ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Estudo vai analisar alimentação e nutrição de crianças no Brasil

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) iniciou ontem (18) a primeira etapa do Estudo Nacional de Alimentação e Nutrição Infantil (Enani)

lg-35eb7c8a-bafc-423f-9394-cde07d7ba2f5 termproario

Foto: Ilustração/Reprodução/rondonia.gov.br

Alana Gandra/ABr

O estudo é voltado para crianças de até cinco anos de idade e tem o apoio do Ministério da Saúde e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). A coleta de dados vai até dezembro próximo, com a divulgação dos resultados a partir de fevereiro de 2020.

A primeira fase do estudo, inédito no Brasil com a abrangência e o detalhamento propostos em âmbito nacional, vai percorrer 123 municípios de todas as regiões do país. O objetivo é coletar informações de cerca de 15 mil domicílios, o que pode significar obter informações de até 17 mil crianças menores de cinco anos de idade.

Estudo 2 termproario

Serão investigados ainda a insegurança alimentar, habilidade culinária doméstica e alimentação saudável. Foto: Arquivo/ABr

Os resultados do “censo de nutrição infantil” permitirão ao Ministério da Saúde, por meio da Coordenação Nacional de Alimentação e Nutrição, formular políticas públicas baseadas em evidências voltadas para as crianças brasileiras na faixa etária abaixo de cinco anos.

Metas
Os primeiros estados a serem visitados são Rio de Janeiro, Bahia, Espírito Santo e Rio Grande do Sul, totalizando 23 municípios. São eles: Rio de Janeiro, Niterói, São Gonçalo, Duque de Caxias e Nova Iguaçu, no Rio de Janeiro; Serra e Vitória, no Espírito Santo; Camaçari, Feira de Santana, Juazeiro, Lauro de Freitas, Salvador e Simões Filho, na Bahia; Alvorada, Canoas, Caxias do Sul, Gravataí, Novo Hamburgo, Porto Alegre, Rio Grande, São Leopoldo, Sapucaia do Sul e Viamão, no Rio Grande do Sul.

O coordenador nacional do Enani, Gilberto Kac, do Instituto de Nutrição José de Castro da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), disse que o estudo tem três metas. A primeira é mapear deficiências de micronutrientes (vitaminas e minerais) entre as crianças com menos de cinco anos, em termos de alimentação e nutrição.

“Esse é o primeiro aspecto inédito do estudo. A gente vai medir sangue de crianças entre seis e 59 meses e vamos dosar uma série de marcadores que jamais foram estudados no Brasil com essa magnitude”, disse.

Alimentação
As crianças menores de seis meses serão estudadas também, mas não terão o sangue coletado. O estudo conseguirá mapear o estado nutricional bioquímico de crianças entre seis meses e 59 meses. “Esse é o grande objetivo, talvez o principal”, afirmou Kac. O trabalho vai medir também a alimentação das crianças abaixo de 5 anos de idade. Para isso, será usada uma técnica chamada “recordatório de 24 horas”, que verifica o que a criança comeu nas últimas 24 horas.

Merenda-Escolar-maua-780x405 termproario

Os resultados vão permitir formular políticas públicas baseadas em evidências voltadas para as crianças brasileiras na faixa etária abaixo de cinco anos. Foto: Portal Sinal Verde

Foi desenvolvido um aplicativo específico para esse estudo. A pesquisa toda é feita em um tablet. Há um questionário geral sobre uma série de assuntos, que englobam desde questões socioeconômicas até a história reprodutiva e desenvolvimento infantil.

Aleitamento
Juntamente com a dieta das últimas 24 horas, será mapeado o perfil sobre o aleitamento materno no Brasil. Kac disse que os dados existentes até agora no país serão atualizados.

As equipes vão recolher dados nacionais sobre aleitamento materno exclusivo e complementar, consumo de ultraprocessados, doação de leite materno e bancos de leite, amamentação cruzada (quando uma mãe amamenta o filho de outra mulher). “Esse é o segundo grande objetivo”, afirmou.

0009b437-7def-4cac-bcf8-51b808fd02b6 termproario

Foto: Arquivo/Agência Brasil

O terceiro objetivo é o mapeamento do estado nutricional antropométrico (conjunto de técnicas utilizadas para medir o corpo humano ou suas partes) que, no caso, inclui medir o peso e a altura das crianças e das mães.

Isso permite avaliar o estado nutricional infantil, de modo a confirmar se a desnutrição continua diminuindo no Brasil e informar como está o sobrepeso e a obesidade nas crianças menores de 5 anos. “Tem crescido muito esse excesso de peso e a obesidade, que é um grau mais elevado”, disse o coordenador.

Encaminhamento
Serão investigados ainda a insegurança alimentar, habilidade culinária doméstica e alimentação saudável. “É um estudo bastante complexo e completo, que a gente está planejando há um ano e meio”, disse Kac.

A coleta de dados para o Enani será feita por 342 equipes no país, sob a coordenação da Sociedade para o Desenvolvimento da Pesquisa Científica (Science), integrada por coordenadores aposentados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A coleta de sangue será coordenada pelo laboratório Diagnósticos Brasil, com capilaridade nacional. São parceiros da UFRJ no censo a Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), a Universidade Federal Fluminense (UFF) e a Fundação Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Os resultados serão divulgados no próximo ano, mas, segundo Kac, as famílias poderão ter acesso às conclusões do estudo referentes ao exame de sangue e ao estado nutricional de antropometria pelo correio ou pela internet. De acordo com o coordenador do estudo, se houver algum problema relevante, a criança será encaminhada a uma unidade básica de saúde.

Mais artigos...

  1. Campos do Jordão: epidemia de tuberculose deu origem à cidade sanatório que hoje é destino turístico
  2. Mandante é questão para 2ª fase do caso Marielle, dizem autoridades
  3. Poluição de Manaus altera funcionamento do ecossistema amazônico
  4. Bexiga, história viva das origens da cidade de São Paulo
  5. Ação do Senado a favor das mulheres vai além das leis
  6. Mulher ganha em média 79,5% do salário do homem, diz IBGE
  7. 8 de março Dia Internacional da Mulher
  8. “É importante que as pessoas não esqueçam o que aconteceu”
  9. Morte do Barão do Rio Branco fez Brasil ter dois carnavais em 1912
  10. Mangueira conta história do Brasil pela ótica dos heróis populares
  11. Rio Paraopeba tem nível de metais 600 vezes maior que o permitido
  12. Beija-Flor vai recriar seus 70 anos com fábulas na avenida
  13. Mudança climática em curso pode alterar interação ecológica entre espécies
  14. Cientistas e cartunistas se unem para divulgar ciência em quadrinhos
  15. Procuradora diz que jovens atletas são tratados como "commodities"
  16. “Navios Iluminados”, fugidios cenários de ilusão
  17. Governo determina medidas de precaução para barragens em todo o país
  18. Agricultores familiares debatem importância da semente crioula
  19. Investigações sobre caso Marielle completam 11 meses sem conclusão
  20. Pesquisa: 5,6 milhões de brasileiras não vão ao ginecologista
  21. Especialistas associam reforma da Previdência a equilíbrio fiscal
  22. Trabalho escravo tem relação com informalidade e desemprego
  23. Amor ao carnaval e determinação impulsionam escolas mirins no Rio
  24. ESPM inaugura campus para educação executiva no Itaim Bibi
  25. Cães de centros urbanos também estão suscetíveis à leptospirose
  26. Em 4 anos, todos os terminais do país estarão sob controle da iniciativa privada
  27. Confira as maiores tragédias ambientais no Brasil e no mundo
  28. Busca por doenças raras
  29. Na saúde, governo deve enfrentar desafio de financiar o SUS
  30. Nova proposta de Previdência faz executivos repensarem aposentadoria
  31. Como o “Trem das Onze” impactou expansão metropolitana de São Paulo
  32. Especialistas veem com cautela limite de mensagens no WhatsApp
  33. Descoberta molécula que pode aperfeiçoar tratamento da insuficiência cardíaca
  34. Relação entre cintura e estatura pode indicar risco cardiovascular
  35. Relatório da Human Rights Watch diz que Brasil bateu recorde de mortes violentas em 2017
  36. Lesão no treino físico não leva a aumento de massa muscular
  37. Estagnada em 2018, pecuária de leite deve crescer este ano
  38. 6 em cada 10 brasileiros já receberam um diagnóstico de transtorno mental
  39. Esporte: um direito do cidadão ou ópio do povo?
  40. Avatar é usado por surdos em sala de aula
  41. Especialista indica as profissões que estarão em evidência em 2019
  42. Senado preserva os livros que registram posses presidenciais desde 1891
  43. O destino dos mamíferos após a extinção dos dinossauros
  44. Tribunais produzem vídeos para estimular adoção de crianças e adolescentes
  45. Novo governo terá R$ 3,38 trilhões para administrar em 2019
  46. O ano em que Cristiano Ronaldo abraçou a Juventus
  47. O ano que a prisão de Lula derrotou o PT
  48. Polarização e fake news marcaram eleições no Brasil
  49. Uma desnecessária operação de guerra
  50. Número de usuários de internet cresce 10 milhões em um ano no Brasil
  51. 60% dos brasileiros que economizam escolhem a poupança para guardar dinheiro
  52. Novo Mais Médicos enfrenta velhos problemas
  53. Eram os deuses jornaleiros?
  54. Mais de um século e meio depois, guerra ainda é ferida aberta no Paraguai
  55. Reforma trabalhista formalizou mais empregos, mas continua contestada
  56. Dependência econômica e fé se misturam em Abadiânia, em Goiás
  57. Professor da USP conta suas memórias da época do AI-5
  58. Senado busca desburocratizar serviços públicos
  59. Assassinato de Chico Mendes faz 30 anos
  60. Como o brasileiro vê o cumprimento das leis
  61. Ipea: 23% dos jovens brasileiros não trabalham e nem estudam
  62. “Internet dos animais” entrará em operação em 2019
  63. Divórcio demorou a chegar no Brasil_01
  64. Chesf inicia estudo com painéis solares em reservatório de Sobradinho
  65. Comércio, clima e trabalho são prioridades do Brasil na Cúpula do G20
  66. Em busca do trem perdido
  67. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens no País
  68. Tratamento com fitoterápicos aumenta na rede pública de saúde
  69. Atual modelo hospitalar deixa saúde cara e não inibe erros
  70. Brasil começa a levar imigrantes para o interior
  71. Biodiversidade é estratégica para o desenvolvimento do Brasil
  72. Brasil já teve 2 presidentes militares eleitos nas urnas
  73. Tecnologia poderá ajudar na implantação do novo Ensino Médio
  74. Inadimplência atinge 62 milhões de brasileiros e afeta 3% do crédito
  75. Encerrada há um século, Primeira Guerra extinguiu impérios
  76. Estigmas e tabus: por que o câncer de ontem não é o mesmo de hoje
  77. ONG oferece assessoria a empreendedores no Brasil
  78. Ministros do STF defendem necessidade de reforma política
  79. Sem obras em dois distritos, moradores de Mariana mostram apreensão
  80. Em novembro de 1955, crise fez Brasil ter 3 presidentes numa única semana
  81. General Heleno defende uso de atiradores de elite contra criminosos
  82. Preservar a Constituição e unir sociedade são prioridades de Bolsonaro
  83. Negros e brancos de alta renda moram em locais distantes e distintos
  84. Antes da Eletrobras, Brasil vivia rotina de apagões
  85. A água no Brasil: da abundância à escassez
  86. Alimentação está na pauta do novo Congresso
  87. Geração nem-nem já soma 11 milhões de jovens
  88. Projeto pretende retardar o envelhecimento do sistema imune humano
  89. Comida síria transporta imaginário de refugiados para lugar que não existe mais
  90. ONU: nenhum país consegue garantir direitos reprodutivos das mulheres
  91. Estudo destaca estreita relação entre álcool, drogas e violência
  92. Brasil avança, mas tem desafio para cumprir meta de emissão de carbono
  93. Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores
  94. Na primeira eleição presidencial, Brasil teve eleitor de menos e candidato demais
  95. Oito em cada dez idosos têm percepção positiva da terceira idade
  96. Senado analisa aposentadoria especial para condutores de ambulância
  97. Metade das cidades do país ainda não dá voz aos idosos
  98. Prédio do Museu Nacional já preocupava Senado do Império
  99. Referência da história contemporânea, Constituição completa 30 anos
  100. Desemprego pauta candidatos e será desafio ao próximo presidente

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171