Gastar menos energia é melhor ação contra aquecimento global

A meta internacional de manter o aquecimento global abaixo dos 2ºC pode não ser cumprida se o foco das ações for apenas na implantação de tecnologias de emissões negativas de carbono. Procurar gastar menos energia “suja”, como petróleo, carvão, e priorizar o uso eólico, solar e de biomassa são as melhores alternativas

 energia-eolica-videos temproario

Uso eólico priorizado e menos energia suja são melhores alternativas ao aquecimento.

Hérika Dias/Agência USP de Notícias

O alerta consta do estudo "Biophysical and economic limits to negative CO2 emissions", publicado no dia 7 de dezembro, na revista especializada Nature Climate Change. “As emissões negativas são tecnologias que permitem você remover da atmosfera o gás carbônico e outros gases do efeito estufa que já foram lançados na atmosfera”, explica o professor José Moreira, do Instituto de Energia e Meio Ambiente (IEE) da USP, coautor do estudo que foi liderado pelo professor Pete Smith, da Universidade de Aberdeen (Reino Unido).

A discussão de formas de conter o aquecimento global é importante, principalmente após a COP 21, na França. De 30 de novembro a 12 de dezembro, lideranças de 196 países do mundo discutiram um acordo mundial para conter o aquecimento global abaixo dos 2ºC até ao final do século. Esse limite de 2ºC foi acordado pela primeira vez em Copenhague, em 2009 e, depois, aprovado na Cúpula do Clima em Cancún, em 2010.

Segundo o professor Moreira, a preocupação dos cientistas é de que alguns políticos mundiais estejam “se esforçando pouco” em diminuir as emissões de gás carbônico, principal responsável pelo aumento da temperatura terrestre. “Isso pode ser consequência da crença de alguns dos tomadores de decisão em avaliações científicas de que se poderá usar, no futuro, tecnologias de emissões negativas de gás carbônico para evitar o aquecimento do planeta”.

Por isso, a pesquisa apresentada na Nature Climate Change demonstra os impactos das tecnologias de emissões negativas sobre o uso da terra, emissões de gases de efeito de estufa, uso da água, refletividade da Terra e esgotamento de nutrientes do solo, além dos requisitos de energia e de custos para cada tecnologia.

“A mensagem-chave do nosso estudo é que não devemos contar ainda com estas tecnologias não amplamente comprovadas para salvar nosso futuro. Em vez disso, cortes rápidos e agressivos nas emissões de gases de efeito estufa são necessários agora. A janela de oportunidade está se fechando rapidamente, por isso é imperativo obter um acordo global em Paris este mês para avançar nesse sério problema”, afirma Pete Smith. O professor da Universidade de Aberdeen disse ainda que as tecnologias de emissões negativas têm limitações significativas e é preciso investir em pesquisa e desenvolvimento para tentar superar essas limitações.

lampada temproarioMoreira destaca que são poucas as opções de tecnologias de emissões negativas. As abordadas no estudo foram: o florestamento e reflorestamento (plantar mais árvores para absorver gás carbônico), uso de produtos químicos para absorver gás carbônico do ar, aumento da produção de biocombustíveis (com a captura do gás carbônico liberado durante o seu processamento e, em seguida, armazenamento permanente abaixo do solo), trituração de rochas que, naturalmente, absorvem gás carbônico, espalhando-as sobre os solos para que elas removam o gás mais rapidamente.

O estudo aponta que muitas dessas ações podem ser inviáveis em grande escala e geram potenciais impactos ambientais, econômicos e de energia. Moreira dá o exemplo da produção de biocombustível com a captura do gás carbônico liberado durante o seu processamento e armazenamento abaixo do solo. Apesar de ser uma fonte alternativa e renovável para a produção de energia, o seu processo pode causar riscos que ainda não estão totalmente avaliados.

“O bioetanol utilizado no Brasil é um exemplo desse tipo de combustível. Se o bioetanol fosse adotado por todos os países, precisaríamos de uma quantidade enorme de cana-de-açúcar para atender a demanda e com isso deslocaríamos culturas alimentares, deixando de produzir milho, trigo e gerar um problema de não atender as necessidades básicas da população em relação à alimentação”, disse o professor, ele ainda ressalta que mais estudos são necessários para confirmar ou negar esses riscos.
Outra tecnologia de emissão negativa de carbono que possui limitações de uso são os produtos químicos para absorver gás carbônico do ar. “Existe a tecnologia, mas gasta-se muita energia para fazer isso, e se a fonte de energia for petróleo ou carvão, por exemplo, o processo é inútil, pois se tira gás carbônico e lança mais na atmosfera”, conta o professor.

“Nossa recomendação é de que continuem os esforços de mitigação, ou seja, de procurar gastar menos energia que não sejam sujas, do tipo eólica, solar e biomassa (como a cana-de açúcar) as quais agregam pouco gás carbônico na atmosfera, comparado com os combustíveis fósseis, porque não é confiável acreditar, nesse momento, que a ciência pode usar essas emissões negativas em grande escala no futuro”, complementa Moreira.

solar-ecod temproarioO efeito estufa é um fenômeno natural de aquecimento térmico da Terra, ele é ocasionado pela ação de gases que compõem a atmosfera (gás carbônico, metano, óxido nitroso, entre outros). Eles impedem que parte da energia do sol absorvida pela Terra durante o dia seja emitida de volta para o espaço e, assim, contribuem para a manutenção da temperatura média terrestre.

Entretanto a concentração natural desses gases está aumentando por causa da ação humana, como a queima de combustíveis fósseis — petróleo e carvão, por exemplo — e o desmatamento, que resultam no lançamento de mais gases na atmosfera, como o gás carbônico. O excesso desses gases na atmosfera faz com que parte dos raios solares não consigam voltar para o espaço, provocando uma elevação na temperatura de todo o planeta, o aquecimento global.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) da ONU, que conta com a participação de cientistas e técnicos para avaliar e relatar as variações climáticas e impactos ambientais, desenhou diferentes cenários para o aquecimento da Terra. Se nada for feito e o mundo continuar no caminho atual, poderá haver um aumento médio global da temperatura de 4ºC até ao final deste século.

Devido às emissões de carbono feitas até o momento, a temperatura média global subiu 0,85ºC. De acordo com o IPCC, esse pequeno aumento causou grandes impactos: quase metade das calotas polares do Ártico derreteram, milhões de hectares de árvores no oeste americano morreram devido a pragas relacionadas com o calor e os maiores glaciares no oeste da Antártida — com dezenas de milhões de metros cúbicos de gelo — começaram a se desintegrar.

Partículas da atmosfera amazônica são líquidas

Modelos climáticos globais não levam em conta particularidades da amazôniaValéria Dias/Ag. USP de Notícias

O estado físico das partículas da atmosfera amazônica são líquidas em 80% do tempo. Mas elas deixam de ser líquidas para se tornarem sólidas quando massas de ar vindas de Manaus contendo poluição urbana encontram essas partículas. É o que mostra um estudo publicado na revista Nature Geosciences, na edição desta segunda, 7 de dezembro. O trabalho também aponta para a necessidade de alteração dos modelos climáticos globais, pois eles são baseados na realidade das florestas boreais da Finlândia, no norte europeu, e não levam em conta as particularidades do bioma amazônico.
“Antigamente pensava-se que essas partículas eram sólidas e que as reações que elas participavam com os gases da atmosfera ocorriam entre o meio sólido e o gasoso. O fato de elas serem líquidas muda todos os mecanismos químicos de reação entre elas e os gases atmosféricos”, destaca o professor Paulo Artaxo, do Instituto de Física (IF) da USP e um dos coordenadores do estudo GoAmazon2014/15.
O trabalho contou com a participação de uma grande equipe envolvendo pesquisadores da USP, da Universidade de Harvard, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), da Universidade do Estado da Amazônia (UEA) e de outras instituições, e integra o Programa LBA — Experimento de Grande Escala da Biosfera-Atmosfera na Amazônia.
As partículas estudadas pelos cientistas são produzidas por compostos orgânicos voláteis: os monoterpenos e o isopreno. Eles são liberados pelas plantas naturalmente dentro do seu metabolismo, exercem um papel fundamental na regulação do clima da região amazônica e estão ligados aos mecanismos de formação de nuvens e no controle do balanço radioativo da atmosfera. O trabalho elucida, pela primeira vez, os mecanismos de formação dessas partículas, e seu estado sólido ou líquido.

Mais artigos...

  1. Revelando o turista-fotógrafo
  2. Cidades pretendem reduzir quase pela metade emissões de CO2 até 2020
  3. O Estatuto do Desarmamento sob ameaça
  4. Getúlio e Collor também passaram por processo de impeachment
  5. Políticas públicas também tratam a saúde como mercadoria
  6. Estudo indica que Zika vírus está cada vez mais eficiente para infectar humanos
  7. Padronizar tamanho de roupas é possível, mostra estudo
  8. Pesquisador investiga a privatização e a concentração de capital no ensino superior
  9. Desmatamento reduz tamanho de peixes em região amazônica
  10. Mobilização marca vida dos encarcerados nas prisões
  11. Decreto regulamenta publicidade de alimentos infantis
  12. Chá verde e cacau protegem contra complicações causadas por diabete
  13. Lei de drogas vem causando lotação no sistema penitenciário
  14. Paleontólogos descrevem anfíbio gigante de 260 milhões de anos
  15. O padre aviador
  16. Presídio paraibano ilustra realidade do cárcere no Brasil
  17. Às vésperas da Rio 2016, legado da Olimpíada ainda é incógnita
  18. Rota de ônibus é definida com base no conforto do passageiro
  19. Filmes levam discussão sobre cultura indígena para a escola
  20. Entenda o que é a microcefalia e porque há um aumento dos casos em Pernambuco
  21. Pesquisas na Argentina dão vantagem ao candidato da oposição Mauricio Macri
  22. Modelo de governança é adaptado para clubes de futebol
  23. Estudante precisará de carteira padronizada para pagar meia
  24. Filha de Carolina de Jesus diz que não conseguiu ler livro mais famoso da mãe
  25. Envelhecimento da população precisa ser priorizado nas políticas públicas
  26. Entenda as novas regras para aposentadoria
  27. Elefante no Cerrado exerceria papel que já foi de mastodontes
  28. Fórmula auxilia médicos a lidarem com pé diabético
  29. Trotes telefônicos podem custar R$ 1 bilhão por ano ao país
  30. Tecnologia 29/10/2015
  31. Pesquisadores criam métodos estatísticos para prever fraudes em operações financeiras
  32. As particularidades da linguagem humorística brasileira
  33. Pílula da USP usada em tratamento contra o câncer divide opiniões
  34. Como identificar infarto, AVC e angina
  35. Viagens longas propiciam uso de drogas por caminhoneiros
  36. Jogos Mundiais: com máquinas ainda trabalhando, indígenas se instalam em Palmas
  37. Religiosidade traz alívio para idosos em hemodiálise
  38. Pequeno agricultor minimiza efeito do agrotóxico à saúde
  39. Educação financeira e previdenciária deve e pode começar na infância
  40. Uma em cada quatro pessoas morre no mundo por causas relacionadas à trombose
  41. Aviação também é um negócio bizarro!
  42. Material particulado veicular predomina no nível de poluição
  43. Alunos com tendência antissocial buscam segurança na escola
  44. 15 motivos para amar/odiar a palavra “kamikaze”
  45. Brasil perde R$ 156,2 bilhões do PIB com a morosidade do trânsito em São Paulo
  46. Santos pode se tornar mais suscetível a inundações
  47. 01 de Outubro - Dia Mundial do Idoso: Como os idosos veem a saúde
  48. Tecnologia permite fabricação de gelo por meio da luz solar
  49. Sistema prevê a ocorrência de raios com 24 horas de antecedência
  50. 11 (+1) músicas que falam sobre aviões e aeroportos
  51. Dez dúvidas mais frequentes sobre o diabetes
  52. Prática de atividade física pelos pais pode proteger filhos da obesidade
  53. Práticas corporais são eficientes para a saúde coletiva
  54. Amostras de pescado apresentam conservação inadequada
  55. Postura errada pode levar a graves problemas de saúde
  56. Subfertilidade feminina: o que é e como tratar
  57. Deputados votam texto que altera Estatuto do Desarmamento
  58. Os 50 anos do TUCA – Teatro da Universidade Católica
  59. Estudo traça panorama da transição do Brasil para TV Digital
  60. Realidade de times femininos vai de atletas sem chuteiras a clubes bem equipados
  61. Não há limites para quem sonha em pilotar
  62. Mudanças climáticas causam alterações no comportamento de beija-flores
  63. Os sentidos do “jeitinho brasileiro” em nossa cultura
  64. Mulheres engravidam mais velhas e congelamento de óvulos cresce
  65. Metodologias propõem olhares diferentes para alfabetização
  66. Vacinas de terceira geração terão “vetores de DNA”
  67. Terapias complementares ajudam no combate à infertilidade
  68. Incor comprova eficácia de exercícios fonoaudiológicoas no combate ao ronco
  69. Anil é anti-inflamatório e antioxidante, revela estudo
  70. MPF recebe 614 ossadas de possíveis desaparecidos políticos
  71. Deslocamento com bicicleta caiu em São Paulo de 2007 a 2012
  72. Guia Alimentar propõe novo olhar sobre a alimentação
  73. O colapso dos grandes herbívoros
  74. Marcha das Margaridas: 32 anos depois, líder ainda influencia mulheres do campo
  75. Cientistas procuram por abelha invasora na América do Sul
  76. Julgamento no STF pode levar Brasil a descriminalizar porte de drogas
  77. Mais fogo e menos água
  78. As novas cores da (des)igualdade racial no país
  79. Escolas rompem barreiras e levam crianças para ocupar e aprender na cidade
  80. Férias. É hora de aprender
  81. Biometria adaptativa é novo modo de avaliar identidade
  82. Demência vascular é mais comum que Alzheimer em idosos
  83. Imigrantes: as brechas para o acolhimento
  84. Pesquisa busca resgatar espaço memorial do teatro paulistano
  85. Santos Dumont, o Pai da Aviação, sim, senhor!
  86. Avaliação positiva do governo Dilma caiu para 7,7% em julho, mostra pesquisa
  87. Estatuto da Igualdade Racial completa 5 anos com desafio de equiparar direitos
  88. Estudo analisa a pluralidade do espiritismo kardecista
  89. Aumento de tamanho da próstata é normal e tem tratamento
  90. Brasil pode ser pioneiro em defensivos agrícolas naturais
  91. Crianças iam para a cadeia no Brasil até a década de 1920
  92. Especialistas dizem que intolerância é principal causa de linchamentos no Brasil
  93. Como transformar crise em oportunidade?
  94. Fruto amazônico tem efeito anti-inflamatório contra câncer
  95. Reservatórios de água ajudam sertanejos a conviver com a seca
  96. Divergência marca visões sobre patrimônio histórico
  97. Raul Seixas: o mito faz 70 anos e permanece vivo 25 anos após a morte
  98. Imigrantes atuam como embaixadores do Brasil nos Estados Unidos
  99. País pode ter Justiça mais ágil com a mediação
  100. Cadê o chinelo? Chi-ne-lo! Cadê o chinelo?!