A importância do ESG e a cilada do Greenwashing

Luciana Moralles (*)

Sustentabilidade e Desenvolvimento Sustentável são conceitos antigos e estudados pela economia, direito, sociologia e ecologia, todas interconectadas.

Já o ESG (Environmental Social Governance) ou ASG (Ambiental Social Governança) são conceitos utilizados pelo mercado financeiro e/ou investidores para “valuation” de uma empresa, ou seja, para se aferir o impacto das questões ambientais, sociais e de governança na performance e lucratividade do negócio.

Nas últimas décadas, verificou-se a materialização de diversos riscos ambientais, sociais e de governança para os investidores e, consequentemente, a necessidade de identificar, mapear, mitigar e auditar esses riscos, bem como produzir relatórios confiáveis e buscar oportunidades relacionadas com as práticas de ESG. Essas práticas consistem na responsabilidade socioambiental em toda a cadeia produtiva de um determinado setor econômico e na análise de como isto se reflete na sociedade em que estão inseridos (externalidades positivas e negativas).

Ao perceber que o ativismo dos investidores em relação à demanda dessa área aumentou, o marketing das empresas foi fortalecido em direção à construção de uma imagem “ecofriendly”, a fim de fidelizar clientes e criar uma boa reputação junto aos seus mercados. Mercado esse que, diferentemente de anos atrás, não se constitui apenas dos consumidores diretos, mas também dos investidores, comunidade local e de interesses gerais da sociedade e do governo, os chamados “stakeholders”.

Além dos já conhecidos critérios de escolha de compra dos produtos, quais sejam qualidade, ingredientes e preço, atualmente acrescentam-se também os critérios de sustentabilidade. Citemos como exemplo a grande pressão que a indústria alimentícia tem sofrido no quesito de diminuição do uso de embalagens plásticas e a questão de geração de resíduos sólidos.

Para os investidores, optar por empresas ou países com melhores pontuações ESG, em certa medida, os protege de colapsos ou surpresas negativas futuras, garantindo melhores retornos do seu investimento. Porém, nessa busca por práticas de ESG, há o risco de se incidir no chamado Greenwashing. Ou em português, maquiagem verde, diz respeito às estratégias de marketing que visam vender a imagem de preocupação ambiental para obter uma reputação que possibilite maior lucratividade do negócio.

O problema é que essa preocupação não passa de uma fachada, não havendo de fato, na empresa, consistência em suas estratégias e práticas internas de ESG.

Desta forma, percebe-se um movimento do setor financeiro que terá efeito cascata em toda cadeia produtiva ao guiar-se por critérios de ESG/ASG no processo de decisão de investimento.

É esperada maior exigência dos investidores nas empresas para que estas demonstrem o progresso de suas práticas ambientais e sociais, divulguem relatórios sobre as referidas práticas e integrem em sua estratégia os riscos de ESG e oportunidades advindas desse novo ponto de vista.

(*) – É advogada head da área ambiental e sustentabilidade do escritório Finocchio e Ustra Advogados.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap