de reconhecer a qualquer um os seus direitos”.
Conforme foi orientado, Bergoglio não usou o termo “rohingya” em sua fala. Apesar da minoria muçulmana que é perseguida no país ser conhecida assim mundialmente, o governo de Myanmar usa o termo “bengalis de Rakhine”.
Em seu discurso de cerca de 15 minutos, Francisco ainda afirmou que as “religiões podem desenvolver um papel significativo na cura das feridas emotivas, espirituais e psicológicas daqueles que sofreram nos anos de conflito”.
Antes dos discursos dos dois líderes, Papa e Aung San Suu Kyi se reuniram a portas fechadas por 23 minutos. Entre os temas abordados, a crise dos rohingyas foi uma das pautas, bem como a reconstrução do governo após décadas de ditadura militar. Apesar do clima amistoso mostrado pelos dois, a Nobel da Paz é duramente criticada por conta da sua gestão na crise com os rohingyas.
A ONU, e até mesmo os Estados Unidos, acusaram o país de estar fazendo “uma limpeza étnica clássica” e condenaram a atuação de Aung San Suu Kyi, que nada fez pela população. Após meses de fuga, ela chegou a visitar Rakhine, no início de novembro, mas a etnia já está reduzida a poucas milhares de pessoas. Na semana passada, antes da visita do Papa, Myanmar fechou um acordo com Bangladesh para permitir o retorno de quem fugiu, mas as ONGs temem que não exista condições de segurança para toda a população (ANSA).

Chapecoense lança portal para homenagear vítimas de tragédia

Tributo em Chapecó relembra vítimas de acidente aéreo, em abril de 2017.

Ao lembrar o primeiro aniversário do acidente aéreo que dizimou a delegação da Chapecoense, o clube de Santa Catarina lançou um portal para homenagear as vítimas da tragédia de Medellín. Chamada “Pra Sempre Chape”, a página permite que torcedores e fãs compartilhem mensagens, fotos e vídeos em memória dos que perderam a vida na noite de 28 de novembro de 2016, pelo horário colombiano, e madrugada do dia 29 no Brasil.
“Eternizar momentos e lembranças. Por tudo que representaram como pessoas, pais, irmãos, maridos, amigos, atletas e torcedores. Por serem parte da nossa história. Por terem nos dado tantas alegrias e orgulho. A saudade de vocês jamais deixará de existir, mas [vocês] estarão, sempre, vivos em nossas mentes e em nossos corações. Obrigado por tudo”, diz a mensagem escrita pelo clube no portal.
O acidente ocorreu perto do Aeroporto de Medellín, onde a Chapecoense disputaria a final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional, e matou 71 pessoas, incluindo 19 jogadores, o técnico Caio Júnior, dirigentes, jornalistas e sete tripulantes. O avião pertencia à Lamia, companhia aérea fundada em 2009, na Venezuela, mas que começou a operar apenas em 2014 e que pouco depois transferiu sua sede para a Bolívia.
Sua especialidade eram voos fretados para times de futebol da América Latina, já que oferecia flexibilidade para pousar em aeroportos remotos. A aeronave que caiu com a delegação da Chape era a única de sua frota em condições de voar. A causa do acidente foi falta de combustível. No entanto, as autoridades de Bolívia e Venezuela ainda investigam para descobrir o real proprietário da Lamia (ANSA).

Assumir a presidência do PSDB foi ‘um pedido’ de FHC

São Paulo – O governador Geraldo Alckmin afirmou ontem (28), que a decisão de assumir a presidência do PSDB foi feita após um pedido do ex-presidente, Fernando Henrique Cardoso. O governador falou que a presidência do partido só será decidida em encontro no dia 9 de dezembro e que aceitará comandar a sigla “para promover a união e fortalecer o PSDB para ser um forte instrumento de mudança do Brasil”. Nesse caso, diz o governador, “é lógico, é meu dever ajudar”.
O governador negou ter conversado com o senador Aécio Neves sobre a presidência do PSDB. Sobre a reforma tributária, Alckmin disse ser a favor da medida. “Temos um modelo tributário complexo, que tem um custo muito elevado para as empresas e os contribuintes. Devemos simplificar esse modelo, desburocratizar”.
Durante visita a Ribeirão Preto ontem, o governador enfrentou um protesto no Hospital das Clínicas. Os manifestantes, cerca de 20 e muitos deles funcionários da própria instituição, portavam cartazes e fizeram muito barulho. Aos gritos de “golpista”, eles reclamavam de problemas na saúde pública, falta de reajuste para os professores e o vale-alimentação de R$ 8 dos servidores do Estado, valor que consideram baixo.
O governador tentou demonstrar tranquilidade com o protesto. “Já estou acostumado, desde a época do Mário Covas isso sempre acontece”, disse. Para completar em seguida. “A gente tem de ter paciência”. Ele falou ainda que tem uma boa notícia para a categoria. “Nós vamos antecipar o pagamento do 13º salário, vai ser pago dia 15”, explicou. “E estamos estudando sim, reajuste de salário e do vale refeição”, finalizou (AE).

Portugal teve o outubro mais quente dos últimos 87 anos

Além do calor, a seca atinge 100% do território continental do país.

O mês de outubro de 2017 foi extremamente seco e excepcionalmente quente em Portugal. De acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), foi o mês de outubro mais quente dos últimos 87 anos (desde 1931), com a média da temperatura do ar cerca de 3°C acima do valor normal.
Amédia da temperatura máxima foi a mais alta desde o ano de 1931, cerca de 5°C acima do valor normal. Já a temperatura mínima teve uma média superior ao normal em cerca de 1°C. Em outubro ocorreram duas ondas de calor que abrangeram grande parte do território do continente, com exceção das regiões do litoral. A primeira onda de calor, entre os dias 1º e 16, foi uma das mais longas registradas no mês de outubro.
Em relação às chuvas, o mês de outubro classificou-se como extremamente seco, com 30 % do valor normal. Este mês foi o mais seco dos últimos 20 anos.
De acordo com o índice meteorológico de seca – PDSI, no final do mês de outubro, todo o território de Portugal continental estava em situação de seca severa (que atingiu 24,8% da área) e extrema (75,2%) .
Ontem (28) , cinco distritos portugueses entraram em alerta amarelo devido à previsão de períodos de chuvas fortes e trovoadas em alguns locais. O aviso amarelo é emitido pelo IPMA sempre que há situação de risco para determinadas atividades dependentes da situação meteorológica. Os distritos de Évora, Faro, Setúbal, Lisboa e Beja estarão sob aviso amarelo desde as 15h de ontem (ABr).

Arcebispo confirma que Harry e Meghan se casarão na igreja

O arcebispo de Canterburry, líder da Igreja Anglicana, Justin Welby, confirmou que o príncipe Harry e a atriz norte-americana Meghan Markle irão “abençoar seu casamento perante Deus”. O anúncio ocorre porque Markle é divorciada e tem raízes católicas, dado que seu pai segue a religião e chegou a colocar a então criança para estudar em um colégio católico norte-americano. Além disso, o casamento entre um membro da família real e uma pessoa divorciada é bem aceita, de fato, pela primeira vez.
Ao longo dos séculos de monarquia, um membro da realeza precisaria renunciar ao seu título caso quisesse casar com alguém separado e/ou divorciado. Agora, só faltam saber os detalhes do casamento e da data escolhida pelos noivos, já que o comunicado oficial do matrimônio, divulgado na segunda-feira (27), informava que a cerimônia seria na “primavera de 2018”, ou seja, entre março e junho do ano que vem.
Hoje, foi a vez da duquesa de Cambridge e cunhada de Harry, Kate Middleton, parabenizar o casal. “Eu e William estamos absolutamente elétricos com o casamento. É um momento feliz para qualquer casal e nós desejamos o melhor para eles”, disse a duquesa antes de participar de um evento. Kate, que está grávida do terceiro filho, deve ter o bebê bem na época do casamento, no mês de abril, segundo as previsões (ANSA).