Impostos: confira três dicas úteis para organizar as finanças

Quando o assunto são os Impostos, a primeira preocupação que vem à cabeça é a chegada do mês de janeiro. O começo de todo ano é dado como complicado no Brasil em questão financeira, pois é quando todos se desdobram para pagar suas contas e honrar seus compromissos, principalmente perante o Governo. Com as empresas não é diferente! Para cumprir com as leis em vigor no Brasil, elas precisam se adequar e se organizar para não violarem nenhuma delas.

Pensando em auxiliar as empresas nessa questão, a Clever Global, especializada no gerenciamento de fornecedores e terceiros, contribui para que seus clientes sejam mais eficazes e ágeis quando precisam lidar com a documentação dos seus funcionários, seja no controle de pagamento de impostos dos fornecedores, como: INSS, FGTS, ISS, dentre outros e até as certidões negativas de débitos.

Por meio da Plataforma SerCAE, que auxilia na gestão documental, minimizando os riscos associados à subcontratação de serviços, consegue contribuir para uma fluidez no caixa de cada um de seus clientes. “É possível se organizar para que a vida contábil do brasileiro seja mais tranquila, evitando maiores transtornos na hora de pagar uma conta. Prestamos este serviço com toda essa ajuda às Pessoas Jurídicas que precisam de auxílio para muitas dessas obrigações fiscais”, explica Jefferson Rodrigues, gerente financeiro Brasil da Clever Global.

Pensando na dificuldade para lidar com os impostos, a empresa selecionou três dicas úteis para ajudar o brasileiro a se programar nas suas finanças ao longo do ano:

• Escolha o enquadramento tributário correto – Boa parte dos profissionais liberais paga mais impostos do que deveria porque escolhe o regime tributário errado. Ao todo, são três opções de enquadramentos: o Simples Nacional, o Lucro Real e o Lucro Presumido. Dentre as três opções, existem diferenças de impostos pagos e alíquotas, dependendo de cada caso. Para a maioria dos trabalhadores, o Simples é a melhor opção, por exemplo. Mas é importante avaliar caso a caso e com cautela.

Caso haja um descuido com as datas de vencimentos, as multas geradas, ao não pagar os impostos em dia, acabam encarecendo o valor total. Por isso, é importante estabelecer um planejamento para que erros como esse não aconteçam. Caso a Receita Federal entenda esse atraso como sonegação fiscal as consequências geradas são ainda piores.

• Tenha um planejamento tributário para pagar menos imposto como PJ – Caso haja um descuido com as datas de vencimentos, as multas geradas, ao não pagar os impostos em dia, acabam encarecendo o valor total. Por isso, é importante estabelecer um planejamento para que erros como esse não aconteçam. Caso a Receita Federal entenda esse atraso como sonegação fiscal as consequências geradas são ainda piores.

• Fique atento aos possíveis incentivos fiscais na sua área – Analise a possibilidade de encontrar incentivos fiscais na sua área de atuação ou na sua cidade para economizar no gasto com tributos. Um exemplo é a Zona Franca de Manaus, que conta com incentivos fiscais, além de uma infraestrutura já em ordem para estimular a implementação de operações fabris de alta tecnologia na região.

Outro bom exemplo é a “Lei do Bem” que incentiva a inovação nas empresas, com a relocação de custos com impostos como IR e CSLL, para desenvolvimentos de novas tecnologias. Isso se dá, em razão dos mecanismos de políticas públicas para o desenvolvimento de áreas e segmentos econômicos na sociedade. – Fonte e mais informações: (http://clever-global.com).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap