Educação empresarial para o século 21

Adaptabilidade. Flexibilidade. Mudar. Se o século 21 é tudo sobre disrupção, o que isso significa para a Educação?

Vamos tomar como base os últimos 25 anos, desde que as principais escolas de negócios estruturaram seus cursos para a área empresarial, e como os negócios mudaram nesse tempo. Em 1991, quase ninguém tinha ouvido falar da “World-Wide-Web”, a fechada União Soviética era uma das três economias mais fortes do planeta e cada país da Europa Ocidental tinha sua própria moeda.

Um quarto de século depois, a China e a Índia são os locais de comércio; o tão desejado Euro provou ser uma libertação para alguns países e um desastre para outros; há todo um subcontinente de novos parceiros comerciais do Leste Europeu – e tudo isso, por meio da maravilha da tecnologia, está literalmente na palma da nossa mão.

Mas como serão os negócios em outro quarto de século? E como as escolas de negócios se adaptarão para ajudar os homens e mulheres de negócios de amanhã a enfrentar esses desafios? Esta é a questão espinhosa que está sendo discutida nos meios acadêmicos. E todos os acadêmicos acreditam que a raça humana terá prioridades bastante diferentes em 2041 – e que a educação empresarial as refletirá.

O mundo está mudando: aumento da população, diminuição dos recursos naturais – isso significa mais migração, aumento da desigualdade de renda. As organizações corporativas estão se tornando cada vez mais conscientes de suas responsabilidades sociais e ambientais e, portanto, as escolas de negócios proativas devem fazer o mesmo.

Um tema-chave é que os líderes de empresas com fins lucrativos terão que alcançar outras organizações com prioridades diferentes, como ONGs – e isso exigirá novas habilidades. Empresários de sucesso manterão e nutrirão ideias opostas – e ainda serão capazes de seguir em frente. Precisamos fornecer às pessoas as ferramentas para gerenciar essa ambiguidade. E à medida que as prioridades mais amplas se tornam mais aparentes, veremos mais cooperação e competição entre organizações rivais. As escolas precisarão fornecer aos alunos as habilidades para lidar com isso.

Outro aspecto é a ascensão das interações remotas. É perfeitamente possível que a administração nos negócios inclua interações não humanas. Muitos empregos serão ocupados por robôs – mas as pessoas ficarão desempregadas e pobres, ou ricas com muito tempo de lazer?

Essa mesma revolução digital trará ameaças inicialmente inesperadas para as escolas de negócios. Todos os tipos de organizações estão agora entrando no mercado de educação. Exemplos como a Pearson quanto o Google agora tem licenças para oferecer diplomas e muito mais virão.

Sempre se supôs que a tecnologia estava matando as universidades. Primeiro foi o rádio, depois a TV e depois os computadores – mas ainda estão aqui e liderando a inovação. Aprender à distância pode ser uma experiência isoladora, abraçamos a diversidade e oferecemos uma interação com as pessoas, permitindo que você aprenda não apenas com os tutores, mas também com a experiência de outros alunos. Talvez a tecnologia que captura essa experiência em um mundo online não demore muito – mas como locais de trabalho reais já combinam relacionamentos virtuais e face a face, espero que continue na educação de negócios. A chave para a Escola é experimentar, experimentar, explorar uma nova pedagogia, métodos inovadores de envolver as pessoas.

SP/ junho de 2021

MINI CV: Prof. Ms Almir Vicentini é mestre em Educação, Coordenador e Professor de Pós-Graduação de cursos na área da Educação, Curador do “Programa Escola da Família” e das LIVES “Universo Educação”, ambas da Full Sail University. Autor de livros sobre Gestão Escolar, Competências Socioemocionais e Comportamentais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap