Número de brasileiros em áreas de risco passa de 8 milhões, diz IBGE

Pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostra que 8,27 milhões de brasileiros vivem em áreas de risco em 872 municípios do país                                                                        

Prefeitura de Petrópolis/ABr

Mais de 8 milhões de brasileiros vivem em áreas de risco em 872 municípios do país, em 2,47 milhões de domicílios.

Cristina Indio/ABr

Essas pessoas moram em 2,47 milhões de domicílios. Com o uso de metologia inédita, pesquisadores cruzaram dados do Censo Demográfico de 2010 com informações do Centro de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden).

“É a primeira vez que se tem um cenário de qual é a população brasileira em áreas de risco”, disse o coordenador de Geografia do IBGE, Cláudio Stenner. A intenção, segundo ele, é gerar uma base de conhecimento que possa contribuir para a adoção de políticas públicas a fim de evitar tragédias decorrentes de desastres naturais. “A expectativa é que, em primeiro lugar, se gere a preservação da vida e, em segundo lugar, uma melhor mitigação dos efeitos em caso de desastre natural”.

O pesquisador afirmou que a pesquisa População em Áreas de Risco no Brasil é o início de uma série histórica que vai ocorrer sempre que houver a publicação do Censo Demográfico. Segundo ele, apesar da informação demográfica, estar distante oito anos, ainda assim, tem um caráter estrutural, porque essa situação não muda tão rapidamente.

“A vantagem desse trabalho é que nos últimos cinco anos passamos desenvolvendo a metodologia e produzindo esses dados. Com o censo de 2020, 22 ou 23, ainda não está fechado o calendário, poderemos dar uma resposta muito mais rápida, com uma atualização maior e comparação com a situação de 2010 do que mudou nessas áreas”, acrescentou.

Destaques
Com a análise de 308 municípios, a Região Sudeste foi a que teve maior número de pessoas em áreas de risco (4,26 milhões), que significam 9,8% da população total dessas cidades avaliadas, com destaque para os estados de São Paulo e de Minas Gerais. São Paulo registrou 1,52 milhão de pessoas, ou seja, 6,8% da população dos municípios monitorados. Minas Gerais somou 1,37 milhão, 14,8% em áreas de risco.

Teresópolis/RJ registrou grandes deslizamentos de terra.Na outra ponta, a Região Centro-Oeste, que teve 19 municípios monitorados, não ultrapassou o total de 2 mil habitantes em áreas de risco em nenhum deles. A pesquisa indica que havia 7,6 mil habitantes nessas localidades, o que representa 0,3% da população total dos municípios acompanhados.

Stenner chamou a atenção que, entre os municípios, Salvador, com 1,21 milhão de pessoas (45,5% da população total do município) é o que tem maior contingente em área de risco, seguido de São Paulo com 674,3 mil habitantes, mas nesse caso o montante representa 6% da população.

Tragédias
O estudo indicou ainda quantidade elevada de moradores em áreas de risco em alguns municípios que enfrentaram tragédias após impactos decorrentes de deslizamentos causados por tempestades. Na região serrana do Rio, Petrópolis tinha 72 mil (24,4% do total da cidade), Teresópolis 45,7 mil (28%) e Nova Friburgo 33,6 mil (18,5%). Os três enfrentaram enxurradas e inundações em 2011, ano seguinte ao Censo que serve de base para o estudo.

A pesquisa mostra que esse foi o maior desastre natural deste século e causou as mortes de 900 pessoas, atingiu mais de 300 mil em toda a região, além de provocar perdas econômicas avaliadas em R$ 4,8 bilhões, segundo o Banco Mundial com dados de 2012.

“As consequências devastadoras desse evento corroboraram o consenso entre os especialistas de que a magnitude de um desastre está intrinsecamente relacionada à interseção de fenômenos sociais, econômicos e demográficos, entre outros, que contribuem para aumentar a vulnerabilidade e exposição da população aos desastres naturais”, explicou Stenner.

Características sociodemográficas
O estudo analisou ainda características consideradas relevantes associadas ao perfil sociodemográfico da população em áreas de risco. Os pesquisadores consideraram variáveis como as faixas etárias e as condições de acesso a serviços básicos, incluindo abastecimento de água, esgotamento sanitário e coleta de lixo.

Fo2522to temporarioNa avaliação da faixa etária verificou-se que as mais vulneráveis a desastres são as crianças e os idosos, que por maior dependência para locomoção e menor capacidade de resistência a ferimentos necessitam de cuidados especiais. No caso das crianças, as menores de 5 anos são as mais vulneráveis e, no dos idosos, os com mais de 60 anos. No total de municípios analisados no Brasil (872), 17,8% dos moradores em áreas de risco eram crianças e idosos, faixas de idade mais vulneráveis.

O pesquisador informou que a Região Norte se destacou pela maior concentração de crianças vivendo em áreas de risco. O estado do Acre teve 19,8%. O Pará e o Amazonas tiveram 19,2% cada um. “Esse é um fenômeno demográfico da realidade dos estados da Região Norte, onde se tem um nível médio de filhos por mulher maior”, observou.

Stenner destacou também que, ao contrário do que se pode pensar, não é apenas a população com pior situação socioeconômica que mora em áreas de risco. “Essa não é uma característica exclusiva. Não é só população em dificuldade econômica que mora em área de risco”, ressaltou ao lembrar que na tragédia da região serrana em 2011 muitos condomínios de moradores de situação econômica mais elevada também foram afetados.

No entanto, o pesquisador acrescentou que no geral o processo de urbanização nas cidades brasileiras ocorreu de forma em que as classes mais favorecidas ocuparam as melhores áreas, enquanto restou para as de pior situação econômica um sítio urbano menos favorável, em encostas e em vales de rios. “Isso que gerou esses números de milhares de pessoas em áreas de risco”, completou.

Pelas características de água, esgoto e coleta de lixo, os pesquisadores puderam fazer a distinção dos tipos de moradias. De acordo com Stenner, novamente a Região Norte aparece em situação menos favorecida nos três requisitos, mas a falta de acesso à rede geral de esgoto ou fossa séptica, considerados formas adequadas de esgotamento, é o fato mais preocupante. A Região Norte chega a 70,7% da população sem esse tipo de serviço. Nos estados do Amapá e do Pará esse percentual chega a 83,7% e 75,5% respectivamente. “O esgotamento sanitário se revela como grande problema nas áreas de risco. É a carência de um destino adequado”, acrescentou Stenner.

Mais artigos...

  1. Vida verde: benefícios do vegetarianismo e veganismo à saúde atraem cada vez mais brasileiros
  2. Uso de energia solar no campo cresce com usinas flutuantes
  3. Vinho é a bebida alcoólica preferida dos brasileiros na melhor idade, aponta pesquisa
  4. Músicos amadores criam grupos para reviver antigos sambas esquecidos
  5. Projetos buscam evitar tragédias como o desabamento de edifício em São Paulo
  6. Quilombo a 50 km de Brasília luta para manter território e identidade
  7. Lei Seca soma dados positivos após 10 anos, mas levanta questões
  8. Junho aumenta riscos de acidente com fogos e balões
  9. Dom Pedro I criou Supremo Tribunal com poderes esvaziados
  10. "Sem solução, quem matou terá carta branca", diz pai de Marielle
  11. Livro sobre intelectuais negros põe em xeque ideia de democracia racial no país
  12. Carro elétrico ainda espera incentivos para crescer no Brasil
  13. Cora Coralina é inspiração para artesãs e doceiras na Cidade de Goiás
  14. Ascensão e queda de José Bonifácio, o 'Patriarca da Independência'
  15. Brasil perdeu mais de 430 mil empregos na construção entre 2015 e 2016
  16. Desmatamento e ocupação desordenada ameaçam conservação do Cerrado
  17. Poluição sonora prejudica a saúde e preocupa especialistas
  18. Senado deve aprovar incentivo para combater cartéis
  19. Cade propõe medidas para reduzir preços dos combustíveis
  20. O Brasil ocupa o oitavo lugar no ranking de número de tabagistas no mundo
  21. Entenda a composição do preço da gasolina e do diesel no Brasil
  22. Guimarães Rosa é recriado em prosas, pinturas e bordados
  23. Verdades e mentiras sobre o Cadastro Positivo
  24. Estudo da USP mostra como o álcool em dose moderada protege o coração
  25. Brasil pretende atrair mão de obra estrangeira qualificada para o país
  26. Bossa nova completa 60 anos: conheça a história do gênero musical
  27. Saí da Igreja do Rosário, andei por São Paulo e tropecei na história
  28. País busca soluções para aumento de judicialização na saúde
  29. Divisão de tarefas domésticas ainda é desigual no Brasil
  30. Cuidar da saúde é principal motivação dos que se planejam para aposentadoria
  31. Economia brasileira ainda não sentiu efeitos da Copa 2018
  32. Senado e Câmara aprovaram Lei Áurea em apenas 5 dias
  33. Dimension Data e Cisco expandem tecnologia anticaça na África
  34. Proteção de dados ganha importância na política e economia no Brasil
  35. Mais de 80 mil brasileiros migraram para Portugal em busca de segurança
  36. A cinco meses das eleições, Câmara e Senado trabalham em ritmo lento
  37. Jornais noticiaram Esquadrão da Morte de acordo com clima político
  38. Famílias sonham com clínica-escola gratuita para autistas
  39. Senado avança na definição de código que defende contribuintes
  40. Livro explica o poder e a consolidação dos Estados Unidos
  41. Pediatras lançam campanha para elucidar mitos sobre saúde infantil
  42. Mais de 40% dos brasileiros até 14 anos vivem em situação de pobreza
  43. Um milhão de indígenas brasileiros buscam alternativas para sobreviver
  44. Cuba elege 1º presidente após 60 anos de governo dos irmãos Castro
  45. Oito em cada dez brasileiros não se preparam para aposentadoria
  46. Vida de Adoniran Barbosa é tema de documentário
  47. Proximidade entre animais domésticos e silvestres traz riscos de doenças a humanos
  48. IBGE: ricos receberam 36 vezes acima do que ganharam os pobres em 2017
  49. Pesquisa revela que 58% dos brasileiros não se dedicam às próprias finanças
  50. Os mano e as mina na mira dos homi
  51. Maior virtuose do bandolim é lembrado no seu centenário
  52. Ferramenta auxilia na preparação tática de goleiros
  53. "Eu tenho um sonho!" - morte de Martin Luther King completou 50 anos e ex-assessor relembra lutas
  54. Multiculturalismo no futebol deve se expandir em seleções europeias
  55. Dia da Constituição comemorou avanços na cidadania desde a independência do Brasil
  56. Três anos depois de aprovada, Lei do Feminicídio tem avanços e desafios
  57. BC: Selic deve voltar a ter redução em maio e cortes se encerram em junho
  58. Em busca de um novo modelo de gestão para o uso da água
  59. Lei poderá dar segurança ao Farmácia Popular
  60. Acesso dos pobres à água só é possível com controle social, dizem especialistas
  61. Por que as mulheres “desapareceram” dos cursos de computação?
  62. Interiorização de venezuelanos para São Paulo e Manaus começa em abril
  63. Relatório da Unesco sobre água propõe soluções baseadas na natureza
  64. Veja quem luta contra quem no conflito na Síria
  65. Surto de febre amarela desafia vigilância de epidemias
  66. São Paulo, uma metrópole para poucos
  67. Mesmo com decisão do TST, governo não descarta privatização dos Correios
  68. Documento único estará disponível em julho
  69. Mulheres são donas de 31% de empresas nos Estados Unidos
  70. IBGE: mulheres ganham menos que homens mesmo sendo maioria com ensino superior
  71. Cadastro Positivo: Entenda o que é e quais são os reais benefícios ao consumidor
  72. CNI recomenda desburocratização, educação e pesquisa para indústria crescer
  73. Seu próximo negócio poderá ser de outro planeta
  74. Soluções sertanejas ajudam a vencer a seca no semiárido nordestino
  75. Pesquisador destaca papel da irrigação na sustentabilidade ambiental
  76. Laser infravermelho ajuda a combater gordura no fígado
  77. Leis não alteraram perfil dos caminhoneiros no Brasil, mostra estudo
  78. Técnicas de redução de ansiedade ajudam a acertar pênaltis
  79. Cremes dentais não resolvem sozinhos erosão dental e hipersensibilidade dos dentes
  80. Pesquisa diz que, de 69 milhões de casas, só 2,8% não têm TV no Brasil
  81. Hábitos alimentares deram nova identidade a japoneses na Amazônia
  82. Vitória antitabagista
  83. Desmatamento vai aquecer clima do planeta mais que o estimado
  84. Medida Provisória que altera reforma trabalhista ainda não começou a tramitar
  85. De Picasso a Chagall – Conheça o Carnaval retratado na arte
  86. Portela lembra na avenida os imigrantes judeus que se instalaram no Recife
  87. Beija-Flor fecha grupo especial com desfile sobre monstros e seus criadores
  88. União da Ilha desfila os sabores da culinária brasileira
  89. Na Marquês de Sapucaí, Imperatriz conta enredo dos 200 anos do Museu Nacional
  90. Haitianos são maioria entre os imigrantes no mercado formal brasileiro
  91. 60% das lesões no futebol atingem as coxas e joelhos
  92. Mídia representa pessoas em situação de rua de forma negativa
  93. Rap e jazz facilitam formação cultural e engajamento na escola
  94. Nova lei dá esperança a quem aguarda adoção
  95. Conheça 10 receitas 'italianas' que só existem no Brasil
  96. Brasileiros beneficiados pelo Daca vivem incerteza nos Estados Unidos
  97. Aumento de bilionários em 2017 poderia acabar com a extrema pobreza por 7 vezes
  98. Confira dez perguntas e curiosidades sobre a febre amarela
  99. Cai percepção de piora da economia entre comerciantes
  100. O escritor portenho Jorge Luis Borges continua dando o que falar