Comércio phygital: para quem quer aderir e não sabe por onde começar

Cerca de 30% das vendas do varejo físico no ano passado tiveram participação da internet, sendo um fator decisivo na escolha dos consumidores, segundo pesquisa do Google, em parceria com a Forrester Research.

A projeção para cinco anos é que o varejo venda R$1,85 trilhão, sendo R$ 403 bilhões provenientes do tráfego online. Estima-se também que 60% dos consumidores passaram a consumir de forma híbrida após a pandemia, de acordo com um levantamento da All iN e Social Miner, em parceria com a Opinion Box.

Essa jornada que transita entre o online e o off-line, por meio da integração de canais de venda físicos e digitais, é o que hoje se chama de comércio Phygital, considerado o futuro do varejo pelos especialistas do setor. Adaptar os negócios a essa nova realidade se tornou uma obrigação para quem pretende se manter competitivo no mercado e corresponder às expectativas do consumidor.

Aderir ao phygital é uma questão de sobrevivência. Os lojistas precisam se adaptar e entender que essas mudanças são impostas por novos hábitos de consumo, mais aderentes ao consumidor conectado da atualidade, que deseja ter autonomia e liberdade para definir como será sua jornada de compra e quais etapas ele deseja fazer de forma digital e em quais ele prefere estar na loja física.

Oferecer essa experiência phygital aumenta a competitividade do negócio e as chances de fidelização”, defende Anderson Locatelli, CEO da Sled, fintech criada para revolucionar o varejo físico com produtos financeiros inovadores. O especialista destaca alguns exemplos de aplicações phygital que podem ajudar o varejo físico que quer investir nessa tendência:

. Totens de autoatendimento – dão mais autonomia e agilidade para os clientes dentro das lojas físicas, permitindo que eles finalizem suas compras sem precisar passar por caixas e vendedores.

. Aplicativos – são uma boa alternativa de canal adicional de vendas. É possível oferecer ao cliente a opção de comprar online e receber o produto em casa ou retirá-lo na loja física.

. QR Code – é uma ferramenta versátil e econômica, que oferece diferentes aplicações. Pode direcionar para descrição de produtos expostos na loja física ou ainda permitir pagamentos via PIX com mais agilidade.

. Pagamentos Digitais – eles caíram no gosto dos brasileiros e, portanto, diversificar os meios de pagamento é um fator de competitividade também. Além dos meios tradicionais, é interessante que o varejo físico disponibilize outros métodos, alinhados às tendências.

Diversas fintechs oferecem soluções nesse sentido e vêm ganhando a confiança dos consumidores. – Fonte e outras informações: (www.sled.com.br).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap