Geradoras estão mais bem preparadas para enfrentar seca

As geradoras de energia estão mais bem preparadas para enfrentar os efeitos da seca neste ano, avalia a Moody’s.

Ainda que o período seco traga dificuldades para as companhias, elas estarão em situação melhor do que nos anos de 2014 e 2015 devido a mudanças regulatórias. Mudanças promovidas pelo governo e pela Aneel permitiram às empresas compartilhar o risco hidrológico com os consumidores, em troca do pagamento de um seguro, destacou a agência de classificação de risco.
Com o mecanismo, as geradoras que atendem as distribuidoras estão protegidas caso o risco hidrológico supere 11%. Nesse cenário, a diferença é paga por meio do sistema de bandeiras tarifárias, que inclui um valor para cobrir essas situações. “Embora uma potencial seca não deixe de ser negativa para as empresas de geração hidrelétricas brasileiras, o impacto provavelmente será menor que o registrado em 2014 e 2015”, afirmou Bernardo Costa, vice-presidente e analista sênior da Moody’s.
A agência destacou ainda que companhias com portfólios de geração mais diversificado estão mais preparadas para enfrentar cenários adversos. É o caso da Statkraft Energias Renováveis S.A e CPFL Energias Renováveis S.A., que possuem também usinas eólicas entre seus ativos. Empresas que criaram um colchão e venderam uma quantidade de energia menor do que sua garantia física também vão se beneficiar do cenário, uma vez que podem liquidar as sobras no mercado de curto prazo (AE).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap