ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Extinção das Reservas Legais causaria prejuízo trilionário ao Brasil

Estudo traça cenário do que aconteceria se áreas de preservação obrigatória fossem revogadas. Perda de serviços ecossistêmicos, como regulação climática e proteção da biodiversidade, levaria a prejuízos de R$ 6 trilhões por ano

Homem 1 temproario

Foto: Arte sobre foto de Evandro Rodney/Imprensa MG via Fotos Públicas

Herton Escobar/Jornal da USP

O que aconteceria se o Brasil abrisse mão de suas Reservas Legais e todas essas áreas fossem legalmente desmatadas? O prejuízo seria da ordem de R$ 6 trilhões por ano — sim, trilhões, com tê de tatu.

Esse é o valor total dos serviços ambientais prestados por essas áreas de vegetação nativa, incluindo controle de erosão, produção de chuvas e regulação climática, segundo estimativa de um grupo de cientistas brasileiros. O estudo foi publicado na revista Perspectives in Ecology and Conservation, com o apoio de mais de 400 outros pesquisadores, de 79 instituições acadêmicas, que tiveram acesso ao trabalho e concordaram com os resultados.

As Reservas Legais são a porção de uma propriedade privada que precisa ser preservada com vegetação nativa, conforme determina o chamado Código Florestal brasileiro (Lei 12.651/2012). Esse porcentual varia de acordo com o bioma em que a propriedade se encontra: na Amazônia, é de 80%. Numa propriedade de 100 hectares localizada no Estado do Amazonas, por exemplo, significa que 80 hectares têm de ser obrigatoriamente preservados com vegetação nativa, enquanto que os outros 20 hectares podem ser desmatados para construir casas, plantar soja, criar gado ou seja lá o que for.

Homem 1 temproario

Nas áreas de Cerrado localizadas dentro da Amazônia Legal, esse índice é de 35%; e em todo o resto do País, 20%..

A somatória disso tudo, segundo os pesquisadores, equivale a uma área do tamanho de Itália, Alemanha, França e Espanha somadas: 167 milhões de hectares de Reserva Legal, o que representa 29% de toda a vegetação nativa remanescente no País.

Agora, junte tudo isso aos mais de 100 milhões de hectares de vegetação nativa em áreas privadas que já podem ser legalmente desmatados — porque não se encaixam em nenhuma classificação de área protegida — e a revogação das Reservas Legais deixaria uma área do tamanho da Argentina (270 milhões de hectares) aberta ao desmatamento.

Um cenário extremo, e potencialmente catastrófico, mas nada fictício. Um projeto de lei (PL 2.362 / 2019) apresentado ao Congresso no início do ano pelos senadores Flávio Bolsonaro (PSL/RJ) e Marcio Bittar (MDB/AC) propunha exatamente isso: revogar todas as áreas de Reserva Legal no Brasil, “a fim de possibilitar a exploração econômica dessas áreas”.

Fortemente criticado, o projeto foi retirado de tramitação no dia 15 de agosto, em meio à crise internacional das queimadas na Amazônia. Ainda assim, os pesquisadores esperam que o estudo possa “embasar outras discussões relacionadas com a conservação da vegetação nativa e da biodiversidade no Brasil”.

Serviços prestados
O estudo faz um inventário das riquezas naturais contidas nas Reservas Legais e dos serviços ambientais que essas riquezas prestam gratuitamente à sociedade. Entre eles, 11 bilhões de toneladas de carbono (cerca de 21% de todo o estoque de carbono superficial terrestre brasileiro), que, se liberados para a atmosfera (via desmatamento ou queimadas), contribuiriam de forma significativa para o aquecimento global. “As resultantes emissões de carbono teriam fortes impactos no clima regional e global, com efeitos em cascata, tais como maior erosão, secas, inundações e alterações potencialmente irreversíveis dos ecossistemas naturais”, escrevem os pesquisadores.

Homem 1 temproario

Outro ativo importantíssimo é a biodiversidade. “Uma das funções primordiais das Reservas Legais é propiciar as condições mínimas para a manutenção da biodiversidade em paisagens produtivas, onde as áreas agrícolas dominam e relegam a vegetação natural remanescente a pequenos fragmentos ou a faixas estreitas ao longo dos rios”, diz o estudo. “Nessas situações, devido à sua ampla distribuição espacial, as Reservas Legais desempenham um papel crucial no estabelecimento de condições que facilitam os fluxos, aumentando assim a conectividade da paisagem e as taxas de recolonização de espécies.”

Não se trata apenas de proteger bichinhos e plantinhas, mas também de reforçar a produtividade e a resiliência da própria produção agrícola. Os ecossistemas naturais abrigam uma grande variedade de espécies essenciais à polinização e ao controle biológico de pragas nas lavouras. “A ligação entre a presença destes inimigos fundamentais de pragas em terras agrícolas e a existência de vegetação natural nas imediações foi amplamente demonstrada em todo o mundo”, destacam os pesquisadores.

Quem gosta de água e energia elétrica também tem motivos de sobra para gostar das Reservas Legais, já que elas “desempenham um papel crucial para a segurança hídrica e energética do País”, apontam os cientistas. O caso mais emblemático é o da Amazônia: “Os altos níveis de transpiração e evapotranspiração das florestas amazônicas são, portanto, importantes não só para sustentar a própria floresta, mas também para manter a pluviosidade no Cerrado e em áreas-chave de recarga, e também mais ao sul, incluindo vários países da Bacia do Prata. Sem esta vegetação, a segurança hídrica e energética ao sul da Amazônia está ameaçada.”

Valorização

Considerando todos esses — e mais alguns — serviços prestados pelos ecossistemas naturais contidos nas Reservas Legais, os pesquisadores usaram estimativas da literatura científica para calcular o valor econômico dessas áreas.
“Com base em valores médios de todo o mundo, um hectare de floresta tropical pode gerar um benefício estimado de US$ 5,382/hectare/ano pela prestação de 17 diferentes tipos de serviços ecossistêmicos, incluindo regulação climática, gestão da água, controle da erosão, polinização, controle biológico, serviços culturais e recreativos, entre outros (Costanza et al., 2014). Para campos naturais e pastagens, em geral, a média global é de US$ 4,166/hectare/ano”, diz o trabalho. “Se simplificarmos e assumirmos que a Amazônia, Mata Atlântica e Caatinga são compostas exclusivamente de floresta, Cerrado e Pampa por campos e savanas e Pantanal por planícies aluviais, a perda de 270 milhões de hectares de vegetação nativa desprotegida (incluindo 167 milhões de hectares de Reservas Legais) resultaria em perdas de cerca de R$ 6 trilhões por ano.”
O trabalho é coordenado pelo ecólogo Jean Paul Metzger, do Instituto de Biociências (IB) da USP, em colaboração com colegas da Associação Brasileira de Ciência Ecológica e Conservação (Abeco) e do grupo Coalizão Ciência e Sociedade.
“Quando consideramos o rol de benefícios que essas áreas podem prover, tanto para o proprietário quanto para a sociedade, começamos a entender que esses benefícios não são pequenos”, afirmou Metzger, em entrevista à Rádio USP, na manhã desta sexta-feira (6/9). “Eles são altos! Na verdade, em alguns casos você tem mais benefícios mantendo a Reserva Legal do que retirando e avançando com o cultivo da área.”

Mais artigos...

  1. No fim do Império, Brasil tentou substituir escravo negro por “semiescravo” chinês
  2. IBGE: São Desidério (BA) é o maior município agrícola do país em 2018
  3. Dá para viver bem de agricultura familiar na Amazônia
  4. Perda do emprego e redução da renda são principais causas da inadimplência no país
  5. Girassol é símbolo de campanha para alertar sobre depressão
  6. Quatro países europeus perdem status de eliminação do sarampo
  7. Mortes por câncer de pulmão entre mulheres deve estabilizar em 2030
  8. Abrir mão do smartphone prejudicaria a rotina de 77% dos jovens conectados
  9. Congresso estuda novo Fundeb com o triplo de verbas federais
  10. Quer criar uma startup? Veja dicas e alertas de especialistas na área
  11. Dos balcões aos tabuleiros, a comida de rua chega à capital da Província de SP
  12. Por que o chefe troglodita está em extinção
  13. Evento sobre histórias em quadrinhos traz novas pesquisas na área
  14. Capoeira busca reconhecimento social junto a jovens de escolas públicas
  15. Senado volta a discutir fracionamento de medicamentos
  16. Menos de 7% dos territórios quilombolas reconhecidos têm títulos de propriedade
  17. Campanha 'Agosto Dourado' incentiva a amamentação
  18. Oito em cada dez brasileiros estão dispostos a adotar mais práticas de consumo colaborativo
  19. Licença-paternidade estendida favorece vínculo com filho
  20. Há 40 anos, Lei de Anistia preparou caminho para fim da ditadura
  21. Homem que fica em casa para cuidar dos filhos é "menos homem"
  22. Governo defende salvaguarda tecnológica da base de Alcântara
  23. Plano Nacional de Educação pode ajudar a atingir metas da Agenda 2030
  24. Mais de 60% dos brasileiros usam meios digitais para pagamentos
  25. Cosa Nostra, Camorra, 'ndrangheta: as diferenças entre as máfias da Itália
  26. Sete em cada dez brasileiros tiveram de fazer cortes no orçamento no primeiro semestre
  27. População de tigres na Índia cresce mais de 30% em quatro anos
  28. De olho nas contas públicas
  29. Portadores de deficiências graves têm mais dificuldade para trabalhar
  30. Juros do cheque especial subiram para 322,2% ao ano em junho
  31. Na fronteira da barbárie
  32. Descarte de eletroeletrônicos deve entrar em consulta pública
  33. Ações para proteção de recursos hídricos beneficiam comunidades rurais
  34. Elefante africano ajuda a aumentar estoque de carbono na floresta
  35. Alimentos afrodisíacos na história da gastronomia
  36. Estudo aponta aumento de câncer em população de 20 a 49 anos
  37. Novos negócios tentam inovação e solução de problemas da sociedade
  38. Endocrinologistas fazem campanha contra anabolizantes
  39. Casamentos via internet podem expor brasileiras a abusos
  40. Alerta de perigo ambiental
  41. Estudo analisa impactos de quedas na qualidade de vida de idosos
  42. Estudo mostra que adolescentes de faixas carentes estão mais obesos
  43. Tratado de Versalhes marcou 'nova fase do capitalismo'
  44. Teatro Kabuki reúne transgressão e perenidade na cultura japonesa
  45. Febre das patinetes desafia cidades brasileiras
  46. Plano do MEC de transferir escolas públicas para Polícia Militar divide opiniões
  47. Senado já rejeitou médico e general para o Supremo Tribunal Federal
  48. Varejo eleva, em 10 anos, representatividade no comércio
  49. Monitorar as mutações do vírus da gripe envolve esforço internacional
  50. Monitorar as mutações do vírus da gripe envolve esforço internacional (2)
  51. Monitorar as mutações do vírus da gripe envolve esforço internacional (3)
  52. Checar os dados é premissa para proteger os cidadãos
  53. Instituto do Patrimônio quer forró como patrimônio imaterial
  54. Livro retrata o teatro de resistência de Sami Feder
  55. No Brasil, apenas 85 municípios cumprem requisitos de saneamento básico
  56. Mulheres aumentam escolaridade em relação aos homens, mostra pesquisa
  57. Transpondo a Cortina de Ferro: relatos de viagens de brasileiros à URSS
  58. Falta de gestão prejudica oferta de creches
  59. Militarização de colégio público divide opiniões
  60. Extrato de jabuticaba pode prevenir doenças
  61. 1ª Previdência permitia aposentadoria aos 50 anos
  62. Projetos buscam maior rigor para o trânsito
  63. Estudo aponta fragilidade da Previdência nos estados
  64. Senadores querem política para doenças raras
  65. Livro traz críticas ao negacionismo do Genocídio Armênio
  66. Pesquisa inédita sobre refugiados no país revela boa formação escolar
  67. Senado debate aumento de rigor contra cigarro
  68. Maioria dos consumidores não sabe o quanto paga de imposto embutido nas compras
  69. Casal conta como rotina de vida mudou com adoção de irmãos
  70. A extrema direita pode chegar ao poder na União Europeia?
  71. 83 milhões de brasileiros possuem ao menos uma compra parcelada
  72. Clientes de baixa renda são os que mais reestruturam dívidas do cartão
  73. Sofrimento psíquico afeta mulheres motoristas de ônibus
  74. Magistério é o curso mais procurado pelo segmento pobre da população
  75. Conselho Federal de Medicina vê irregularidades em hospitais públicos
  76. 'Pet-terapia': Como animais e tecnologia combatem doença
  77. Há 131 anos, senadores aprovavam o fim da escravidão no Brasil
  78. Primeira senadora foi recebida com flor e poesia
  79. Governo prevê novas concessões com investimentos de R$ 1,6 trilhão
  80. Prisão domiciliar foi negado para 89,1% das mães e gestantes em SP
  81. Extinção de espécies aumenta em escala sem precedentes, alerta relatório
  82. Brasil, país do improviso e da imprevidência
  83. Pesquisa aponta que 77% dos brasileiros têm o hábito de se automedicar
  84. Um ano após desabamento, déficit habitacional ainda é realidade
  85. Sobe o número de pessoas que cuidam de parentes em 2018
  86. Crise e novo comportamento reduzem interesse dos jovens em dirigir
  87. Tese analisa a conexão entre literatos negros abolicionistas
  88. Reforma da Previdência vai gerar economia de R$ 1,236 trilhão em 10 anos, diz governo
  89. Como melhorar o ensino médio do Brasil e combater a evasão escolar?
  90. Autoexame da mama não substitui exame clínico, diz Ministério da Saúde
  91. Setor de saúde quer mais prazo para implantar Lei de Proteção de Dados
  92. Livro explora os antagonismos do maior militar do século 20
  93. Microchip tem “mil e uma utilidades” na saúde e produção de energia
  94. Recessão, má gestão e comércio eletrônico afetam a venda de livros
  95. Respeito ao limite de cargas pode aumentar em até seis meses vida útil de rodovia
  96. Dança e Direitos Humanos
  97. Cadastro Positivo: o que muda para o consumidor?
  98. Em 100 dias, Bolsonaro volta atenções para política externa
  99. Casas sustentáveis são a tendência do futuro
  100. Há 100 anos, Epitacio se elegeu presidente sem estar no Brasil
Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171