Geral 17/09/2015

Com redução da velocidade, caem os acidentes nas marginais Tietê e Pinheiros

Pistas locais das marginais Pinheiros e Tietê tiveram a velocidade reduzida para 50 km/h.
  • Save

Os acidentes com vítimas nas marginais Tietê e Pinheiros, principais vias expressas da capital paulista, tiveram queda de 36% após a redução da velocidade máxima

Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), foram 140 acidentes com mortos ou feridos entre 20 de julho e 13 de setembro. No mesmo período do ano passado, foram registradas 220 ocorrências. Em 2014, acidentes e atropelamentos causaram a morte de 73 pessoas nas duas vias.
Em julho, a velocidade máxima permitida para os carros nas pistas expressas das marginais foi reduzida de 90 km/h para 70 km/h. Para os caminhões, o limite diminuiu de 70km/h para 60km/h. Na pista local da Marginal Pinheiros, a velocidade permitida passou de 70km/h para 50km/h. Na faixa central da Tietê, caiu de 70 km/h para 60 km/h.
Houve ainda queda de 21% no número de acidentes sem vítimas nas vias. Nas oito semanas avaliadas, foram registradas 414 ocorrências e no mesmo período de 2014, 523.
As extensões dos congestionamentos também caíram, em média, 8% em relação ao ano passado. No horário de pico da tarde, a redução chegou a 14%, de 47,7 quilômetros para 40,9 quilômetros. No pico da manhã, a redução do tamanho dos engarrafamentos ficou em 11%, de 21,8 quilômetros para 19,4 quilômetros. Em toda a cidade, a queda na extensão dos congestionamentos é 6%.
Desde o ano passado, a prefeitura vem reduzindo a velocidade máxima em ruas e avenidas da cidade como forma de prevenir acidentes e atropelamentos. Ao longo de 2014, a medida foi implementada em 61 quilômetros de vias na capital.
Na última sexta-feira (11), dez vias responsáveis pela ligação entre as zonas leste e oeste da cidade tiveram o limite de velocidade reduzido de 60km/h para 50km/h. Passaram pela alteração a Av. Francisco Matarazzo, Ligação Leste-Oeste, Av. Alcântara Machado, o Viaduto Pires do Rio, a Rua Melo Freire, Av. Conde de Frontin, Av. Antônio Estevão de Carvalho, Av. Doutor Luís Ayres, o Complexo Viário Itaquera e a Av. José Pinheiro Borges (ABr).

Papa pede respeito às mulheres e às famílias

O papa pediu orações por sua viagem à Cuba e aos Estados Unidos na próxima semana.
  • Save

Durante a audiência geral de ontem (16), o papa Francisco pediu o fim dos estereótipos sobre as mulheres e uma nova teologia voltada a elas. “Existem muitos estereótipos, alguns até ofensivos, sobre a mulher ser tentadora. Ao invés disso, há espaço para uma teologia da mulher que seja à altura dessa geração de Deus. A mulher, cada mulher, tem uma benção especial e secreta para a defesa de suas criaturas do maligno, como a mulher do Apocalipse que corre para defender o filho do dragão e o protege”, disse na homilia.
Na última missa que celebra na Praça São Pedro antes do início do Sínodo da Família, que começará no dia 4 de outubro, o Pontífice destacou a importância feminina na família e propôs “uma nova aliança do homem e da mulher”, que seja “estratégica para a emancipação dos povos da colonização do dinheiro”. Em frente aos 25 mil fiéis no Vaticano, Francisco ainda enviou mensagens em diversas idiomas e aproveitou para reforçar a imagem da figura feminina nessas comunidades.
“O enfraquecimento do laço conjugal entre homem e mulher leva, inevitavelmente, ao enfraquecimento de todos os laços humanos. Trabalhemos para afastar qualquer forma de ridicularizar o casamento, de qualquer forma de injustiça e de desigualdade, em particular, nas questões das mulheres”, disse na mensagem em árabe.
Já para os peregrinos que falam a língua portuguesa, Jorge Mario Bergoglio enviou uma “saudação particular” aos grupos de brasileiros e portugueses que estavam no Vaticano e que a “ternura divina” façam com que vocês “transformem o mundo com a fé”. Ao fim da celebração, o sucessor de Bento XVI pediu orações por sua viagem em Cuba e nos Estados Unidos entre os próximos dias 19 e 27 (ANSA).

Adicional e aposentadoria especial para cinegrafistas

A Comissão de Constituição e Justiça da Câmara aprovou o projeto que estabelece o pagamento de adicional para fotógrafos, cinegrafistas e outros funcionários de empresas de comunicação que, em atividade externa, precisem carregar ou apoiar sobre os ombros equipamentos que pesem acima de três quilos. O benefício será pago no valor de 50% por hora ou fração superior a 15 minutos trabalhados.
Pela proposta, do deputado Marco Maia (PT-RS), esses profissionais terão direito a uma folga semanal a cada 14 dias, desde que tenham realizado nesse período pelo menos um trabalho externo. O projeto também estabelece que eles poderão requerer aposentadoria após 30 anos de serviços efetivamente prestados. No Plenário o projeto precisa de 257 votos para ser aprovado.
As empresas de comunicação deverão submeter os funcionários a avaliações anuais de saúde, além de fornecer, durante o expediente, ginástica laboral por 15 minutos diários, no mínimo. A proposta tramita em regime de urgência, mas ainda precisa ser analisada pelas comissões de Seguridade Social; de Trabalho; de Finanças e Tributação; e pelo Plenário para ser aprovado (Ag.Câmara).

Assédio moral pode se tornar ato de improbidade administrativa

A Câmara analisa o projeto do Senado, que acrescenta o assédio moral à lista de atos de improbidade administrativa. Pela proposta, o superior que expor funcionário público a situações humilhantes e constrangedoras pode, entre outras medidas, perder o emprego e pagar multa de 100 vezes o valor de seu salário. O assédio moral é mais comum em relações hierárquicas de um ou mais chefes dirigida a um ou mais subordinados.
Na opinião do autor do projeto, o ex-senador Inácio Arruda, esse tipo de atitude é execrável em qualquer situação, mas é ainda mais indefensável quando ocorre no serviço público. ‘’O eventual exercício de cargos de chefia no serviço público se dá em nome do interesse público e deve ser pautado pelos princípios constitucionais da impessoalidade e da moralidade’’, afirma Arruda.
A proposta ainda faz referência para problemas mentais de saúde que funcionários assediados podem ter, como a depressão. No funcionalismo público, onde há maior estabilidade de emprego, chefes acabam assediando moralmente funcionários por não haver meios de demiti-lo. A proposta tem prioridade e será analisada pelas comissões de Trabalho; e de Constituição e Justiça, depois segue para o Plenário (Ag.Câmara).

Deputado considera aplicativo Uber clandestino

Diretor do Uber Brasil, Daniel Mangabeira.
  • Save

O deputado Celson Russomanno (PRB-SP) classificou como clandestino o serviço de transporte feito por meio do aplicativo Uber em audiência pública promovida pela Comissão de Defesa do Consumidor. Ele disse isso ao rebater argumentos do diretor de Políticas Públicas do Uber Brasil, Daniel Mangabeira, a respeito da legalidade do serviço, questionada por taxistas presentes à audiência.
“A lei nos países em que o Uber é usado já permitia o serviço, apesar de não haver regulação. O mesmo acontece no Brasil”, disse o representante da empresa. Russomanno refutou: “Existe sistema permissionário que é público. Para que uma pessoa dirija um táxi ou um ônibus, o motorista tem que ser profissional, não amador. Até que seja regulamentado, o Uber é clandestino. Não há dúvida sobre isso”, disse o deputado.
O representante do Uber concordou que é preciso regulamentar a atividade – apesar de, segundo ele, a lei não impedir a prestação de serviços. “O debate não é entre Uber e táxi. Em muitas cidades, a plataforma do Uber também trabalha com táxi ”, disse Mangabeira. Na Câmara, tramita projeto do deputado Paulo Teixeira (PT-SP), que deixa claro que a prestação de serviço remunerado de transporte de passageiros por intermédio da utilização de aplicativo ou qualquer outro serviço tecnológico está sujeita à autorização do poder público.
O relator do projeto, deputado Hugo Leal (Pros-RJ), também classifica o serviço do Uber clandestino (Ag.Câmara).

COI: 5 cidades concorrem às Olimpíadas de 2024

O Comitê Olímpico Internacional (COI) anunciou as cinco cidades que estão na disputa para sediar as Olimpíadas de 2024. Roma, Budapeste, Hamburgo, Paris e Los Angeles foram selecionadas e agora lutam para organizar o maior evento do mundo. “Não esperávamos mais candidatas porque esta é uma competição sobre a qualidade e não sobre a quantidade. Temos cinco cidades qualificadas e, por isso, a disputa será muito dura e fascinante”, afirmou o presidente da entidade, Thomas Bach.
O mandatário aproveitou o anúncio para informar ainda que o COI repassará US$ 1,7 bilhão ao Comitê Olímpico vencedor da disputa. O anúncio oficial da vencedora será realizado no Peru, em setembro de 2017. Los Angeles, que substituiu Boston na disputa entre as cidades norte-americanas, é apontada como a favorita por analistas. Porém, as candidaturas de Roma e de Paris contam com amplo apoio de seus respectivos governos e têm projetos considerados “atraentes” pela entidade.
Já a alemã Hamburgo vai decidir, através de um plebiscito, se continua no pleito no dia 29 de novembro. Caso a população negue o evento esportivo, o país se retirará da “corrida olímpica”. Budapeste é considerada a mais fraca das concorrentes, por ter pouca experiência na realização de grandes eventos e por diversos problemas de infraestrutura (ANSA).

 
 
 
 
 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap