Agronegócio continua puxando a economia, salienta a Faesp

Dados do primeiro trimestre demonstram que o setor segue dinâmico, garantindo a produção, o abastecimento interno e a exportação de commodities

Fábio de Salles Meirelles, presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo (Faesp), ao analisar os dados do PIB do primeiro trimestre, divulgados pelo IBGE nesta terça-feira, 1º de junho, salientou que o setor, com avanço de 5,7% em 12 meses, continua sendo o principal motor de expansão da economia brasileira neste momento da crise.

O crescimento geral foi de 1,2% no primeiro trimestre de 2021, quando comparado com o trimestre imediatamente anterior. Frente ao mesmo trimestre de 2020, o PIB apresentou crescimento de 1%.

“Os números deixaram clara a importância do agronegócio. O setor havia sido o único que cresceu em 2020, evoluindo 2% em relação a 2019. Todos os demais recuaram, culminando com retração total de 4,1%”, observa Meirelles, acrescentando: “Sem a agropecuária, as consequências seriam mais danosas para o desemprego, investimentos e a balança comercial. Neste último aspecto, cabe salientar a importância da atividade para que o Brasil tivesse superávit de U$ 50,9 bilhões. Nas exportações, comparando ao ano anterior, o agronegócio teve expansão de 6%, ante quedas de 2,7% na indústria extrativa e 11,3% da manufatura”.

O presidente da Faesp salienta que, na conjuntura gravíssima da Covid-19, o setor agropecuário manteve nível razoável de crescimento, contribuindo para amenizar os impactos negativos e para que os brasileiros não ficassem sem alimentos, não faltassem insumos industriais e biocombustíveis. “Produtores rurais e trabalhadores do campo reiteraram sua capacidade de trabalho e resiliência, mantendo o abastecimento e a produção de insumos e commodities, estas fundamentais para as exportações e superavit na balança comercial”.

Cabe enfatizar, também, os significativos ganhos de produtividade da agricultura brasileira. Nos últimos 40 anos, enquanto a área plantada aumentou 33%, a produção agrícola nacional registrou crescimento bem maior: 386%. “Isso significa que o País produziu muito mais, teve ganhos de produtividade e eficiência, poupando área agricultável”, conclui Meirelles.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap