Mais de 13 milhões de famílias pretendem adquirir um imóvel

O mercado imobiliário tem sido um dos condutores da economia brasileira. Estudo recorrente realizado pela Datastore traz novos números que comprovam o fortalecimento do setor nos meses de jan/fev de 2021. O substrato da intenção de compra para os próximos 12 meses apresentou estabilidade de 57% – o mesmo percentual de nov/dez de 2020 -, mas o número de interessados aumentou, já que houve acréscimo de famílias que desejam adquirir um imóvel nos próximos 24 meses.

Em todo o Brasil, mais de 13 milhões almejam comprar um imóvel residencial em até dois anos. “Destaque para a capital paulista, que atingiu o pico das intenções de compra da casa própria em 28% das famílias desde a renda acima dos 1,5 mil reais/mês até as mais altas. A última vez que isto aconteceu foi em 2016. Agora, em 2021, temos condições mais favoráveis, com os menores juros para o crédito imobiliário da história, e anseios das pessoas em relação ao novo uso dos imóveis em tempos de pandemia”, ressalta Marcus Araujo, CEO e fundador da Datastore.

Além da capital paulista, outras localidades também se destacam pelo alto percentual de desejo de compra, como o Rio de Janeiro (26%), Goiânia (26%), Florianópolis (25%) e Salvador (24%). O mercado imobiliário residencial do Brasil vem mantendo seu bom ritmo de crescimento. O aumento se deve, sobretudo, ao atual cenário econômico e social do país e à nova realidade mundial, considerando que uma grande parcela da população tem demonstrado anseio em adquirir um imóvel residencial, visando conforto e praticidade, principalmente, para instalarem o home office, muito utilizado em tempos de pandemia.

Como nem sempre uma reforma resolve o problema, comprar um novo imóvel pode ser a solução. “Outros motivos estão levando as pessoas a buscarem novos imóveis. Além das menores taxas de juros da história para crédito imobiliário, há insatisfação das pessoas com o imóvel atual, devido à necessidade de adaptação e a superconvivência em casa, com parentes, pets, durante o isolamento social, e a poupança em alta, para aqueles que mantiveram ou expandiram renda nesse período – provavelmente em razão de as pessoas estarem gastando menos com deslocamentos, festas, compras em shopping centers”, explica Marcus Araujo.

Hoje em dia, as mulheres já detêm a renda principal para a compra do imóvel em milhares de lares brasileiros. De acordo com o CEO da Datastore, levando em consideração a demanda imobiliária para faturamentos a partir dos R$ 1.500,00/mês até as mais altas, em 45% dos casos, são elas, as mulheres, as responsáveis pelo valor principal para a conquista do imóvel, por apresentarem maior renda – uma realidade para aproximadamente 6,1 milhões de famílias brasileiras. – Fonte e mais informações: (www.datastore.com.br).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap