83 views 5 mins

Pequenos negócios que se adaptam conseguem ampliar faturamento na crise

em Destaques
quarta-feira, 22 de abril de 2020

Donos de pequenos negócios que se adaptaram mais rapidamente ao momento de crise têm mais chances de se manter no mercado. Pesquisa realizada pelo Sebrae, entre os dias 3 e 7 de abril, mostra que, para além do amplo impacto negativo para quase 88% dos empresários, alguns segmentos, mesmo afetados pelo avanço do novo coronavírus, como o comércio varejista e o ramo de alimentos e bebidas, conseguiram equilibrar o fluxo de caixa e até registrar crescimento no faturamento. O levantamento, que ouviu 6.080 empreendedores de todo o país, estima que 400 mil pequenos negócios tiveram aumento médio de 47% na receita.

De acordo com o presidente do Sebrae, Carlos Melles, pequenos negócios que passaram a inovar e mudaram seu modelo de negócio estão conseguindo se manter. “Segundo nossa pesquisa, entre as micro e pequenas empresas que tiveram crescimento na receita durante a crise, cerca de 48% mudaram o modo de funcionamento, apostando mais em entregas online e serviços na internet”. Dentre os 14 segmentos analisados na sondagem – restaurantes, lanchonetes, marmitarias e afins – são exemplos de como a adaptação e a inovação podem render resultados positivos.

No segmento de alimentos e bebidas, por exemplo, 92% dos que aumentaram o faturamento adaptaram o negócio ao modelo de entrega (delivery). Percebemos que os empresários que apresentaram crescimento no faturamento encontraram uma oportunidade de negócio, conseguiram capturar o mercado. Muitos deles já faziam entregas e investiam em marketing digital,” destacou o Melles. A maior parcela dos entrevistados aposta fortemente nas entregas online (41,9%), mas um percentual igualmente representativo reduziu o horário para minimizar os gastos e ganhar fôlego (41,2%).

O teletrabalho ocupa o terceiro lugar no rankingque elenca as principais medidas adotadas pelos pequenos para se manter de pé em meio aos abalos sísmicos causados pela Covid 19 (21,6%). Em Brasília, o português Hugo Laurentino é um desses empreendedores que já realizava o serviço de delivery e que rapidamente se adaptou ao novo momento. Com apenas sete meses em funcionamento, o Portugo, espaço especializado em doces e comidas típicas lusitanos, mantém o funcionamento diário com entregas e serviço de retirada na loja (take away).

Mesmo com a crise o empresário conta que o faturamento aumentou. Durante o feriado da Páscoa, por exemplo, o restaurante atraiu a clientela com a oferta de pratos de bacalhau e o famoso pastel de Belém. “Nossa Páscoa foi melhor que o Natal”, comemorou o empresário ao explicar que mantém os custos da empresa com número pequeno de funcionários na loja física, preferindo investir no time de entregas.

É válido registrar também que, apesar do isolamento social, algumas empresas dos segmentos do comércio varejista, moda, beleza e artesanato conseguiram resultados significativos implementando mudanças no modo de funcionamento, reduzindo horário, abrindo para serviços online e oferecendo entregas.

A pesquisa em detalhes:

Sua empresa mudou o funcionamento com a crise?
6,6% – não mudaram a forma de funcionar
31% – mudaram o funcionamento
58,9% – interromperam o funcionamento temporariamente
3,5 % – decidiram fechar de vez

Entre as empresas que mudaram seu funcionamento:
41,9% – estão atuando apenas para entregas ou online
41,2% – estão com horário reduzido
21,6% – adotaram o teletrabalho (home office)
15,3% – implementaram o rodízio de funcionários
5,9% – adotaram drive thru

Como seu negócio está sendo afetado em faturamento mensal?
Aumentou – 2,4%
Diminuiu – 87,5%
Permaneceu igual – 2,9%
Não sabe ou não quis responder – 7,2%

Em relação aos funcionários – tomou alguma medida?
46,8% – ainda não tomou medidas
28% – férias coletivas
17,8% – suspensão de contrato de trabalho
17% – redução da jornada de trabalho com redução de salários

Você precisará pedir empréstimos para manter seu negócio em funcionamento sem gerar demissões?
54,9% – sim
17% – não
28,1% – não sabe ou não respondeu

Fonte: (AI/Sebrae).