ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Há 131 anos, senadores aprovavam o fim da escravidão no Brasil

Comemorada pelos abolicionistas, odiada pelos escravistas, criticada por setores do movimento negro, abandonada pelo currículo escolar, 13 de maio de 1888 é a data em que foi sancionada a abolição da escravatura no Brasil

Ha 131 anos temproario

Senadores votam a abolição da escravatura observados por uma multidão (no andar de cima e no térreo, ao fundo). Foto: Anrônio Luiz Ferreira

Carlos Penna Brescianini/Especial Cidadania/Ag.Senado

Em um trâmite que durou apenas cinco dias, a Câmara e o Senado do Império do Brasil aprovaram o projeto de lei que extinguiu por completo a escravatura no Brasil: a Lei Áurea.

No dia 3 de maio de 1888, a princesa Isabel de Orleans e Bragança, exercendo a regência pela ausência de seu pai, o imperador dom Pedro II, que estava fora do Brasil, abre o ano parlamentar com um discurso que pede o fim da escravatura. No dia 8, o ministro da Agricultura, Rodrigo Augusto da Silva, envia o projeto de abolição da escravatura ao Parlamento. No dia 10, o texto é aprovado pela Câmara, e no dia 13, pelo Senado. No mesmo dia, a lei foi sancionada pela princesa. Tudo em regime de urgência e com forte oposição dos escravistas.

O senador João Maurício Wanderley, o Barão de Cotegipe, porta-voz da bancada escravista no Senado, declarou que a abolição mergulharia o país em uma crise econômica, com consequências políticas. E após a sanção da lei pela princesa Isabel, afirmou que isso causaria o fim do Império. "Precisamos dos escravos. A senhora acabou de redimir uma raça e perder o trono!".

Por sua vez, Joaquim Nabuco, deputado, diplomata e antiescravagista, relatou em seu livro 'O Abolicionismo' que os fazendeiros escravistas, prejudicados com a abolição, se tornaram inimigos do Império, passando a defender a República. "A ideia, adrede espalhada entre os fazendeiros, de que o imperador era o chefe do movimento contra a escravidão de repente engrossou as fileiras republicanas com uma leva de voluntários saídos de onde menos se imaginava [dos fazendeiros].

Ha 131 anos 2 temproario

Por 388 anos o Brasil teve sua economia ligada ao trabalho escravo: extração de ouro e pedras preciosas, cana-de-açúcar, criação de gado e plantação de café. A mão de obra escrava era a força motriz dessas atividades econômicas. E os fazendeiros tornaram-se o grande sustentáculo econômico do regime imperial. Para dar um exemplo das relações da Coroa com os fazendeiros escravocratas, a residência da família imperial no Rio de Janeiro, o palácio da Quinta da Boa Vista, havia sido doada em 1808 por Elias Antônio Lopes, um português que fizera fortuna com o tráfico de escravos da África ao Brasil.

E somente após a Guerra do Paraguai (1864-1870) é que nos estados (na época chamados de províncias) onde esses fazendeiros não detinham o poder absoluto as teses abolicionistas gradualmente puderam ganhar força. Um caso relevante foi o da província do Ceará, que aboliu a escravidão em 25 de março de 1884, por obra do presidente da província, Sátiro de Oliveira Dias. A decisão foi o ponto culminante de uma recusa, iniciada em 1881, dos jangadeiros liderados por Francisco José do Nascimento (conhecido como Chico Matilde e mais tarde, como Dragão do Mar) em transportar os escravos cearenses para os navios negreiros que os levariam para o sul do Brasil.

O senador Cid Gomes (PDT-CE) reforça que a Abolição foi uma construção de lutas, em que há datas importantes, mas todos os fatos têm muito valor. "Os cearenses destacam o 25 de março de 1884 por ser uma antecipação do que seria obtido em 13 de maio de 1888. E é importante lembrar que o movimento negro comemora o 20 de Novembro, dia da morte de Zumbi de Palmares. Na verdade, no momento atual, os números estão aí para mostrar que até hoje os negros e pardos têm o menor poder aquisitivo e espaço em empregos e universidades".

O consultor do Senado Federal, Fernando Trindade, que é historiador, afirma que a abolição foi uma luta política e econômica. E concorda com a tese que liga a abolição da escravidão com a proclamação da República. "Pessoalmente, tenho a convicção que há uma relação entre o fim da escravidão e a proclamação da República. Vários escritores e políticos da época citam o movimento dos ex-donos de escravos que exigiam serem indenizados e receberam um não da princesa Isabel".

Reforçando essa linha, em 2007 o Memorial Visconde de Mauá tornou pública uma carta da princesa Isabel ao Visconde da Santa Victória, sócio de Mauá. Nela, a princesa relatava estar conseguindo uma verba para indenizar os escravos, e não seus ex-proprietários. E que se tal fato fosse descoberto, os fazendeiros e os militares se juntariam contra dom Pedro II e toda a família imperial. “Deus nos proteja dos escravocratas e os militares saibam desse nosso negócio, pois seria o fim do atual governo e mesmo do Império e da Casa de Bragança no Brasil”, escreve a princesa.

