220 views 8 mins

A internet revolucionou o mercado e criou novos modelos de carreira

em Manchete Principal
terça-feira, 17 de maio de 2022

Que a internet revolucionou nossos hábitos e comportamentos cotidianos, todos sabemos. Hoje em dia, nossos textos, mensagens e conversas já não se restringem às palavras e são ilustrados com emojis, memes, GIFs e stickers. A TV, que, até pouco tempo atrás, era a principal fonte de entretenimento doméstico, vai perdendo cada vez mais espaço para os serviços de streaming.

E até mesmo o trabalho e os estudos migraram, em grande medida, para o ambiente on-line, especialmente nos últimos dois anos, por conta das restrições sanitárias impostas pela recente pandemia de Covid-19. De acordo com Marcello Liviero, Diretor Nacional de Vendas da TP-Link no Brasil, “em um contexto como o atual, no qual assistimos à vida se virtualizando em um ritmo cada vez mais rápido, as profissões e o próprio mercado de trabalho têm atravessado um momento de profunda transformação, tendo a internet como pano de fundo desse processo.

Prova disso é o fato de que boa parte dos cargos profissionais que tiveram maior demanda nos últimos anos sequer existiam ou eram cogitados há cerca de uma ou duas décadas”. E esse é um movimento ainda em curso: de acordo com um estudo recente, realizado pelo Institute For The Future (IFTF) — e que contou com a participação de 3.800 líderes de médias e grandes corporações em 17 países, incluindo o Brasil –, 85% dos postos de trabalho que existirão em 2030 serão diferentes dos que já conhecemos atualmente.

Outro indicador que comprova que as profissões ligadas à internet e à tecnologia da informação estão no topo do mercado é o resultado do levantamento anual feito pelo LinkedIn, que listou os empregos que mais têm crescido no país e que devem continuar liderando as contratações em 2022. Segundo os dados apresentados pela rede social, dos 25 cargos elencados no ranking, 20 são da área tecnológica, com destaque para recrutadores especializados em tecnologia, engenheiros de confiabilidade de sites, engenheiros de dados e especialistas em cibersegurança.

Imagem: relif_CANVA

Com isso em mente, a TP-Link, empresa líder mundial em conectividade, preparou material, listando três carreiras que surgiram, ou foram transformadas, graças à internet. Confira:

  1. – Programador – Considerada como uma das principais profissões de entrada no mercado de TI, o cargo de programador contempla o profissional que pode atuar em todas as etapas do desenvolvimento de um site ou aplicativo. De acordo com um levantamento da Brasscom, dentre todos profissionais de TI requisitados por ano no Brasil, 27% correspondem a esse perfil.

O estudo “Profissões emergentes na era digital”, realizado pelo Senai, UFRGS e Agência Alemã de Cooperação Internacional, destaca que, para além de sua alta demanda no mercado de trabalho, o cargo de programador também pode ser apontado como “chave para a ‘recuperação verde’ do Brasil”, já que tem potencial de desenvolver profissionais que iniciam a carreira com salários de R$ 2,5 mil a R$ 4 mil, com apenas seis meses de formação e sem necessidade de conhecimentos prévios.

Ainda segundo o estudo, embora muitos programadores ainda precisem se mudar para São Paulo — onde está concentrada a maior quantidade de ofertas de emprego —, com a pandemia, diversas empresas demandantes de profissionais de TI flexibilizaram suas exigências de contratação e passaram a abrir processos seletivos e vagas completamente remotas, contribuindo para solucionar o problema da localidade dos profissionais no médio e longo prazo.

  1. – Cientista de dados – É o responsável pelo processamento, análise, representação e interpretação de grandes volumes de dados gerados por pessoas ou equipamentos, buscando transformá-los em conhecimento. Para tanto, esse profissional deve combinar expertise de programação com técnicas estatísticas.

De acordo com o estudo “Profissões emergentes na era digital”, o cargo também pode ser considerado essencial para “recuperação econômica verde” (aquela comprometida com a melhoria do bem-estar humano, a igualdade social e a redução dos riscos ambientais), devido ao aumento da eficiência promovida pela exploração dos dados — considerados o “fundamento” dos processos de digitalização — e pela sua transversalidade, já que pode atuar em qualquer área que gere dados, seja na indústria, agricultura ou serviços.

Em 2022, das 25 profissões com aumento exponencial de demanda no Brasil, indicadas pelo LinkedIn, o cientista de dados aparece em 9º lugar.

Imagem: anyaberkut_CANVA
  1. – Influenciador digital – Em 2019, a empresa de marketing de influência Spark e o instituto de pesquisas QualiBest divulgaram um estudo, no qual 76% dos consumidores entrevistados afirmaram já ter adquirido algum produto ou serviço com base em recomendações feitas por um influenciador digital. Não à toa, essa ocupação se tornou uma das mais procuradas à época, inclusive no LinkedIn, rede social voltada ao mercado de trabalho.

Mais recentemente, na esteira do isolamento provocado pela pandemia, o mercado de influenciadores digitais tem vivenciado um novo boom, com uma significativa curva de crescimento. De acordo com um levantamento da Statista, empresa alemã especializada em dados de consumo, em 2021, já existiam mais de 9 milhões de influenciadores digitais no Brasil — número que corresponde a aproximadamente 4,2% da população do país.

Se, até pouco tempo atrás, o produtor de conteúdo para internet era voltado a nichos, atualmente, quando falamos em influenciador digital, estamos nos referindo a “um indivíduo que possui um público fiel e engajado em seus canais on-line e que, em alguma medida, exerce capacidade de influência na tomada de decisão de compra de seus seguidores”, conforme define a plataforma Influency.me, que mede e compara resultados desses profissionais.

Ao atingir um engajamento significativo com a sua audiência, o influenciador atrai marcas que estejam dispostas a pagar por sua indicação. E é esse ponto que distingue sua profissão: o criador de conteúdo consegue dar seu toque pessoal às ações publicitárias, produzindo-as de maneira personalizada, distante dos moldes tradicionais de propaganda. – Fonte e outras informações: (https://www.tp-link.com/br/).