Ideias de negócios para quem quer empreender com pouco dinheiro

O Brasil tem cerca de 19,7 milhões de empresas ativas atualmente, e mais de 200 mil novos negócios são abertos todo mês no país. As informações são do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi). Diante das consequências da pandemia, a necessidade de se reinventar e buscar novas atividades têm ainda mais relevância, mas a falta de recursos pode ser um dilema para o brasileiro.

Para Miklos Grof, CEO da Company Hero, startup que soluciona dores e elimina barreiras na jornada de prestadores de serviços e PMEs, as pessoas têm encontrado na esfera digital um grande potencial para conseguir renda extra ou buscar novos rumos para suas vidas. “Da loja física à virtual, passando pela prestação de serviços e outras modalidades, há inúmeras ideias de negócios com pouco dinheiro que podem ser exploradas”, pontua.

“O Brasil é um país repleto de empreendedores, principalmente nos tempos atuais. São pessoas que se arriscam para correr atrás de um objetivo, de um propósito de vida, que pode ser independência financeira, busca por melhores condições para sua família ou aquele sentimento profundo de mudar o mundo”, destaca o executivo. S

egundo o Mapa de Empresas, divulgado pelo Governo Federal, mais de 3,3 milhões de empresas foram abertas no país em 2020. A maior parte delas são de comércio de vestuário e acessórios. Diante desse cenário, o CEO da Company Hero, que já ajudou a simplificar a legalização de mais de 10 mil empresas no Brasil em cinco anos, listou cinco ideias de empreendimentos digitais que estão em alta e não exigem grandes investimentos.

  1. Loja online – Hoje, não é preciso nem produzir algo para se ter uma loja online. Basta escolher um nicho ou segmento em que queira atuar, como moda feminina, artigos para bebês, acessórios esportivos, entre outros. Em um negócio online, existem duas alternativas que os empreendedores vêm utilizando:
  • Vendas tradicionais: “Nesse modelo de negócios, a pessoa compra as mercadorias para revender, o que necessita de algum investimento inicial, mesmo que pequeno, para ter algum estoque. A diferença para o modelo físico de varejo é que o empreendedor não precisa de um espaço físico e o estoque pode ser pequeno, além de não ter a visita de clientes”, explica Grof.

Além disso, é possível anunciar pelas próprias redes sociais ou em marketplaces como Amazon, Mercado Livre e Magazine Luiza, e pagar somente uma comissão a eles. “Essa é uma boa ideia de negócio com pouco dinheiro e muito utilizada por quem quer aumentar a receita, fazendo uma renda extra”, completa.

  • Dropshipping: Essa é uma modalidade que tem crescido muito na internet. O drop é quando a pessoa seleciona produtos de lojistas internacionais ou locais também, negocia os valores com os fornecedores e faz os anúncios desses itens. Quando a venda é feita, ele passa o pedido ao fornecedor, que o atende em seu nome, e o empreendedor fica com a comissão negociada. “Ou seja, não precisa de dinheiro algum para começar. É um dos negócios mais rápidos e baratos”, ressalta Grof.

O executivo alerta: não será o nome do fornecedor que estará em jogo, mas sim o do empreendedor. Por isso, é preciso se certificar de sempre pedir uma amostra para ter certeza de que o fornecedor é confiável e que a qualidade dos produtos é adequada para vender aos clientes.

  1. Negócio para animais de estimação – A indústria pet está cheia de oportunidades também para pequenos negócios. Trata-se de um setor que movimenta mais de US$ 100 bilhões anualmente. Por isso, a demanda é garantida.

“A empresa para animais de estimação pode ser baseada em produtos ou serviços – vendendo acessórios, comida ou brinquedos, ou até mesmo oferecendo cuidados pessoais, como caminhadas ou treinamento. Existem sites em que a pessoa se cadastra para hospedar ou passear com cães da vizinhança. Ou seja, é possível começar o negócio sem investimento e ter um ótimo retorno financeiro”, destaca o executivo.

  1. Venda de comida caseira, como marmitas – Hoje há bastante gente trabalhando de casa, mas muitos não têm tempo para cozinhar. Por isso, quem sabe cozinhar e quer empreender nesta área tem uma opção de negócio extremamente viável.
    Antes de mais nada, os interessados devem determinar onde serão os limites de entrega e quanto será cobrado pela refeição, considerando os custos de transporte e a velocidade para realizar o delivery. “O empreendedor deve planejar um menu simples, mas saboroso, que irá seduzir as pessoas a fazerem pedidos, além de manter seus ingredientes baratos o suficiente para ter lucro, mas deliciosos o suficiente para atrair a clientela”, explica Grof.

“Encontrar fornecedores de alimentos reduz os custos, e buscar o feedback dos clientes ajuda a melhorar o menu. Além disso, é possível utilizar as próprias redes sociais para anunciar e conquistar os primeiros clientes, e a criação de posts personalizados pode ser o grande trunfo para se comunicar bem com o público-alvo”, completa.

  1. Produção de conteúdo digital – No mundo conectado de hoje, a capacidade de capturar e manter a atenção de outras pessoas é uma vantagem. Trata-se de uma atividade pelo qual muitas empresas estão dispostas a pagar e que muitos criadores podem angariar múltiplos fluxos de receita. Para aumentar o número de seguidores no YouTube, Instagram ou blog (de preferência uma combinação de diferentes canais), há muitos caminhos para monetizar o público:

• Postagens patrocinadas em nome de marcas
• Venda de produtos físicos ou digitais
• Influenciador digital

“Essa ideia de negócio com pouco dinheiro oferece duas alternativas: produzir conteúdo sobre si próprio ou sobre algo que a pessoa goste de fazer (cozinhar, viajar, praticar esportes) ou oferecer seus serviços de produtor de conteúdo para outras pessoas”, explica Grof.

  1. Vender um serviço – Para quem tem facilidade de executar algum serviço, oferecê-lo na internet pode ser uma boa ideia de negócio com pouco dinheiro. Muitas pequenas empresas cresceram baseadas em serviços, e, nesses casos, o maior investimento é o tempo.

Escritores, designers gráficos, assistentes virtuais, consultores de SEO, maridos de aluguel, passeadores de cães, professores e profissionais imobiliários são alguns dos profissionais que podem se beneficiar disso.

“Prestar serviço nestas e em outras áreas pode ser bastante rentável para quem busca uma nova profissão ou quer se aprimorar em algo que gosta. A pessoa também pode oferecer seus serviços por meio de uma plataforma freelancer, como o 99Freelas, para aumentar suas chances de ser descoberto por aqueles que precisam de suas habilidades”, conclui o executivo. Fonte e mais informações: (www.companyhero.com).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap