Dinheiro na poupança é coisa do passado

Apesar da poupança ser o instrumento de investimento mais popular do Brasil, quem se informa o mínimo possível sobre finanças consegue entender que essa preferência não tem nada a ver com o seu resultado, visto que ano após ano, o retorno da aplicação em poupança tem ficado abaixo da inflação. Isso significa que o seu dinheiro está “perdendo valor de compra”, já que o preço para consumir os principais produtos básicos da economia cresceu mais do que o capital aplicado neste investimento.

Para Sílvio Azevedo (*), este quadro é péssimo. “Atualmente o Brasil tem muitas opções de investimentos tão seguras quanto a poupança e que oferecem um retorno muito maior. Infelizmente, a falta de informação sobre essas aplicações ainda deixa as pessoas persistirem neste erro. Apenas 5% dos ricos mantêm o seu dinheiro na Poupança, enquanto 70% da população pobre deixa o seu recurso praticamente parado lá”.

Certamente, a baixa rentabilidade é o que torna este tipo de investimento muito ruim em um país onde a desvalorização da moeda é constante. “Opções como o Tesouro Direto, que é a compra facilitada de títulos públicos, podem oferecer rentabilidade superior à poupança com a mesma segurança e liquidez compatível.. Ainda nesta linha, apenas ao comparar com o Tesouro, a poupança rende cerca de 6% ao ano, enquanto já existem títulos com praticamente o dobro de rentabilidade. Uma pessoa física pode comprar títulos a partir de valores baixos, como R$ 200,00”, citou o especialista.

Para sair de vez da poupança, o investidor precisa antes de tudo entender sobre a necessidade de diversificar. Para Sílvio, vale a pena variar as aplicações com ativos de maior potencial de retorno e também perfis mais moderados, isso distribui e reduz os riscos em mais de um tipo de investimento. “Não precisa saber tudo sobre o universo financeiro para começar a aplicar. A diversificação é importante na gestão de qualquer carteira individual. Começar aos poucos é um bom passo”.

Além disso, o FGC (Fundo Garantidor de Crédito), garante segurança ao seu dinheiro. Atualmente, este fundo assegura o investidor em até R $250 mil, para casos de quebra do banco que ele tenha dinheiro aplicado em determinados ativos. Azevedo ainda alerta que o investidor que abrir os olhos para a diversificação pode ainda ir para outros caminhos ainda melhores e até mais rentáveis, como as ações que pagam dividendos.

“Algumas boas empresas pagam bons dividendos, que são uma parcela do lucro apurado e distribuído aos acionistas. Se escolhidas de forma correta, tendem a render mais que a poupança. O investidor neste caso deve pesquisar mais sobre o histórico da empresa antes de começar. É um investimento que demanda um pouco de atenção e cautela”, observa. Ele acrescenta que a recompra de ações através do pagamento de dividendos é uma das estratégias mais rentáveis para o investidor de longo prazo, que pode ainda ganhar com a valorização desta empresa.

“Na dúvida procure sempre um educador financeiro para orientá-lo sobre as melhores formas de investimento. Você pode buscar uma consultora inicial para conseguir caminhar sozinho logo depois e aumentar cada vez mais os seus recursos”, sugeriu Silvio.

(*) – Administrador de empresas, com experiência no setor bancário e consultoria, especialista em educação financeira, é membro do Million Dollar Round Table, diretor e fundador da AZV Investimentos (azvinvestimentos.com.br).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap