Ser humano: o ponto de falha na segurança cibernética de uma empresa?

Cesar Candido (*)

Todo mundo tem trabalhado muito durante a pandemia para conseguir realizar novos projetos e negócios.

O modelo que tínhamos antes mudou e vem exigindo entregas maiores e com mais agilidade. No entanto, no que se refere ao mercado de segurança cibernética, a escassez de profissionais preparados torna o desafio ainda mais complexo.

Hoje é necessário treinar esses profissionais, já que não são encontrados facilmente no mercado para contratação imediata. Segundo o Gartner, 80% das organizações dizem ter dificuldades em encontrar e contratar profissionais de segurança e 71% admitem que isso está afetando a capacidade de entrega dos projetos de segurança internamente.

Outro número da consultoria indica que 64% dos funcionários já trabalham no modelo home office e 40% devem continuar assim após a pandemia. O impacto do trabalho remoto não se restringe apenas a quem trabalha diretamente com segurança digital, uma vez que afeta também os usuários finais.

O desafio é fazer com que todos compreendam que a responsabilidade sobre a segurança da informação deve ser compartilhada. A partir do momento que os profissionais estão trabalhando em casa eles precisam garantir o cumprimento mínimo dos requisitos de segurança da empresa, para que ninguém seja prejudicado. Existem inúmeros fatores que podem ser destacados e que geram decisões equivocadas no dia a dia, aumentando muito o risco com a segurança da informação.

Entre eles, podemos citar a ansiedade causada pelo isolamento que tornou o usuário mais suscetível a cometer erros e cair em armadilhas na web, clicando em links e e-mails maliciosos.

Diante desse cenário, é extremamente importante realizar campanhas de conscientização interna para funcionários – principalmente para aqueles que atuam em outras áreas –, além de desenvolver programas de captação de jovens talentos em TI, para fomentar ainda mais o setor de segurança da informação.

Acredito, ainda, que o tema segurança digital deva ser incluído no currículo escolar, para que as novas gerações aprendam desde cedo a fazer o melhor uso da tecnologia.

As crianças estão cada vez mais conectadas, dividem o mesmo ambiente digital com os pais porque muitas vezes utilizam o mesmo computador, sejam nas aulas on-line ou nos momentos de lazer. Então precisam ser conscientizadas sobre os riscos do compartilhamento de dados e dos links maliciosos.

Se o ser humano que existe por trás do profissional estiver bem treinado no âmbito corporativo, ele conseguirá transmitir esse conhecimento para a sua vida pessoal. Levar a cultura da segurança da informação para dentro de casa é uma excelente forma de disseminar esse conhecimento e fortalecer toda a estratégia de segurança cibernética.

Se isso for feito de forma divertida e envolvente, melhor ainda!

(*) – É diretor de Vendas da Trend Micro, empresa especializada em cibersegurança.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap