Feliz 2016

Luiz Gustavo Medina (*)

A boa notícia pra você que está lendo este texto em 2016 é que isso significa que você sobreviveu a 2015.

Sobreviveu não significa que superou sem algum contratempo, afinal, estamos num momento em que quase tudo ficou 10% mais caro e que uma em cada dez pessoas que você conhece perdeu o emprego.

Se está difícil pra você, saiba que as empresas enfrentam um problema a mais. Acaba sendo inevitável imaginar (e constatar) que um funcionário com dificuldades financeiras, que dorme e come pior, e quase nunca se diverte, trabalhe menos e com menor eficiência do que se tudo estivesse bem. E não dá pra “mudar” essa chave da noite para o dia.

O paradoxo está em uma empresa que lhe emprega e, portanto lhe paga, ter problemas porque você está sem renda, endividado ou com algo mais sério. Por que isso ocorre e por que isso é, sim, um assunto a ser discutido pelas empresas? O porquê isso ocorre deriva de 516 anos em que o Brasil não considerou importante oferecer algum tipo de educação financeira para as pessoas.

Aqui o sujeito tem cartão de crédito, renda, poder e estímulo para fazer financiamento, tudo isso sem nunca ter tido nem dez minutos de esclarecimento sobre o que é receita, despesa, juros e o que é se endividar. Assim, com várias “armas” na mão e um conhecimento similar a um gorila, parece-me claro que algumas pessoas irão se machucar.

Segundo o Instituto FGV, educação financeira precisa estar constantemente na pauta entre os gestores de uma empresa, independentemente de seu porte ou segmento, no mínimo por dois motivos:

1. O descontrole financeiro está diretamente ligado às ausências no trabalho em 58% das organizações;

2. O excesso de dívidas abala negativamente a produtividade em 78% destas empresas.

Quando sabemos que 55% dos brasileiros hoje estão seriamente endividados e 34% estão inadimplentes, estamos falando de uma “bomba invisível” que não pode mais ser ignorada nas companhias, especialmente enquanto o assunto produtividade for a questão a ser atingida. Com esses números, desenvolver o funcionário para que o mesmo cresça em desempenho e produtividade sem antes equacionar o que esta lhe tirando o sono, parece-me muito com a tarefa de enxugar gelo.

Infelizmente para o curto prazo, porém felizmente para um país melhor, algumas empresas já estão investindo em palestras, cursos e consultorias a fim de ajudar o seu público interno a lidar com um cenário assustador, como uma taxa de juros anual de 300% no cartão de crédito, por exemplo.

Além do benefício de ter de volta um funcionário concentrado, a decisão do gestor de implementar um plano de educação financeira na empresa acaba, lá na frente, sendo muito valorizada pelo trabalhador. A vida familiar fica muito prejudicada quando se tem dívidas e receber um suporte para superar essa dificuldade gera uma eterna gratidão.

Se você, gestor, perceber que funcionários que nunca faltavam agora se ausentam por qualquer motivo; se perceber que a quantidade de pedidos de antecipação de férias ou 13º aumentou, tenha certeza que o problema já existe e não vai sair dali sozinho. Se por qualquer razão isso ainda não chegou à sua empresa, não perca a chance de resolver um problema enquanto ele ainda está pequeno.

Pois, como todos já sabemos, a nossa crise política e econômica ainda estará presente em 2016.

(*) – Formado em Finanças pelo Insper, é autor de: Investindo em Ações – Os primeiros passos; Investindo sem Erro; e Investindo no Futuro, pela Editora Saraiva. É palestrante e co-apresentador dos programas: Fim de Expediente; Hora de Expediente; e Call de Abertura, na rádio CBN.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap