100 views 8 mins

O PIX e como ele pode contribuir no fluxo caixa de pessoa física e jurídica

em Destaques
terça-feira, 30 de março de 2021

No Brasil desde outubro de 2020, o Pix tem ganhado presença entre pessoas físicas e empresas. Entretanto, há quem ainda tenha dúvidas sobre o funcionamento e a segurança do recente meio de pagamento. O professor Pablo Ganassim (*), trouxe alguns pontos importantes e vantagens do uso. “O PIX permite que pessoas e empresas possam fazer transferências e pagamentos por meio de um aplicativo a qualquer dia e horário, incluindo finais de semana”, explica Ganassim.

Esse método vem sendo estudado desde 2018 como uma alternativa ao Documento de Ordem de Crédito (DOC) e Transferência Eletrônica Direta (TED). Enquanto o DOC e o TED possuem restrições de dias, horários e limites de valor para transferência, o PIX não tem restrição de horário ou dia da semana e fica disponível ao recebedor em poucos segundos – funciona 24 horas por dia e 7 dias por semana, inclusive aos feriados. Outro ponto que difere, o novo meio de pagamento ainda é gratuito independente de quantas transações realize.

. Como fazer transações com o PIX? – Para fazer uma transação, é necessário cadastrar uma chave PIX em uma instituição financeira. Essa chave será utilizada para identificar a conta e o registro pode ser feito por meio de quatro formas: número de CPF ou CNPJ, e-mail, número de telefone celular ou ainda por uma chave gerada aleatoriamente.

Depois de criada, a chave pode ser compartilhada com outra pessoa ou estabelecimento, e dar prosseguimento à transação desejada. Com o PIX, a liquidação é em tempo real, e o pagador e o recebedor são notificados sobre a conclusão da operação.

. Quais as vantagens do PIX? – Uma das principais vantagens é a velocidade com a qual são concluídas. Em poucos segundos o dinheiro está disponível para o recebedor. Outra vantagem é a disponibilidade de uso, em qualquer horário e dia da semana. Além disso, as operações para pessoa física são gratuitas, o que elimina os custos com taxas normalmente cobradas para operações de transferência por DOC e TED. Para pessoa jurídica, o custo, embora possa existir, é mais baixo do que os sistemas já existentes.

É fácil de manusear e dotado de mecanismos e medidas para garantir a segurança das transações. Além de ser versátil, com uma estrutura para ampla participação, possibilitando negócios independente de tipo e valor da transação, entre as pessoas, empresas e o governo.

. O PIX é seguro? – O PIX conta com sistemas de segurança que permite identificar transações atípicas, fora do perfil do usuário. Com isso, bloqueia para análise e rejeita aquelas que não se confirmarem como uma transação segura. Também possui mecanismos de proteção, que impedem varreduras das informações pessoais, e marcadores de fraude, que na suspeita ou fato de uma fraude gera um alerta para todas as instituições participantes do sistema.

De qualquer forma, o professor faz um alerta para só realizar transações em ambientes com acesso confiável à Internet. O usuário deve ter os mesmos cuidados de outros meios eletrônicos, ou seja, não compartilhar senha ou dados pessoais e ter cuidado com links que chegam por e-mail ou SMS e que solicitam informações pessoais e bancárias.

A dúvida que muitos possuem é se há facilidade caso o celular seja clonado, furtado ou roubado. Entretanto, o professor tranquiliza com os passos até a efetivação de uma transferência. Primeiro é necessário acessar a conta do banco por meio do aplicativo da instituição com acesso autenticado por senha, token ou reconhecimento biométrico. O Pix é tão ou mais seguro que as tradicionais transferências bancárias e os cartões magnéticos.

. PIX e as finanças pessoais – É um sistema integrado que facilita a automação de processos de pagamentos. Uma vez que os dados são todos eletrônicos, é mais simples importá-los e trazê-los para uma planilha de controle e poder, assim, entender melhor os gastos e como consome. Ter informações sobre o curso do dinheiro é importante para saber como o gasta e até para identificar os gastos desnecessários.

Assim, controlará o fluxo de caixa, que parece coisa só de empresa. Com o fluxo de caixa em mãos, é possível analisar o consumo mensal, para conhecer os hábitos e o saldo. É possível olhar para o futuro para ter uma visão da vida financeira, as projeções e o impacto diante das escolhas tomadas.

. PIX e a empresa – Para empresas ou empreendedores, o QR Code é uma opção que não requer aluguel de maquininha e o pagamento realizado por ele cai instantaneamente na conta. Apesar de ter uma porcentagem, a taxa ainda é menor do que as praticadas por outros tipos de transações. Além disso, o código pode ser escaneado pelo dispositivo do consumidor sem precisar tocar outros aparelhos.

O QR Code colabora para uma melhor organização e identificação dos pagamentos porque permite que sejam incluídas informações adicionais sobre a transação e pode ser tanto estático quanto dinâmico. O QR Code estático pode ser reutilizado com um valor fixo de um produto, por exemplo. Já o QR Code dinâmico é mais adequado para pagamento de compras com mais de um produto, já que poderá apresentar valor variável a cada transação.

Para as empresas, receber mais rápido em sua conta o valor de uma transação e pagar menos taxas por isso, em escala, vai colaborar para tornar mais positivo o fluxo de caixa. E no médio/longo prazo, essas taxas, que acabavam sendo repassadas para os preços, tendem a desaparecer e baratear o preço final dos produtos e serviços.

(*) – É professor dos cursos e do Núcleo de Pesquisa de Economia e Finanças da ESEG – Faculdade do Grupo Etapa.