E realmente, em poucos meses, o imperador foi derrubado e a República, proclamada. Logo após, por um movimento militar em 15 de novembro de 1889, um ano e meio depois do fim da escravidão, os antigos proprietários de escravos passaram a exigir do recém-nomeado ministro da Fazenda, Ruy Barbosa, reparações pela perda de seus escravos. O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) defende a atitude de Ruy Barbosa, que, pressionado pelos fazendeiros ex-donos de escravos, mandou queimar todos os registros contábeis de compra e venda de escravos no Brasil.

"A medida radical eliminou todos os registros que possibilitariam as indenizações exigidas pelos fazendeiros. Os chamados “indenizistas” exigiam uma reparação financeira da jovem República, que mal se sustentava economicamente", afirmou Randolfe. "Ruy Barbosa tomou a medida justa e adequada, pois preservou o Tesouro Nacional e preveniu uma injustiça. O Brasil tinha sido o último país das Américas a abolir a escravidão e ainda teria de pagar depois indenizações astronômicas aos fazendeiros. Foi uma decisão antioligárquica que impediu uma ignomínia".

imagem materia 01 temproario 

A princesa Isabel surge num dos balcões do Paço da Cidade e é aplaudida pela multidão logo depois de sancionar a Lei Áurea. Foto: Marc Ferrez

O senador ainda lembrou que justamente a base política que deu sustentação a esse período, chamado de República Velha, foi formada pelos fazendeiros do café em São Paulo e do gado em Minas Gerais, o grande grupo que havia perdido seus escravos em 1888. E que essa base altamente instável levou o país à crise econômica de 1929 e à Revolução de 1930, que alçou Getúlio Vargas ao poder e encerrou esse período.

O senador Paulo Paim (PT-RS) faz uma avaliação da importância da data de 13 de Maio, ao mesmo tempo que destaca o valor de 20 de Novembro. "O 20 de Novembro, dia de Zumbi dos Palmares, é a data em que o movimento negro tem como afirmação de sua luta pela igualdade de direitos. Mas 13 de Maio é fundamental, pois foi uma lei originária do Legislativo e que oficializou o fim dessa página terrível que foi a escravidão no Brasil". O senador ainda faz um paralelo com a CLT e a Lei Áurea: "A CLT, que Getúlio Vargas outorgou em 1943, foi um marco na organização do que passou a ser aceito como trabalho e o que não seria mais aceito. Ou seja, traçou uma linha entre o que seria escravidão e o que seria trabalho. A Lei Áurea e a CLT foram responsáveis por tornar o Brasil um país livre".

Mais artigos...

  1. Primeira senadora foi recebida com flor e poesia
  2. Governo prevê novas concessões com investimentos de R$ 1,6 trilhão
  3. Prisão domiciliar foi negado para 89,1% das mães e gestantes em SP
  4. Extinção de espécies aumenta em escala sem precedentes, alerta relatório
  5. Brasil, país do improviso e da imprevidência
  6. Pesquisa aponta que 77% dos brasileiros têm o hábito de se automedicar
  7. Um ano após desabamento, déficit habitacional ainda é realidade
  8. Sobe o número de pessoas que cuidam de parentes em 2018
  9. Crise e novo comportamento reduzem interesse dos jovens em dirigir
  10. Tese analisa a conexão entre literatos negros abolicionistas
  11. Reforma da Previdência vai gerar economia de R$ 1,236 trilhão em 10 anos, diz governo
  12. Como melhorar o ensino médio do Brasil e combater a evasão escolar?
  13. Autoexame da mama não substitui exame clínico, diz Ministério da Saúde
  14. Setor de saúde quer mais prazo para implantar Lei de Proteção de Dados
  15. Livro explora os antagonismos do maior militar do século 20
  16. Microchip tem “mil e uma utilidades” na saúde e produção de energia
  17. Recessão, má gestão e comércio eletrônico afetam a venda de livros
  18. Respeito ao limite de cargas pode aumentar em até seis meses vida útil de rodovia
  19. Dança e Direitos Humanos
  20. Cadastro Positivo: o que muda para o consumidor?
  21. Em 100 dias, Bolsonaro volta atenções para política externa
  22. Casas sustentáveis são a tendência do futuro
  23. Há 100 anos, Epitacio se elegeu presidente sem estar no Brasil
  24. Cartografia é saída para indenizar pesca informal no Rio Doce
  25. Propostas buscam amenizar efeitos do clima
  26. Pesquisa indica peixes que podem ser consumidos por brasileiros
  27. Pesca fantasma ameaça quase 70 mil animais marinhos por dia no Brasil
  28. Pesquisador desenvolve roupas inteligentes inspiradas em livros de ficção científica
  29. Brasil não sabe quem são os moradores de rua
  30. Roteiro leva turistas pelos passos de Leonardo da Vinci
  31. Orixá Exu tem sua imagem desmistificada como ser do mal e assustador
  32. Aprendizagem profissional ainda é subutilizada no Brasil
  33. Forçados ao batismo, descendentes de muçulmanos lutaram para preservar cultura
  34. País mantém desde 2011 diferença de aprendizagem entre ricos e pobres
  35. Confiança do Consumidor registra 49 pontos em fevereiro, apontam CNDL/SPC Brasil
  36. Falta saneamento básico para 2 bilhões de pessoas no mundo, diz ONU
  37. Estudo vai analisar alimentação e nutrição de crianças no Brasil
  38. Campos do Jordão: epidemia de tuberculose deu origem à cidade sanatório que hoje é destino turístico
  39. Mandante é questão para 2ª fase do caso Marielle, dizem autoridades
  40. Poluição de Manaus altera funcionamento do ecossistema amazônico
  41. Bexiga, história viva das origens da cidade de São Paulo
  42. Ação do Senado a favor das mulheres vai além das leis
  43. Mulher ganha em média 79,5% do salário do homem, diz IBGE
  44. 8 de março Dia Internacional da Mulher
  45. “É importante que as pessoas não esqueçam o que aconteceu”
  46. Morte do Barão do Rio Branco fez Brasil ter dois carnavais em 1912
  47. Mangueira conta história do Brasil pela ótica dos heróis populares
  48. Rio Paraopeba tem nível de metais 600 vezes maior que o permitido
  49. Beija-Flor vai recriar seus 70 anos com fábulas na avenida
  50. Mudança climática em curso pode alterar interação ecológica entre espécies
  51. Cientistas e cartunistas se unem para divulgar ciência em quadrinhos
  52. Procuradora diz que jovens atletas são tratados como "commodities"
  53. “Navios Iluminados”, fugidios cenários de ilusão
  54. Governo determina medidas de precaução para barragens em todo o país
  55. Agricultores familiares debatem importância da semente crioula
  56. Investigações sobre caso Marielle completam 11 meses sem conclusão
  57. Pesquisa: 5,6 milhões de brasileiras não vão ao ginecologista
  58. Especialistas associam reforma da Previdência a equilíbrio fiscal
  59. Trabalho escravo tem relação com informalidade e desemprego
  60. Amor ao carnaval e determinação impulsionam escolas mirins no Rio
  61. ESPM inaugura campus para educação executiva no Itaim Bibi
  62. Cães de centros urbanos também estão suscetíveis à leptospirose
  63. Em 4 anos, todos os terminais do país estarão sob controle da iniciativa privada
  64. Confira as maiores tragédias ambientais no Brasil e no mundo
  65. Busca por doenças raras
  66. Na saúde, governo deve enfrentar desafio de financiar o SUS
  67. Nova proposta de Previdência faz executivos repensarem aposentadoria
  68. Como o “Trem das Onze” impactou expansão metropolitana de São Paulo
  69. Especialistas veem com cautela limite de mensagens no WhatsApp
  70. Descoberta molécula que pode aperfeiçoar tratamento da insuficiência cardíaca
  71. Relação entre cintura e estatura pode indicar risco cardiovascular
  72. Relatório da Human Rights Watch diz que Brasil bateu recorde de mortes violentas em 2017
  73. Lesão no treino físico não leva a aumento de massa muscular
  74. Estagnada em 2018, pecuária de leite deve crescer este ano
  75. 6 em cada 10 brasileiros já receberam um diagnóstico de transtorno mental
  76. Esporte: um direito do cidadão ou ópio do povo?
  77. Avatar é usado por surdos em sala de aula
  78. Especialista indica as profissões que estarão em evidência em 2019
  79. Senado preserva os livros que registram posses presidenciais desde 1891
  80. O destino dos mamíferos após a extinção dos dinossauros
  81. Tribunais produzem vídeos para estimular adoção de crianças e adolescentes
  82. Novo governo terá R$ 3,38 trilhões para administrar em 2019
  83. O ano em que Cristiano Ronaldo abraçou a Juventus
  84. O ano que a prisão de Lula derrotou o PT
  85. Polarização e fake news marcaram eleições no Brasil
  86. Uma desnecessária operação de guerra
  87. Número de usuários de internet cresce 10 milhões em um ano no Brasil
  88. 60% dos brasileiros que economizam escolhem a poupança para guardar dinheiro
  89. Novo Mais Médicos enfrenta velhos problemas
  90. Eram os deuses jornaleiros?
  91. Mais de um século e meio depois, guerra ainda é ferida aberta no Paraguai
  92. Reforma trabalhista formalizou mais empregos, mas continua contestada
  93. Dependência econômica e fé se misturam em Abadiânia, em Goiás
  94. Professor da USP conta suas memórias da época do AI-5
  95. Senado busca desburocratizar serviços públicos
  96. Assassinato de Chico Mendes faz 30 anos
  97. Como o brasileiro vê o cumprimento das leis
  98. Ipea: 23% dos jovens brasileiros não trabalham e nem estudam
  99. “Internet dos animais” entrará em operação em 2019
  100. Divórcio demorou a chegar no Brasil_01

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171