Estudo resgata a história do Movimento do Custo de Vida

Criado em 1973, a partir dos Clubes de Mães e das Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) da Igreja Católica na periferia sul de São Paulo, o Movimento do Custo de Vida (MCV) incorporou outras forças políticas; cresceu em número e articulação; e, em 1978, colocou nas ruas mais de 20 mil pessoas, em um ato público realizado na Praça da Sé, em plena ditadura civil-militar

Estudo 1 temporario

Em oposição à política econômica da ditadura civil-militar, o movimento, que atuou de 1973 a 1982, promoveu as primeiras grandes manifestações populares do Brasil depois de 1968 (detalhe da capa do livro 'Como pode um povo vivo viver nesta carestia').

José Tadeu Arantes/Agência FAPESP

Contornando as barreiras policiais, que procuraram impedir o acesso dos manifestantes ao local, e contrariando a ordem de que o ato fosse realizado apenas no interior da catedral, a manifestação transbordou pelas escadarias. No mesmo evento, foi apresentado um abaixo-assinado de âmbito nacional, com 1,3 milhão de assinaturas, a ser entregue à Presidência da República, reivindicando o congelamento dos preços dos gêneros de primeira necessidade; o aumento dos salários acima do aumento do custo de vida; e um abono salarial de emergência imediato e sem desconto para todas as categorias de trabalhadores.

A história do MCV, praticamente desconhecida pelas novas gerações, é o objeto do livro 'Como pode um povo vivo viver nesta carestia: o Movimento do Custo de Vida em São Paulo (1973-1982)', de Thiago Nunes Monteiro. Resultado de trabalho de mestrado feito na USP, com orientação da professora Maria Aparecida de Aquino, o livro foi publicado com apoio da FAPESP.

“Monteiro pesquisou nos principais arquivos do Estado de São Paulo. Ele consultou material produzido pelo próprio MCV e sobre o movimento, como discursos na Assembleia Legislativa do Estado (Alesp) e no Congresso Nacional, artigos de imprensa da época e documentos do Departamento Estadual de Ordem Política e Social de São Paulo (Deops-SP). Com base nessa documentação extensa, fez um trabalho de mestrado com nível de doutorado. Por isso, sem que fosse apresentada qualquer solicitação nesse sentido, sua dissertação foi selecionada, pelos pareceristas da USP, para publicação em livro”, disse Aquino.

Conforme explicou a orientadora, o MCV foi a resposta a um processo inflacionário, que corroía o poder aquisitivo das camadas populares, sem que houvesse a contrapartida de elevações salariais. Com uma linguagem acessível às pessoas menos instruídas, os folhetos produzidos pelo movimento recorriam a imagens marcantes como a de que os salários subiam pela escada, enquanto o custo de vida disparava pelo elevador.

Comissão do MCV encarregada da entrega de abaixo-assinado em Brasília em 1978.O livro cobre uma década de atividade do MCV e acompanha seu nascimento, ascensão, apogeu, declínio e fim. “Adotei como balizas temporais os anos 1973 e 1982. Em 1973, o MCV foi criado, com base nos Clubes de Mães, já atuantes na periferia de São Paulo. Em 1982, o movimento já havia esgotado sua capacidade de mobilização em São Paulo, e a última manifestação agendada acabou não ocorrendo, por falta de público”, disse Monteiro. A maior força no início do movimento – e a própria condição para que ele ocorresse – foi a Igreja Católica, liderada pelo cardeal dom Paulo Evaristo Arns, arcebispo de São Paulo.

“Por meio dos Clubes de Mães e das CEBs, a Igreja mobilizou grande número de participantes, residentes nos bairros populares da periferia. Além disso, foi a Igreja que proporcionou a infraestrutura material necessária, como espaços para reuniões ou mimeógrafos para a produção de folhetos. Mas, desde o começo, houve também a participação de pessoas ligadas à luta sindical e à oposição ao regime ditatorial, incluindo agrupamentos de esquerda, especialmente militantes do PC do B”, disse.

Estudo 2 temporarioÀ medida que o MCV cresceu, criou-se uma coordenação central; outros militantes de esquerda, que não moravam anteriormente nos bairros onde o movimento atuava, se incorporaram a ele; e chegou-se ao auge com o abaixo-assinado de 1,3 milhão de assinaturas. A partir de 1978, a capacidade de mobilização foi, gradualmente, reduzida. As causas do declínio foram objeto de outros estudos, que enfatizaram a influência prejudicial das disputas por hegemonia entre as várias forças políticas. Monteiro reconhece que essas disputas contribuíram para a desmobilização, mas considera que esta não pode ser atribuída a uma única causa.

“Movimentos populares com objetivos limitados, como a construção de creches ou o asfaltamento de ruas, são capazes de proporcionar pequenas vitórias concretas, que retroalimentam a mobilização. O MCV, porém, tinha um objetivo de escala nacional, que só poderia ser alcançado com a revisão de toda a política econômica do regime. A incapacidade de obter uma vitória desse porte pode ser apontada como uma das causas para o seu progressivo esvaziamento. Além disso, surgiram outras pautas e espaços de atuação, que atraíram parte dos militantes”, disse Monteiro.

Para Aquino, é preciso contextualizar o declínio do MCV. “O fim da década de 1970 foi caracterizado pelo eclipse do regime ditatorial. Houve crise econômica, a emergência de um novo sindicalismo com as greves do ABC paulista em 1978, mobilizações dos estudantes e de outros setores da população por liberdades democráticas. Tudo isso sinalizou que não havia mais condições de sobrevivência para a ditadura no longo prazo. O MCV foi a resposta possível em um contexto anterior. Mas o novo contexto gerou outras oportunidades de enfrentamento do regime ditatorial”, disse.

Perguntado sobre as lideranças que se destacaram no movimento, Monteiro citou três: Aurélio Peres, operário metalúrgico, e Irma Passoni, freira que abandonou a vida religiosa para se engajar nas lutas da periferia sul; em 1978, os dois foram eleitos, respectivamente, como deputados federal e estadual. “Além deles, Ana Dias teve um papel muito importante no MCV desde o início, embora seja mais lembrada como a companheira do operário metalúrgico Santo Dias da Silva, que também atuou no MCV e foi assassinado por um soldado da Polícia Militar, durante repressão à greve dos metalúrgicos de São Paulo”, disse.

Em 31 de outubro de 1979, 30 mil pessoas saíram às ruas do centro de São Paulo para acompanhar o cortejo fúnebre e protestar contra o assassinato de Santo Dias. O policial responsável por sua morte, condenado em primeira instância, foi unanimemente absolvido pelo Tribunal de Justiça Militar do Estado de São Paulo. Há 38 anos, familiares e companheiros de militância de Santo se dirigem, todos os anos, ao local onde Santo foi morto e escrevem, com tinta vermelha, a frase “Aqui foi assassinado o operário Santo Dias da Silva, no dia 30-10-1979, pela Polícia Militar”.

Mais artigos...

  1. Anabolizantes comprometem funcionalidade do “colesterol bom”
  2. Presença de árvores reduz casos de câncer de pulmão em idosos
  3. Proximidade do verão aciona alerta para desastres naturais
  4. Nova lei regula situação de estrangeiros no país
  5. SP e Prefeitura de Humaitá atendem ribeirinhos no Amazonas
  6. O desaparecimento de pessoas é um problema grave, que atinge milhares de famílias no Brasil
  7. Alimentos e cosméticos podem ter alerta sobre substância cancerígena_02
  8. OIT diz que há mais de 70 milhões de jovens desempregados no mundo
  9. Lixo no mar brasileiro vai de drogas a plástico
  10. Livro 'Vestígios da Memória' mostra a riqueza da arquitetura paulista
  11. Atenção dos pais pode reduzir risco de abuso de drogas na adolescência
  12. Reforma trabalhista entrou em vigor neste sábado com novas formas de contratação
  13. Alimentos e cosméticos podem ter alerta sobre substância cancerígena
  14. Dois anos depois, atingidos por barragem em Mariana ainda não foram indenizados
  15. População não entende rótulos, diz pesquisa
  16. Ética no esporte: uma poderosa ferramenta de formação de caráter
  17. Desafios para o cumprimento do Acordo de Paris
  18. Historiador desconstrói mitos sobre Teatro Municipal de São Paulo
  19. Dia mundial de combate ao abuso infantil
  20. Bullying na escola está ligado à má relação familiar, diz estudo
  21. Naufrágios chamam a atenção para a segurança nas hidrovias brasileiras
  22. Com frete rodoviário abaixo do custo, CNI defende fiscalização para evitar crise
  23. Livro analisa educação clandestina no gueto de Varsóvia
  24. Igualdade entre homem e mulher pode agregar US$ 28 trilhões ao PIB até 2025
  25. Os acordes dissonantes da contracultura nos anos de chumbo
  26. Reforma eleitoral abre espaço para propaganda paga em sites
  27. Rotina de jovens com HIV inclui estigma e mudança de hábitos
  28. Gravidez precoce ainda é alta, mostram dados
  29. Rede de apoio é fundamental para combater violência contra a mulher
  30. FAO sugere que jovens de países em desenvolvimento não deixem áreas rurais
  31. Conheça a trajetória do Velho Guerreiro
  32. O que as crianças estão aprendendo sobre o amor?
  33. Outubro Rosa conscientiza sobre prevenção do câncer de mama
  34. Indústria fecha primeiros oito meses do ano com crescimento de 1,5%, diz IBGE
  35. Perda de renda e medo do desemprego fazem brasileiros diminuírem consumo
  36. Desconfiança e preconceito da sociedade dificultam ressocialização de presos
  37. Açaí teve maior valor de produção na extração vegetal em 2016, diz pesquisa
  38. Fécula de mandioca poderá substituir parte da farinha de trigo na composição do pão
  39. Pesquisa aponta saídas para combater desigualdade no Brasil
  40. No Brasil, 45% da população ainda não têm acesso a serviço adequado de esgoto
  41. Integrar história da ciência nas escolas pode revolucionar ensino
  42. Cerca de 11 mil pessoas tiram a própria vida todos os anos no Brasil
  43. Estudo feito na Unicamp permite traçar o roteiro da obesidade
  44. Crise pode limitar financiamento estudantil
  45. Gorduras boas: saiba a importância desses nutrientes e porque eles devem fazer parte do nosso dia a dia
  46. Mercado de trabalho dá sinais de recuperação no segundo trimestre
  47. Cientistas dizem que furacões como o Irma são evidência de aquecimento global
  48. Programa Identidade Jovem enfrenta baixa adesão e resistência dos empresários
  49. Crescimento de ataques virtuais acende alerta sobre suicídio
  50. Na Georgia, brasileiros criam rede de apoio e acolhem mais de 300 pessoas
  51. O Império do Brasil
  52. Cabelos fracos, quebradiços e com queda? A solução pode estar no cardápio
  53. Microplásticos ameaçam 529 espécies da fauna marinha em todo o mundo
  54. Enade: matrículas em instituições públicas crescem e rede privada tem redução
  55. Pesquisadores descrevem 381 novas espécies de animais e plantas da Amazônia
  56. Direito à saúde bucal pode virar lei
  57. Casa da Moeda: Economistas não acreditam que privatização traga risco de fraude
  58. Taxa de feminicídios no Brasil é a quinta maior do mundo
  59. Travessia longa até um trânsito civilizado no país
  60. Intestino preguiçoso: saiba quais alimentos consumir para evitar esse mal e ter uma vida saudável
  61. Cerca de 58% dos alunos da rede pública têm rendimento abaixo da média em matemática
  62. Pelo terceiro ano seguido, desemprego é a principal causa da inadimplência, mostra levantamento do SPC Brasil e CNDL
  63. De concurso de miss a maternidade, cadeirantes contam como resgataram autoestima
  64. Verba de multas poderá ir para o trânsito
  65. Como seria uma guerra entre EUA e Coreia do Norte?
  66. Fundo Amazônia vai investir R$ 150 milhões em novos projetos de conservação
  67. Duração de licença-paternidade reforça desigualdade na criação dos filhos
  68. Há 80 anos, União Nacional dos Estudantes faz história no país
  69. Barriga tanquinho: regra 80/20 é o segredo para conquistar e manter o abdômen definido
  70. Estudo mostra que o uso de etanol nos veículos reduz a poluição por nanopartículas
  71. Aleitamento materno ainda enfrenta obstáculos
  72. Segurança pública: solução depende de participação social
  73. “Memórias Póstumas de Brás Cubas” observa a condição humana
  74. Do sertão à ‘selva’ paulistana, o rito de passagem dos pankararu
  75. Dieta pós 40: veja o que deve mudar no cardápio para garantir vigor durante a meia idade
  76. Uerj pesquisa influência da atividade física das mães na obesidade dos filhos
  77. A desigualdade “racial” nas eleições
  78. Pediatras lançam guia para promover atividade física a criança e adolescente
  79. Sem aumento do PIS/Cofins, governo perde R$ 78 milhões por dia, diz AGU
  80. Pesquisa diz que a cada 16,8 segundos uma tentativa de fraude é aplicada no país
  81. O ano de 2016 bateu um novo recorde de deslocamentos forçados - Quais países mais geram refugiados pelo mundo?
  82. Pesquisa revela como o exercício físico protege o coração
  83. Laerte: heroína trans ou homem vestido de mulher?
  84. Declínio de Temer no exterior ajuda Macri a projetar Argentina
  85. O mundo, para as crianças, é a sua comunidade
  86. Misto de sentimentos marca saída dos militares brasileiros do Haiti
  87. Desemprego e informalidade assolam mulheres da América Latina
  88. Automedicação pode ter graves consequências
  89. Lei de Cotas em concurso é julgada constitucional, mas ainda motiva ações
  90. Migração: nova lei assegura direitos e combate a discriminação
  91. Grande São Paulo precisa controlar a emissão dos veículos a diesel
  92. O perfil dos corredores de rua amadores
  93. Há 100 anos, greve geral parou São Paulo
  94. Desvendando o cártamo: o que esse óleo pode fazer por sua dieta?
  95. Expectativa de vida de transexuais é de 35 anos, metade da média nacional
  96. Dalva de Oliveira
  97. Sem espaço adequado, Câmara guarda 1,2 mil obras de arte longe do público
  98. Doenças do inverno: Como fortalecer a alimentação e afastar os males típicos dessa época
  99. São Paulo precisa redescobrir a relação com seus rios
  100. Intervenções na Amazônia maquiam problemas, aponta pesquisador
Mais Lidas