Educação financeira e previdenciária deve e pode começar na infância

No dia a dia, é um grande desafio explicar às crianças que elas não podem ganhar tudo o que pedem e na hora que querem

 159415722 temporario

 

Thaís Restom/Portal Previdência Total

O cenário instável da economia brasileira é um bom momento para refletir sobre a importância do planejamento financeiro e do hábito de poupar. E rememorando a semana em que se comemorou o Dia das Crianças, nada mais importante do que já começar a ensinar aos pequenos o valor do dinheiro e que nem sempre é possível comprar tudo o que desejam.

A percepção sobre a necessidade de se prover educação financeira desde a infância vem ganhando espaço no país. Segundo estudo recente da Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito), 88% dos brasileiros consideram muito importante a educação financeira para crianças, contra 76% registrado no ano passado. O levantamento também revela que 49% têm o hábito de poupar para os filhos.

Ricardo Humberto Rocha, professor de finanças do INSPER e autor do livro "Como esticar seu dinheiro – educação financeira para família", afirma que a partir da pré-escola já é possível incentivar a criança a fazer contas e ensinar-lhe o valor da moeda. “Nessa fase é importante que os pais apresentem o conceito do cofrinho e mostrem como é possível poupar dinheiro para alcançar um objetivo no futuro”, diz.

bigstock-family-children-money-inves-62119439-600x437 temporarioNa opinião do especialista, as escolas têm um papel diferente nesse processo. “Elas devem se preocupar em ensinar corretamente português e matemática, porque o maior problema que observo hoje é a dificuldade das pessoas para interpretar textos e fazer contas. Se desde a infância esses ensinamentos forem melhor trabalhados, as pessoas terão condições de entender o mundo financeiro por conta própria”, acredita.

Educar os filhos a consumir de forma responsável não é uma tarefa simples. No dia a dia, é um grande desafio explicar às crianças que elas não podem ganhar tudo o que pedem e na hora que querem. Uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) comprova que a maioria das mães brasileiras não está preparada para isso, já que 60% não resistem ao pedido dos filhos na hora das compras.

Muitas vezes, nem é preciso que os filhos manifestem o desejo de ganhar um presente para recebê-lo: 59,6% das mães compram produtos “supérfluos” sem que eles peçam, apenas pelo prazer de vê-los usarem coisas que gostam. “O estímulo ao consumismo, não raro, começa dentro de casa. As mães querem sempre satisfazer seus filhos, o que é compreensível, mas a vontade de agradar as crianças não pode se sobrepor às condições do próprio bolso”, afirma a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

Para o educador financeiro Reinaldo Domingos muitos pais têm dificuldade em transmitir o significado do dinheiro aos filhos justamente porque eles não tiveram esse tipo de orientação no passado. “Um dos caminhos para essas famílias educarem financeiramente suas crianças é estimulá-las a identificar seus sonhos de curto, médio e longo prazo, ensinando-lhes a investigar quanto custam e, juntos, começar a poupar. A partir dos sete anos isso pode se dar por meio de semanada ou mesada”, acredita.

timthumb novo temporarioO crescimento da expectativa de vida e o recuo na taxa de fecundidade do brasileiro são os principais desafios para a sustentação da Previdência Social no futuro, já que o número de pessoas beneficiadas cresce muito mais do que aquelas que contribuem. De acordo com o último levantamento do IBGE, a expectativa de vida ao nascer no Brasil subiu para 74,9 anos. Por isso, os especialistas recomendam que as crianças e jovens de hoje sejam educados o quanto antes sobre a importância do sistema previdenciário para a garantia dos direitos dos idosos e aposentados.

Marco Aurélio Serau Jr., professor e autor de obras em Direto Previdenciário, acredita que a Previdência Social, não só no Br

asil como no mundo, está passando por um processo muito grande de transformação. “Por tudo isso, a preparação e o planejamento previdenciário devem começar cedo, seja poupando em planos de previdência privada, seja contribuindo ao Regime Geral da Previdência Social desde o momento permitido em lei”, diz.

O especialista diz que a Previdência Social sustenta-se a partir de uma base de contribuintes bastante ampla, e para isso, a participação dos jovens e crianças é fundamental. “Entretanto, visualizo que a atual geração de crianças e adolescentes terá, no futuro, uma cobertura previdenciária bem diversa da atual, possivelmente de menor qualidade”, observa Serau Jr.

Previdência privada e poupança são opções para os pequenos

dinheiro cofrinhoi temporarioConforme a expectativa de vida dos brasileiros aumenta, a quantidade de planos de previdência privada contratados cresce cada vez mais. É o que afirma a superintendente comercial de Vida e Previdência da Porto Seguro, Fernanda Pasquarelli. “Esses pais, cientes de que suas crianças viverão mais, procuram formar uma reserva financeira como algo necessário para garantir o futuro delas. E o plano de previdência possibilita que elas sejam beneficiadas futuramente pelo recurso acumulado”, diz.

Para Lúcio Flávio de Oliveira, presidente da Bradesco Vida e Previdência e vice-presidente da FenaPrevi, a principal vantagem de investir em um plano de previdência privada desde a infância é que, quanto maior for o prazo de contribuição, menor será o valor do aporte exigido para alcançar a meta pretendida. “O brasileiro ainda tende a só se preocupar com previdência pública ou privada quando está mais próximo da aposentadoria. Do ponto de vista da indústria de previdência, portanto, o desafio é reduzir a idade de ingresso e constituição dos planos”, afirma o especialista.

O plano de previdência privada para uma criança deve ter um responsável financeiro, que deverá optar por uma das modalidades do produto: PGBL ou VGBL. O primeiro é mais indicado para quem faz a declaração do IR no modelo completo, porque permite a dedução das contribuições da base de cálculo, até o limite de 12% da renda bruta anual. “Já o produto VGBL é para quem faz a declaração simplificada, tem isenção do pagamento de imposto ou já usufrui da dedução fiscal de 12% em outros planos de previdência complementar”, orienta Soraia Fidalgo, gerente de inteligência e gestão de clientes da Brasilprev.

Ricardo Humberto Rocha, do INSPER, recomenda a poupança para ensinar as crianças como guardar dinheiro. “A maioria dos pais não entende muito de finanças; então 

esse investimento é mais seguro. Mostrar a elas continuamente a movimentação da conta, como os gastos e rendimentos, é igualmente importante. O VGBL renda variável também é uma boa opção para educá-las sobre planejamento financeiro”, finaliza.

Mais artigos...

  1. Uma em cada quatro pessoas morre no mundo por causas relacionadas à trombose
  2. Aviação também é um negócio bizarro!
  3. Material particulado veicular predomina no nível de poluição
  4. Alunos com tendência antissocial buscam segurança na escola
  5. 15 motivos para amar/odiar a palavra “kamikaze”
  6. Brasil perde R$ 156,2 bilhões do PIB com a morosidade do trânsito em São Paulo
  7. Santos pode se tornar mais suscetível a inundações
  8. 01 de Outubro - Dia Mundial do Idoso: Como os idosos veem a saúde
  9. Tecnologia permite fabricação de gelo por meio da luz solar
  10. Sistema prevê a ocorrência de raios com 24 horas de antecedência
  11. 11 (+1) músicas que falam sobre aviões e aeroportos
  12. Dez dúvidas mais frequentes sobre o diabetes
  13. Prática de atividade física pelos pais pode proteger filhos da obesidade
  14. Práticas corporais são eficientes para a saúde coletiva
  15. Amostras de pescado apresentam conservação inadequada
  16. Postura errada pode levar a graves problemas de saúde
  17. Subfertilidade feminina: o que é e como tratar
  18. Deputados votam texto que altera Estatuto do Desarmamento
  19. Os 50 anos do TUCA – Teatro da Universidade Católica
  20. Estudo traça panorama da transição do Brasil para TV Digital
  21. Realidade de times femininos vai de atletas sem chuteiras a clubes bem equipados
  22. Não há limites para quem sonha em pilotar
  23. Mudanças climáticas causam alterações no comportamento de beija-flores
  24. Os sentidos do “jeitinho brasileiro” em nossa cultura
  25. Mulheres engravidam mais velhas e congelamento de óvulos cresce
  26. Metodologias propõem olhares diferentes para alfabetização
  27. Vacinas de terceira geração terão “vetores de DNA”
  28. Terapias complementares ajudam no combate à infertilidade
  29. Incor comprova eficácia de exercícios fonoaudiológicoas no combate ao ronco
  30. Anil é anti-inflamatório e antioxidante, revela estudo
  31. MPF recebe 614 ossadas de possíveis desaparecidos políticos
  32. Deslocamento com bicicleta caiu em São Paulo de 2007 a 2012
  33. Guia Alimentar propõe novo olhar sobre a alimentação
  34. O colapso dos grandes herbívoros
  35. Marcha das Margaridas: 32 anos depois, líder ainda influencia mulheres do campo
  36. Cientistas procuram por abelha invasora na América do Sul
  37. Julgamento no STF pode levar Brasil a descriminalizar porte de drogas
  38. Mais fogo e menos água
  39. As novas cores da (des)igualdade racial no país
  40. Escolas rompem barreiras e levam crianças para ocupar e aprender na cidade
  41. Férias. É hora de aprender
  42. Biometria adaptativa é novo modo de avaliar identidade
  43. Demência vascular é mais comum que Alzheimer em idosos
  44. Imigrantes: as brechas para o acolhimento
  45. Pesquisa busca resgatar espaço memorial do teatro paulistano
  46. Santos Dumont, o Pai da Aviação, sim, senhor!
  47. Avaliação positiva do governo Dilma caiu para 7,7% em julho, mostra pesquisa
  48. Estatuto da Igualdade Racial completa 5 anos com desafio de equiparar direitos
  49. Estudo analisa a pluralidade do espiritismo kardecista
  50. Aumento de tamanho da próstata é normal e tem tratamento
  51. Brasil pode ser pioneiro em defensivos agrícolas naturais
  52. Crianças iam para a cadeia no Brasil até a década de 1920
  53. Especialistas dizem que intolerância é principal causa de linchamentos no Brasil
  54. Como transformar crise em oportunidade?
  55. Fruto amazônico tem efeito anti-inflamatório contra câncer
  56. Reservatórios de água ajudam sertanejos a conviver com a seca
  57. Divergência marca visões sobre patrimônio histórico
  58. Raul Seixas: o mito faz 70 anos e permanece vivo 25 anos após a morte
  59. Imigrantes atuam como embaixadores do Brasil nos Estados Unidos
  60. País pode ter Justiça mais ágil com a mediação
  61. Cadê o chinelo? Chi-ne-lo! Cadê o chinelo?!
  62. O papa ofuscaria todos os demais na Cúpula da ONU
  63. Senado incorpora visão humanista à legislação para migrantes no país
  64. Conheça o mundo bizarro da visão
  65. Pioneirismo e modernidade em surdina
  66. Treino combinado atenua obesidade
  67. Sistema carcerário não atende a Lei de Acesso à Informação
  68. É a vez de proteger os oceanos
  69. Lei das Estatais pode preencher vazios legais da administração pública
  70. Ano Novo Chinês: conheça as tradições milenares que marcam a data
  71. Acordo com ditadura possibilitou eleição de Havelange à FIFA
  72. Gestão de áreas verdes em São Paulo apresenta falhas
  73. As cinco regras para líderes em experiência do cliente
  74. Integrado, ma non troppo
  75. O poder do boca a boca
  76. Especial 22/04/2015
  77. Especial 19/03/2015