Neuroimagem e o impacto na gestão de pessoas

Ana Paula Pisaneschi (*)

Estamos enfrentando o desemprego em larga escala, rendas mensais reduzidas, trabalho mais intenso e uma rotina alterada. Os colaboradores estão estressados e lutando como nunca e, sejamos sinceros, os gestores também. A Harvard Business Review publicou, recentemente, um artigo excepcional sobre as redes neurais que funcionam em nosso cérebro e o impacto na gestão de pessoas.

Apresentou um método para você mesmo diagnosticar qual seu lado predominante e exercícios para ativar a rede analítica (AN) ou a sua rede empática (EN). A chave para maximizar sua eficácia como líder e ter relacionamentos mais produtivos é aprender a estar mais ciente de qual rede é ativada a qualquer momento e ser capaz de alternar facilmente entre as duas, conforme necessário.

Alguma vez você já respondeu a um colega o desvalorizando? Mesmo que essa não fosse sua intenção? Talvez você tenha dado a ele uma solução direta quando o que eles precisavam era de um ouvido. Ou você tenha enfatizado prazos, no momento em que eles precisavam compreensão. Como gestor, é provável que você já tenha experimentado isso em muitos momentos. E é ainda mais provável que durante a crise do Covid, estes momentos tenham aumentado.

Estes são tempos extremamente desafiadores. Estamos enfrentando o desemprego em larga escala, rendas mensais reduzidas, trabalho mais intenso e uma rotina alterada. Os colaboradores estão estressados e lutando como nunca. Preocupados com suas famílias, saúde, educação das crianças, medo em não conseguir prover mais o sustento de casa. E verdade seja dita, você provavelmente também está sentindo algumas das mesmas coisas. No entanto, como gestor, você é obrigado a continuar.

Orçamentos precisam ser controlados, metas precisam ser cumpridas e decisões difíceis precisam ser tomadas. De um lado, você precisa atender às necessidades dos funcionários e do outro, resolver problemas e tomar decisões estratégicas. O problema é que estas duas situações exigem que você ative partes diferentes do cérebro. Para liderar bem, é preciso relacionar os desafios específicos com o estado emocional.

Uma pesquisa do Professor Anthony Jack, também publicada pela Harvard Review, mostra como podemos nos tornar mais hábeis em equilibrar as duas áreas cerebrais.

  1. Esteja ciente de sua própria predileção – Qual é a sua rede neural “go-to”?
    Estar ciente de sua rede neural dominante, requer a prática da atenção. Você precisa estar consciente dessa experiência momentânea. As perguntas que você pode fazer a si mesmo incluem:

• Como estou processando as coisas neste momento?
• Estou pensando em fatos, detalhes ou soluções concretas?
• Ou estou refletindo de forma mais aberta e criativa sobre as possibilidades?
• Estou pensando no que é objetivamente certo ou errado?
• Ou estou avaliando os méritos relativos do que parece justo ou moralmente justo?
• Quais os tipos de situações ou atividades tendem a me atrair para a rede analítica?
• Quando é mais provável que eu entre na rede empática?
• No geral, passo mais tempo na rede analítica ou na rede empática?

  1. Exercite a rede neural que você não gosta – Existem várias maneiras de exercitar os “músculos” da sua rede neural empática e analítica. Uma abordagem útil é gastar mais tempo exercitando a rede que é menos provável que você use. É semelhante ao benefício de um jogador de futebol destro que trabalha o chute com o pé esquerdo para melhorar seu jogo.

Para exercitar sua rede empática: Conclua pelo menos uma conversa de 15 minutos todos os dias, em que seu único objetivo é entender a outra pessoa, não resolver o problema ou dar conselhos. Quando estiver ouvindo alguém, pare o que mais estiver fazendo ou pensando e tente dar a ela toda a sua atenção.

Tente ouvir além do que você ouve, sintonizando-se em toda a imagem do que você ouve e vê (ou seja, linguagem corporal, tom de voz, sinais emocionais etc.).
Se você acha que existe algo que você sabe com relativa certeza, se esforce para desafiar essa suposição e considerar outras possibilidades.

Para exercitar sua rede analítica: Programe janelas específicas para concluir determinadas tarefas. Identifique uma situação no trabalho que exija uma nova abordagem para alcançar um resultado bem-sucedido. Talvez seja uma alteração em um contrato de fornecedor existente. Antes de procurar a perspectiva dos outros, faça alguma pesquisa. Crie perguntas que você precisa resolver.

Liste dois a três novos recursos em que você normalmente não pensaria, incluindo pessoas. Anote os prós e contras de cada recurso, considerando o custo de cada uma e suas possíveis contribuições. Conecte suas anotações em uma estrutura para ajudá-lo a seguir em frente. Compile uma lista de despesas (pode ser até doméstica). Quais são as tendências que você vê nos números? Qual foi o valor mais alto ou mais baixo pago e em que mês? Como as despesas se comparam ao que você antecipou?

  1. Pratique o equilíbrio de ambos – Depois de dominar a capacidade de estar mais ciente de quando você está operando na rede analítica ou empática a qualquer momento e tiver desenvolvido a capacidade de ativar qualquer uma das redes sob demanda, estará pronto para praticar o balanceamento eficaz dos dois. Novamente, ambas as redes são importantes. Seu objetivo aqui é desenvolver a capacidade de alternar facilmente entre as duas redes, conforme necessário.

Coisas específicas que você pode fazer para trabalhar em sua capacidade de alternar entre as duas redes incluem:

Seja claro em sua intenção. Às vezes, podemos estar cientes da necessidade de alternar de uma rede para outra, mas conscientemente optamos por não o fazer. Em outras palavras, às vezes não é uma questão de habilidade, mas uma questão de motivação.

Ao tomar (ou comunicar) uma decisão que afeta outras pessoas, pense nas possíveis implicações pessoais da decisão. Gaste tempo cuidando dos aspectos relacionais. As redes analíticas e empáticas travam uma batalha constante em seu cérebro. Quando um é ativado, o outro é reprimido.

Você não precisa escolher lados. Não é que um seja bom e o outro seja ruim, você precisa dos dois. A chave para maximizar sua eficácia como líder e ter relacionamentos mais produtivos é aprender a estar mais ciente de qual rede é ativada a qualquer momento e ser capaz de alternar facilmente entre as duas, conforme necessário.

(*) – Formada em Comércio Exterior, Credit Scoring e Global Business MBA pelo Ibmec, é cofundadora e CEO da Uffa!, fintech que conecta empresas às pessoas, unindo negociação de dívidas com meios de pagamentos alternativos e programas de incentivo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap