Névoas da ignorância

Benedicto Ismael Camargo Dutra (*)

A obscura situação mundial é preocupante. Os acontecimentos vão se atropelando gerando guerra de comunicações que, estão sobrepujando a objetividade.

Nesse meio, a população fica confusa, caindo num processo de entorpecimento que vai avançando e emperrando vários setores, pondo o futuro em risco de declínio geral. Falta consideração e equilíbrio nas relações humanas. As pessoas só querem receber, mas não querem retribuir. É o egoísmo, o individualismo e a arrogância de se julgar superior. O diálogo amistoso está se extinguindo.

A humanidade afastou-se dos propósitos fundamentais da vida. Com a indolência espiritual e falta de força de vontade para o bem tudo ficou subordinado à expressão máxima do materialismo, o dinheiro. Tudo vai emperrando no paredão da escassez de dinheiro. Falta união de esforços na busca de metas factíveis que criem um ambiente esperançoso. No Brasil, desde sempre falta seriedade na gestão.

Os poderes têm atuado de forma independente, cada um para si, e dessa forma o país e a população ficam abandonados por aqueles que deveriam zelar e promover a melhora das condições gerais de vida. Qual é o significado dos recorrentes processos de autorização de elevação do teto da dívida americana? A inflação nos EUA bateu em 6,8%: vão alterar os juros, ou adotar outros meios para o regresso da inflação? O congresso autorizou nova elevação do teto da dívida para US$ 31,4 trilhões (R$ 178,6 trilhões).

É problema deles, mas, de sua parte, o Brasil tem de pôr ordem na casa e os poderes devem buscar a melhora geral. Na pós-pandemia, a dívida global se agigantou ainda mais atingindo US$ 226 trilhões, ou 256% do PIB, e desponta como problema insolúvel nos modos econômicos atuais. Há que ser criada uma economia mais natural e que não fique à mercê dos detentores e controladores do dinheiro.

No Brasil, Argentina e outros, o desarranjo monetário e cambial é geral; isso vem se arrastando há décadas e nada foi feito para buscar o equilíbrio, além de aplicar aumento de juros e austeridade. Agora há murmúrios de que a hegemonia do dólar vai ser alterada, mas trocar de moeda não vai resolver os problemas estruturais criados pelo controle do dinheiro por grupos de interesses próprios despreocupados sobre o progresso efetivo da humanidade.

Fala-se em mudança geral, mas há os que querem manter tudo do jeito que está para assegurar seus privilégios. As guerras eram ditas como cirurgias radicais necessárias para restabelecer a vida saudável. Na realidade, eram campo para especuladores, contrabandistas, mercado negro, difamações, tortura, doenças, miséria e fome. Raros eram os verdadeiros heróis, libertadores da exploração das metrópoles.

O poder sobe à cabeça e depois não sai mais. Há uma briga pesada pelo poder sem que se saiba exatamente o que está acontecendo nos bastidores. Enquanto isso, o Brasil não está conseguindo reagir. Há muita teoria e pouco resultado. É preciso resolver os pontos de estrangulamento da economia brasileira com bom senso. Temos de produzir, gerar empregos, reduzir dívidas e dependência, evitar que decaiamos, na economia e em tudo o mais. Sem adequado preparo das novas gerações, que futuro poderemos alcançar?

Em dois milênios a humanidade não conseguiu construir um modo de vida sadio, equilibrado, em conformidade com as leis naturais, mas quis se sobrepor a tudo isso criando um modo de vida que foi se desnaturalizando para assegurar o poder. Mas hoje grande parte dos seres humanos vive de forma mecânica, afastada da essência da vida.

No século 21, obscurecido pelas densas névoas da ignorância, poucas pessoas ainda olham para as estrelas no céu e percebem a pequenez do ser humano diante da grandiosidade do desconhecido significado da vida. É preciso fortalecer a essência da alma que, ao sair da Terra, prossegue a sua jornada.

A nova doença mundial revelou que a humanidade não chegou ao nível que era esperado dela, afundando nas trevas dos erros, e acreditando que a vida é uma só, acabou perdendo contato com a Luz da vida. A humanidade precisa de muita ajuda, mas será que realmente quer ser ajudada para se movimentar e agir beneficamente na luz do dia?

(*) – Graduado pela FEA/USP, coordena os sites (www.vidaeaprendizado.com.br) e (www.library.com.br). E-mail: [email protected].

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap