Crescimento econômico

Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

A economia de uma nação tem de acompanhar o crescimento da população e buscar a melhoria das condições gerais de vida.

O aumento do PIB pode se dar com o aumento da extração de minérios do solo para exportação, mas não assegura que haverá melhor qualidade de vida. Estão crescendo, pelo mundo, os aglomerados de moradias precárias tipo favela. Faltam gestores públicos e empresários responsáveis, pois cuidam primeiro de atender aos objetivos pessoais. A economia mundial já apresentava fissuras; a pandemia as tornou evidentes e as ampliou.

A precarização avança desde a classe média, afetando drasticamente a população. É indispensável a união de todos os segmentos para o bem do Brasil e do aprimoramento da humanidade. A queda na produção e empregos não pode ser recuperada de repente, pois o auxílio temporário pode reduzir o risco do caos social, mas o correto é que haja trabalho, produção, renda, para que as pessoas sejam reativas, contribuindo para o bem geral e para não ter a sensação de estar vivendo de esmolas.

“O presidente Jair Bolsonaro tem 60 milhões de votos e quer atender caminhoneiros e 17 milhões de frágeis com um repasse de R$ 400, e esse quadro tem de estar presente nas decisões”, explicou o ministro Paulo Guedes, ressaltando que os secretários que deixaram a equipe econômica queriam que o auxílio ficasse em
R$ 300, mas a ala política queria atender aos mais necessitados.

“Entendemos os dois lados, mas não vamos ‘tirar 10’ em política fiscal e zero em política social. Preferimos tirar ‘8’ em fiscal, em vez de ‘10’, e atender aos mais frágeis.”, justificou o ministro. Há grupos que querem vencer a eleição, custe o que custar, inclusive interferindo na livre decisão dos eleitores, e isso não é só no Brasil. E depois farão como sempre, uma administração voltada para os interesses particulares, deixando de lado o que é essencial.

No Brasil, os problemas são imensos. Os votos têm sido mal-empregados há décadas. Vejam em que situação o país ficou. Para que tantos deputados, senadores, vereadores? Eles têm mais atrapalhado que ajudado o país. Grupos econômico-financeiros se instalam na nação e os seus objetivos passam a ser os da nação inteira que perde a autonomia e descuida do próprio futuro, deixando a precarização avançar.

Soma-se a isso outro problema: grande parte do atual ambiente inóspito para a vida está na destruição da cobertura florestal, na derrubada das árvores. Grandes cidades arrasaram suas áreas verdes. Prefeitos, governadores e o legislativo jamais se preocuparam com a preservação dessas áreas nas cidades, nas vilas, nas favelas. Fortaleza, capital do Ceará, é uma cidade quente, mas nas proximidades da reserva do Cocó a temperatura é mais amena, há mais vida, a cidade fica mais humana e equilibrada.

A economia brasileira foi baseada no sistema produtivo de monocultura exportadora e escravocrata, fornecedor de riquezas para as metrópoles, sem alvos próprios, sem criar renda interna. O agronegócio e a produção de alimentos são muito importantes, mas precisamos diversificar para gerar empregos e renda, e impedir que voltemos ao passado.

Alicerçar a atividade produtiva na economia globalizada cria riscos; nada é seguro, os investimentos são elevados, mas de repente tudo pode cair. Basta um simples embargo aos produtos voltados para a exportação. A motivação dos líderes está na maximização do ganho e do poder; quem pode mais, chora menos. Cada nação deveria ter a autossuficiência como meta e planejar trocas comerciais equilibradas.

A humanidade se deixou afastar de sua essência, passando a servir aos interesses daqueles que detêm o poder e que nem sempre são os da nação. Só o bom preparo das novas gerações poderá assegurar futuro melhor. A livre decisão é como escolher qual entroncamento ferroviário seguir. Uma vez feita a escolha, a vida vai na direção que pode ser boa ou não.

Se houver uma parada intermediária, será possível fazer uma nova escolha. Há entroncamentos que levam para regiões agradáveis, que fazem bem para a evolução, e há os que levam para regiões ásperas e decadentes. Os indivíduos, os povos, a humanidade, têm a liberdade de escolher, mas terão de chegar ao destino escolhido.

(*) – Graduado pela FEA/USP. Coordena os sites (www.vidaeaprendizado.com.br) e (www.library.com.br). E-mail: [email protected].

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap