80 views 5 mins

Biometria comportamental: a nova fronteira na luta contra fraudes

em Opinião
terça-feira, 13 de abril de 2021

Rodrigo Castro (*)

Para muitos, não é novidade que nossos passos na internet são frequentemente monitorados.

O documentário “O Dilema das Redes”, lançado no ano passado, mostrou como as redes sociais coletam e avaliam os seus usuários detalhadamente. Além dos cliques e likes, os comportamentos também são monitorados, tais como o tempo gasto em um post, a agilidade que cada um corre a sua timeline, a forma e a velocidade com que o dedo ou o mouse se deslocam, o movimento do celular e até mesmo a rapidez como se escreve os comentários.

Tudo isso é armazenado e avaliado, afinal de contas, como disse o CEO da Mastercard, Ajay Banga, os dados são o novo petróleo. O monitoramento do comportamento dos usuários e dos seus dispositivos tem nome: biometria comportamental. Agora, esta tecnologia está sendo usada como a última fronteira na prevenção e detecção de fraudes, que tradicionalmente sempre focaram na coleta e análise de informações cadastrais.

Dados como CPF, nome, e-mail, telefone, endereço, cartão de crédito, entre outros elementos, são confrontados com bases internas e bureau de informações e, por meio de regras de decisão ou algum modelo matemático de inteligência artificial, o risco da transação ou do usuário é gerado. Com os recentes vazamentos massivos de dados dos brasileiros, ficou mais fácil para o fraudador se passar por um cidadão comum e, por conta disso, burlar o sistema de detecção de fraude.

Além disso, com a nova Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), a coleta, a armazenagem e o tratamento de informações dos usuários passam a ser uma atividade cada vez mais arriscada. E é nesse ambiente que a biometria comportamental se destaca como a última fronteira na prevenção e detecção de fraude.

Atualmente, há processos em que o usuário, ao acessar plataformas digitais de empresas que já adotaram soluções de biometria comportamental, passa a ser analisado em relação ao seu comportamento durante o uso. São centenas de variáveis que formam uma identidade comportamental da pessoa.

No uso do aplicativo, por exemplo, o software captura o tipo do celular, nível de bateria, se há chip instalado, se ele está se movimentando durante o uso, se é novo, se há vários aplicativos instalados, como o usuário movimenta o dedo, a grossura do dedo e até mesmo a pressão do dedo na tela. Ou seja, todas essas detecções dificultam a ação de um fraudador que tenta emular esses comportamentos.

Outro diferencial de tecnologias como essa é a velocidade e precisão na detecção da fraude. Se por um lado os modelos atuais iniciam a análise da fraude após o envio dos dados pelo usuário, a biometria comportamental consegue detectar este comportamento antes mesmo do usuário informar os dados.

Isso significa que se um usuário realiza um comando de copiar e colar o seu nome, demora para digitar o seu próprio CPF ou para preencher o seu e-mail e outros dados pessoais, o modelo entende que o comportamento foge do padrão de um cliente comum e o aponta como um risco de ser um fraudador, o que antecipa as ações de bloqueio e, consequentemente, evita ações fraudulentas.

A vantagem dessa tecnologia quando falamos em privacidade e proteção de dados é que esse tipo de solução coleta apenas os dados comportamentais, então não há riscos de vazamento de dados pessoais ou de infração à LGPD.

Todas essas características fazem da biometria comportamental a última fronteira na prevenção e detecção de fraudes em plataformas digitais.

(*) – É diretor de Business Performance & Innovation na ICTS Protiviti, empresa especializada em soluções para gestão de riscos, compliance, auditoria interna, investigação, proteção e privacidade de dados.