ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Associativismo ginástico marca gênese da educação física no país

Tese mostra como imigração alemã no Sul e Sudeste foram importantes para a difusão do esporte

Fotos: Arquivo Histórico José Ferreira da Silva, Blumenau/Divulgação/Museu Antropólogo Diretor Pestana, Ijuí/Divulgação/ Antonio Scarpinetti

Ginasta se preparando para realização de salto em altura na 5ª Deutsches Turnfest organizada pelo Itajaí-Gau em Blumenau, 1932.

Patrícia Lauretti/Jornal da Unicamp

O Clube Ginástico Desportivo do Rio de Janeiro tem em seu brasão um símbolo cujo significado é, muito provavelmente, desconhecido da maioria de seus associados. Trata-se de uma cruz formada por quatro efes que representam palavras escritas em alemão. Elas formam o lema da ginástica alemã que veio para o Brasil com os imigrantes daquele país no final do século 19 e início do século 20. Para eles, a riqueza do ginasta era ser “vivo, livre, alegre e devoto”.

Mas a herança da ginástica alemã não está apenas no brasão do clube carioca. Sua principal contribuição foi sustentar, juntamente com a França e a Suécia, o tripé que deu origem à educação física no Brasil. Dentre as três ginásticas, a alemã ainda era a menos estudada provavelmente em razão da dificuldade da maioria dos pesquisadores com a língua.

Não foi o caso de Evelise Amgarten Quitzau. Fluente em alemão, ela foi aluna da professora Carmen Lúcia Soares, da área de história da educação física da Faculdade de Educação Física (FEF) da Unicamp, com quem desenvolveu um programa de pesquisa que foi da iniciação científica à tese de doutorado, com o objetivo de investigar parte da história da ginástica alemã no Brasil.

Com bolsa Fapesp, Evelise viajou para as regiões Sul e Sudeste, onde houve colônias de imigrantes que criaram associações de ginástica. Também foi mais longe: viajou para a Alemanha, igualmente com bolsa Fapesp, buscando acesso a um conjunto de documentos considerados fundamentais.

O resultado da análise foi a tese “Associativismo ginástico e imigração alemã no Sul e Sudeste do Brasil (1858-1938)”, defendida na Faculdade de Educação (FE) da Unicamp, dentro da linha de pesquisa que estuda educação e história cultural à qual sua orientadora também é vinculada.

Para além das práticas corporais, o associativismo era a maneira encontrada pelos imigrantes alemães para preservar sua cultura, principalmente a língua alemã e sobretudo o ideal de germanidade, que de fato foi o que sustentou os clubes teuto-brasileiros até pelo menos 1938, quando Getúlio Vargas determina, em lei, a nacionalização.


A professora Carmen Lúcia Soares, orientadora, e Evelise Amgarten Quitzau, autora da tese: trabalho conjunto desde a iniciação científica.Diferenças
Antes é preciso dizer. Educação física, ginástica e esporte são coisas diferentes. “O que a gente chama de educação física hoje era chamado de ginástica. São exercícios que começam a ser sistematizados a partir de questões pedagógicas e científicas. Os alemães, franceses e suecos, no século 19, começam a pensar dessa forma. Temos nessa época também, paralelamente, o início, na Inglaterra, do desenvolvimento do que conhecemos como esporte moderno”, explica a pesquisadora.

O esporte, ressalta, são as práticas burocratizadas, “com caráter competitivo e que tem regras e espaço bem delimitados”. Um torneio de ginástica poderia ocorrer em uma praça, envolvendo várias modalidades praticadas por todos. Um torneio esportivo geralmente se desenvolveria entre quatro linhas, envolvendo uma única modalidade que requer a especialização daquele que a pratica.

“A ginástica incorpora, desde os exercícios mais básicos, como as corridas, os saltos os exercícios de equilíbrio e arremessos, a exercícios mais elaborados, como aqueles feitos em aparelhos. Também fazem parte as atividades ao ar livre, como jogos e as caminhadas em meio à natureza”, detalha Evelise.

De acordo com a pesquisadora, a confusão entre os termos, se há, pode estar relacionada com um processo de “esportivização” pelo qual a ginástica passou no século 20, bem como outros exercícios físicos. “A ginástica vai deixando de ter um caráter tão múltiplo para se tornar uma modalidade baseada em regras universais, com códigos de pontuação, com primeiro, segundo e terceiro lugares, com federação internacional; ela vai se conformando dessa forma mais burocrática”.

Nos clubes estudados na tese, os associados também faziam movimentos em aparelhos, entre os quais as barras paralelas e o cavalo. Havia torneios de ginástica. Porém, o objetivo não era vencer. Quem conseguia uma pontuação mínima já era considerado campeão. “Num torneio com 30 participantes, você poderia ter 25 ou mesmo 30 vencedores. O ginasta que ia para aparelhos também arremessava tijolos, por exemplo. Havia essa multiplicidade, que se perdeu com a esportivização”.

Apresentação de exercícios coletivos em festa realizada em Ijuí, sem data; ao fundo, a representação dos "4F" do lema dos ginastasAs associações ofereciam treinamento em ginástica, mas, ao mesmo tempo, tinham grupos de teatro, de música, de canto. As escolas locais eram atendidas. “As associações buscavam ampliar a atuação no interior da colônia alemã. Como manter-se numa associação custava caro, eles faziam trabalhos em escolas envolvendo as crianças que no futuro, seriam potenciais associados”. Em Porto Alegre, salienta a autora, havia grupos de escoteiros dentro do clube que recebiam, também, crianças que não eram filhas de seus associados.

O funcionamento das associações em todos os Estados era similar, baseado em estatutos tendo como finalidade “o fortalecimento moral e físico dos associados bem como a preservação da língua alemã”. Ao lado da igreja e da escola, as associações eram consideradas pilares da ideia de identidade alemã entre os imigrantes que se fixaram no Brasil.

“Nos festivais de ginástica as associações se reuniam tentando reproduzir no Brasil o que havia na Alemanha, onde os clubes se organizavam em âmbito regional e também em uma federação. Mas no Brasil as distâncias eram gigantes, a comunicação e os meios de transporte precários, de modo que os festivais se tornam a forma de se aproximar e debater a possibilidade de união”. No Rio Grande do Sul, em 1895, é formada a primeira e mais bem-sucedida Liga de associações. O estado, juntamente com Santa Catarina, concentrou o maior número de associações de ginástica fundadas pelos alemães.

A partir da década de 1930, Paraná e norte de Santa Catarina também tentam se organizar melhor. “Em meados dessa década surge também a ideia de organizar uma entidade sul-americana englobando os teuto-argentinos, teuto-uruguaios, teuto-brasileiros”, afirma. Neste período, contudo, começa o declínio do associativismo ginástico com a política de nacionalização do Governo Vargas, que acerta em cheio as associações no momento em que elas mais cresciam e procuravam se organizar.

“As políticas de nacionalização, a partir de 1938, vão influenciar as bases do associativismo ginástico. A primeira base é afetada com a proibição da língua alemã ou estrangeira, porque todos os documentos encontrados estão em língua alemã e as associações propagavam a ideia de serem mantenedoras da língua germânica”, salienta.

Até mesmo os nomes das associações precisam ser mudados, bem como os estatutos, que deveriam garantir que os clubes eram entidades brasileiras. “A ruptura é tão grande que muitas associações desapareceram e as que continuaram mudaram suas características. Algumas conseguiram se tornar grandes clubes que permanecem ativos ainda hoje, como é o caso da Sogipa, de Porto Alegre, ou do Pinheiros, de São Paulo, antes Esporte Clube Germânia”.

Outro fator complicador: em1938 o partido nazista começa a pressionar as associações para conseguir filiados. Em algumas regiões, pontua Evelise, as entidades acabaram incorporando os ideais e se aproximam do partido nazista, como no Rio de Janeiro ou em Blumenau (SC).

O Rio Grande do Sul é o Estado que apresentou maior resistência ao assédio do partido nazista. “A associação de Porto Alegre publica, em 1937, um livreto explicando os motivos de serem contrários à anexação de clubes teuto-brasileiros a associações do Reich. Segundo o documento, os alemães no Brasil não estariam sem pátria, pois escolheram estar no país. Filiar-se a instituições do Reich significaria uma submissão política à Alemanha e colocaria em risco o próprio trabalho realizado por estes clubes no Brasil.”. A década de 1930 marca, portanto, o enfraquecimento do ideal de germanidade que foi construído desde que foi fundada a primeira associação em Joinville (SC).

Para os imigrantes alemães, a ginástica estava tão atrelada ao ideal de germanidade quanto à língua. Enfraquecendo uma, a outra também acabou perdendo força. Resgatar parte desta história é de suma importância, considera a professora Carmem. “Evelise estudou as primeiras décadas do século 20 nessa perspectiva básica de que a ginástica fazia parte da vida daqueles que chegavam aqui vindos pelas ondas migratórias. Trata-se de um dos poucos estudos que elegem essas práticas corporais associativistas como elemento consistente das comunidades de imigrantes”.

Mais artigos...

  1. Imprensa norte-americana destaca sucesso dos Jogos Olímpicos no Brasil
  2. Brasileiros têm a oportunidade de acompanhar novos esportes na Rio 2016
  3. Conceição: “Se eu não praticasse boxe, eu não sei o que seria de mim"
  4. Marido-técnico fez Poliana Okimoto migrar da piscina para o mar
  5. Usain Bolt: a história do tricampeonato olímpico nos 100m rasos
  6. O Brás volta a ser tema de um livro
  7. Não me tens de regresso
  8. Impeachment: por 59 votos a 21, plenário do Senado aprova denúncia contra Dilma
  9. Antenas de celular não fazem mal à saúde, defendem especialistas
  10. Falta transparência em custos do sistema carcerário no Brasil
  11. Rio 2016: moradores de comunidades removidas dizem que não há clima de festa
  12. 66% dos índios em reserva Xavante sofrem de obesidade, diabetes e doença coronariana
  13. Olimpíadas chegam ao Rio de Janeiro, mas não à Cidade de Deus
  14. Senado aprovou verba que permitiu primeira participação do Brasil nas Olimpíadas
  15. Guaraná tem potencial antioxidante maior do que chá verde
  16. Velho Chico está mandando a conta
  17. Pecuária brasileira expande-se em direção ao sul
  18. Passaportes diplomáticos concedidos a líderes religiosos dividem opiniões
  19. Brasil terá sexta maior população de idosos no mundo até 2025
  20. O Caminho do Pódio
  21. Matar e morrer
  22. Entre sonhos soterrados, dor, impasse e estagnação
  23. Adolescentes estão exagerando no consumo de bebidas esportivas
  24. Especialistas listam desafios para criação de política de cuidados com idosos
  25. Conheça 15 viagens que fazem bem para a pele
  26. Barreiras intransponíveis
  27. Projeto facilita novo registro de nome e sexo
  28. Atletas contam como driblar a ansiedade na reta final para a Rio 2016
  29. Aqui e agora, entre o cômico, o onírico e a eternidade
  30. Queima de lenha e carvão pode contribuir para piora da qualidade do ar em São Paulo
  31. Brasil desperdiça 40 mil toneladas de alimento por dia, diz entidade
  32. Há 100 anos, o fim da sangrenta Guerra do Contestado
  33. Especialistas apresentam tecnologias que vão mudar o mundo em 2016
  34. Esportes: disputas ‘castigam’ pernas, tornozelos e joelhos
  35. Professores ganham menos que outros profissionais com a mesma formação
  36. Reino Unido deixa UE e se lança em poço de incertezas
  37. Senado pode facilitar acesso ao leite materno
  38. O que acontecerá com o Reino Unido após o referendo?
  39. Quatro problemas dentais mais comuns depois dos 50 anos
  40. Brasileiro recebe prêmio em festival russo de arte contemporânea
  41. Pesquisa resgata a memória da mineração do ouro em Guarulhos
  42. Especialistas afirmam que há risco de retrocesso no tratamento de pessoas com transtornos mentais
  43. Atual geração de adolescentes poderá ter surdez precoce, alerta estudo
  44. Estudo mostra que regularizar o jogo pode gerar arrecadação de R$ 16,5 bilhões
  45. Consumidores veem o cartão de crédito como algo positivo, mas 47% não controlam gastos
  46. Setor nuclear quer triplicar número de usinas no mundo até 2050
  47. Há 50 anos, ditadura derrubava governador de São Paulo
  48. TV deverá ser apenas digital até o fim de 2018
  49. Risco de contrair Zika durante as Olimpíadas divide especialistas
  50. Qual foi o legado dos projetos para a Copa em São Paulo?
  51. Escravidão moderna atinge 45,8 milhões de pessoas no mundo
  52. Exposição traz obras de Picasso colecionadas pelo próprio autor ao longo da vida
  53. Um retrato do autismo no Brasil
  54. Os caminhos da fotografia digital: conheça a história e as promessas dessa tecnologia revolucionária
  55. Dados em rótulo podem salvar vida de alérgico
  56. Jovens negras da periferia mostram suas expectativas sobre o futuro
  57. Conflitos olímpicos
  58. A 80 dias da abertura, Rio 2016 ainda não empolga
  59. À capela
  60. Conquistas das domésticas nos anos 2000
  61. De vice a presidente, Michel Temer assume por até 180 dias
  62. Governistas e oposição divergem sobre como serão os próximos 180 dias no país
  63. Sede em casa facilita microempreendimento
  64. Índice mede força dos parlamentos na América do Sul
  65. Sigmund Freud: uma vida na psicanálise
  66. Há 190 anos, o Senado ajuda a debelar as grandes crises vividas pelo Brasil
  67. Equipamento analisa vinho sem abrir lacre da garrafa
  68. Senado debate limitação da internet fixa
  69. Corte de frios pode levar a contaminação por bactéria
  70. Rosa despetalada
  71. Após 4 anos de tolerância zero na Lei Seca, motoristas ainda resistem a mudanças
  72. A centralidade da cultura na construção da ‘japonesidade’
  73. Permanecer muito tempo sentado prejudica a longevidade
  74. Sacola plástica é uma das maiores vilãs do meio ambiente
  75. Depressão também atinge populações da Amazônia
  76. Alimentação saudável reduz risco de doenças cardíacas em até 80%
  77. O circo chega às escolas
  78. Infarto também é assunto de mulher
  79. O perigo do remédio sem uso na farmacinha de cada casa
  80. Aquecimento poderá reduzir em 44% a grande circulação das águas do Atlântico
  81. Já em uso no país, audiências de custódia podem virar lei
  82. Estudo da Torá mostra riqueza literária de escritos bíblicos
  83. Chaplin a serviço de Chaplin
  84. 7 de abril – Dia Mundial da Saúde: Um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes
  85. Métodos substituem animais vivos nas aulas de veterinária
  86. Relatório revela privatização da educação pública no país
  87. Mobilizados, estudantes querem maior participação nas decisões nacionais
  88. Regimes jurídicos distintos afetam negociação da dívida pública
  89. Em vigor há 18 anos, Código de Trânsito Brasileiro é alvo de propostas de atualização
  90. Amigos e vizinhos estimulam a prática de atividade física
  91. Em meio à crise, microfranquias crescem no Brasil
  92. Veja 3 efeitos imediatos da crise política no Brasil
  93. Projetos miram caixa-preta das tarifas de ônibus
  94. Frutas nativas brasileiras podem ser alternativa de renda
  95. O pêndulo demográfico
  96. Código de Processo Civil entrou em vigor com a promessa de agilizar ações
  97. Promotor da 'Mãos Limpas' elogia Moro e diz temer retaliação
  98. Congresso combate violência obstétrica
  99. Sob a lona, o poder do riso
  100. Projeto de alunos concorre em competição internacional
Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171