Cunha defende saída de Temer da articulação política do governo

Divulgação
  • Save

As horas trabalhadas na produção caíram 0,5% no mês passado.

O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, disse que o vice-presidente da República, Michel Temer, tem que deixar a articulação política do governo assim que for concluída a votação de matérias sobre o ajuste fiscal. “Temer entrou para melhorar esta articulação política e está claramente sendo sabotado por parte do PT. Acho que deveria deixar a articulação política”, afirmou. Para ele, a articulação política do governo está cada hora indo para um caminho equivocado. “O PMDB deve ficar longe porque isto não está fazendo bem para o PMDB e, ao mesmo tempo, o governo, como está se comportando dentro da Casa, não está fazendo bem a ele”, concluiu.
As afirmações foram uma reação de Cunha às críticas de parlamentares que questionam votações polêmicas, como a que garantiu a aprovação da redução da maioridade penal a partir da votação de emendas. A Câmara aprovou, em primeiro turno, uma emenda substitutiva, praticamente idêntica ao texto derrubado no dia anterior (1º), e que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos para crimes hediondos, homicídio doloso e lesão corporal seguida de morte.
“Isso é choro de quem não tem voto, de quem está entrando em agenda que não é da sociedade. Não é a toa que o governo está indo para 9% de popularidade e está do mesmo tamanho de quem apoia a manutenção da idade penal”, disse Cunha. O ministro-chefe da Secretaria de Comunicação Social, Edinho Silva, disse que Temer tem “papel fundamental na governabilidade”. Ele se encontrou com Temer no gabinete da vice-presidência, e na saída, foi questionado por jornalistas sobre as afirmações de Cunha. De acordo com o ministro, o presidente da Câmara tem o direito de se posicionar e que na democracia é necessário respeitar as opiniões (ABr).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap