Novos Mercados

David Fraga (*)

Quando falamos de novos mercados, produtos e nichos, logo pensamos em tecnologia, afinal é o que mais avança. Entretanto para entendermos esse comportamento é importante olharmos para o passado.

A cerveja por exemplo. Nos anos 80 “todo” homem bebia, nos 90 os jovens, no meado dos 90 as mulheres e em um mercado saturado, tentaram a bock que embora sem muito sucesso, abriu o caminho da cerveja gourmet que se sedimentou 10 anos mais tarde, como se o consumidor ainda não estivesse “pronto”.


Com os energéticos foi mais fácil.


A “geração saúde” crescia, os esportes chamavam a atenção e havia uma briga: “suquinho” era leve demais, “refri” saudável de menos, os dietéticos e os Softs     como “H2OH!” tinham pego seu share.

Daí vieram os energéticos: Apelo incrível de alegria, energia e descoberta.
Pegou atletas e baladeiros, os motoristas e plantonistas que atravessavam a noite em claro, abrindo um mercado cheio de concorrentes.


            Mas como prever estas mudanças? Devemos estar atentos aos lentos incrementos de tecnologia e comportamento.


            Em 96 a Nintendo se dedicava a um controle com captação de movimento, 10 anos mais tarde viabilizaram no Wii. Cativando um nicho inteiro de usuários, conquistando fãs e abrindo um mercado de controles diferenciados. Líderes de venda fizeram até a Sony buscar algo similar.
Sim,  o Kinect veio antes, mas sem jogos tão atraentes, não fez contato com o coração do consumidor da mesma maneira, se tornando uma famosa ferramenta de implementação de IOT em casa.

            Hoje se discute mais a oportunidade financeira que a de agradar o consumidor.
No que investir, Como conquistar o investidor e Qual o ROI? São perguntas mais frequentes do que: como fazer parte da vida do meu consumidor? Ou: como vou fazer bem ao meu consumidor?
           

Olhemos estes casos e pensemos na “carne vegetariana” um nome que não faz sentido e uma busca questionada pelos próprios vegetarianos, como diz Luiz Gongora (vegetariano há 20 anos) “vegetariano que tenta imitar carte é como um divorciado falando que a ex era melhor”.
De olho na mudança de alimentação do mundo empresas surgiram e bateram recordes na bolsa em investimentos para criar um substituto da carne .
Agora, motivados pelo que e para quem?
Para a população crescente ser alimentada de forma mais sustentável? Ou pelo excesso de carne no organismo ser insalubre, porque a obesidade assola muitos países e esta alternativa ajuda, porque a moda é ser politicamente correto, para interromper a crueldade com animais ou porque as pessoas não querem trocar seus hábitos mas ainda tem uma consciência? E outros milhares de motivos razoáveis?

Todas as anteriores. 


Isso mesmo, Enquanto os fast foods brigam pra ver quem faz o melhor “Hambúrguer de Planta” as opiniões se dividem e os palavrões aparecem.
Este é um mercado promissor, mas será que a introdução melhor era nesse produto ? Justo um ícone como o hambúrguer?

Temo  que sim, pois com insistência e permanência, a massa popular se convence de milhares de coisas, e talvez estejamos vendo um mercado se moldar através do dinheiro que fará a ideia grudar em nossas mentes de tanto insistir.


Assim as oportunidades se espalham na nossa frente e muitas vezes me admiro de como prever o futuro é menos importante do que perceber que ele chegou.
           

Há 4 meses começaram a falar  de celulares com 2, 3 ou 4 câmeras que fazem não te deixar errar o foco, cada câmera capta uma distância e depois junta tudo.
Mas para que mais serve esse recurso?  4 meses se passaram e o mercado já se mexeu nesse sentido.

Se temos 2 câmeras (ou mais) e cada uma foca em algo com distância diferente, com o algoritmo certo seu celular pode medir distância entre os objetos em foco.

Assim ele calcula a posição e tamanho do cachorrinho fake deitado no chão, graças a distancia do seu nariz das tuas orelhas poderá entender quando seu rosto virou e fazer não só orelhinhas e linguinhas que viram, mas também o Deepfake em casa.


Não diferente é calcular o tamanho de uma sala e colocar móveis 3D nela,  não numa foto, com a câmera aberta e em tempo real!


Imagine redecorar sua sala pela tela do celular, seu quarto ou o escritório ainda não alugado sendo mobiliado antes de assinar, só usando as câmeras múltiplas no aplicativo de um magazine qualquer que teve essa ideia.

Pois é, se você é desenvolvedor ou modelista 3D, é isso que deveria estar fazendo há meses. Se é usuário, esteja certo que é isto que estará usando até o natal.

Até a próxima!

(*) Membro dos Empreendedores Compulsivos,  é antes de tudo um apaixonado por pessoas e suas atividades. É Sócio da JAM Propaganda e fundador da Escola Guilda de design. Palestrante de Atendimento à Clientes e Relacionamento Interpessoal, também o programa semanal dos Empreendedores Compulsivos na Radio Geek. Jogador convicto de RPG, se desenvolve hoje para atender pessoas com TDAH harmonizando seu aprendizado com os demais em sua escola.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap