O ensino a distância na pandemia e uma visão sobre o futuro do ensino no Brasil

A vivência do ensino durante a pandemia trouxe nova perspectiva sobre a educação para os estudantes brasileiros. A experiência das aulas remotas, no modelo atual, está longe de agradar a maioria deles, evidenciando o anseio dos alunos por profundas mudanças no sistema educacional. Se o ensino a distância (EAD) já era uma realidade para muitos, pais, filhos e professoras precisaram viver uma nova forma de educação.

O estudo ‘Expectativas do Ensino no Brasil’, da Minds & Hearts, empresa da holding HSR Specialist Researchers, mostra 2/3 dos estudantes estão odiando a experiência.

O levantamento também percebeu que esses alunos passaram a ter novas expectativas com relação ao futuro ensino, como a criação de novos métodos de avaliação, melhor remuneração dos professores, maior interatividade nas aulas, participação dos pais no processo educacional, entre tantos aspectos.

Essas percepções ficam evidenciadas na pesquisa que teve como objetivo entender como os alunos veem o ensino nos próximos anos e o que eles mudariam se fossem responsáveis por melhorar a educação do Brasil, bem como estão percebendo as mudanças pelas quais a educação está passando. O estudo foi realizado com 1.099 alunos da rede pública e privada de todo o País, com idade entre 15 e 44 anos.

  • Save
Imagem: Pexels

Uma das principais expectativas – para 60% dos entrevistados – é o desenvolvimento de novos métodos de avaliação dos alunos que não sejam apenas provas convencionais. Mais da metade dos estudantes (60%) também afirma que seria importante se os professores fossem mais valorizados, principalmente pelo pagamento de melhores salários.

Para 56%, o caminho está em romper com o modelo mais convencional de aulas, mais interativas, com maior troca de ideias entre alunos e professores. Já para 52%, o ensino deveria contribuir com a conscientização social, promovendo mais ações para combater o racismo de qualquer espécie e esse mesmo percentual respondeu que melhoraria a capacitação dos professores e que integraria o ensino médio às experiências corporativas, aumentando a vivência para escolha de uma profissão.

Os entrevistados também acreditam que a participação dos pais na educação dos filhos, desde o começo dos estudos, pode fazer a diferença no seu desenvolvimento, no seu processo educacional, bem como pode contribuir para ampliar a sua visão de mundo: 82% reforçaram a relevância de acompanhar a vida escolar dos filhos desde o início. Já 85% acreditam que os pais deveriam estimular a leitura na infância e 74% acreditam que os pais deveriam incentivar os filhos a conviverem com diversidade de pessoas e pensamentos

O diploma universitário continua sendo muito valorizado para entrada no mercado de trabalho. Perguntados sobre a sua necessidade, 91% consideram que o diploma universitário é importante ou muito importante para entrada no mercado de trabalho. Somente 4% não acham relevante e 5% são indiferentes. Os alunos de escola pública são os que veem maior diferencial no diploma: 94% contra 84%.

  • Save
Imagem: Pexels

A pesquisa apurou que 62% dos que estão no ensino médio pretendem fazer Enem, entre janeiro e fevereiro do ano que vem, sendo que 45% apontaram como principal razão seria poder ter acesso a bolsas de estudos ou programa de financiamento. Fazer parte do Sisu, para ser selecionado por alguma instituição pública, foi a resposta de 31% dos entrevistados. Além disso, 24% afirmaram que iriam fazer somente para ter uma primeira experiência com a prova e não para entrar na faculdade.

A pesquisa ainda verificou a intenção de fazer algum curso complementar (nível técnico) ainda neste ano. Inglês ou outro idioma foi apontado por 45% dos entrevistados. A área de tecnologia e informática/tecnologia da informação é o desejo de 19%, seguida de gestão e negócio (13%) e design (9%). Para o próximo ano, 19% disseram que não pretendem fazer um curso técnico. Dos 81% que disseram sim, 44% também farão outro idioma.

A pesquisa também abordou como a pandemia da Covid-19 mudou o ensino de uma hora para outra. O isolamento social impôs muitas adaptações e uma das áreas com maiores mudanças foi a educação. Se o EAD já era realidade para alguns, pais, filhos e educadores precisaram viver uma nova forma de educação. O estudo revela que 66% dos estudantes estão odiando a experiência. Somente 8% das pessoas entrevistadas já estudavam remotamente, enquanto 90% conheciam apenas cursos presenciais. Agora, 47% dos estudantes passaram a ter cursos online, 17% por vídeo-aula, 16% fazem ambas as formas e 3% afirmaram ter aulas tanto online, com professor, quanto presencial.

No total, 13% disseram que estão com as atividades educacionais interrompidas. Quando perguntados se estão gostando ou não das aulas online, 66% confessaram que estão odiando ou curtindo quase nada. Interessante perceber que alunos de escolas públicas são os que reclamam menos do sistema remoto. O estudo também perguntou quais seriam as partes positivas da educação online. Para 29% dos entrevistados o destaque positivo fica por conta dos recursos de tecnologia utilizados. Além disso, didática/metodologia foram apontadas por 16% dos estudantes. Já 14% afirmaram que conseguem se concentrar mais, mesmo percentual dos que destacaram o preparo.

Em contrapartida, quando questionada a parte ruim, ficou evidente que as aulas online deixam a desejar. Para 45% dos pesquisados, esse modelo faz com que aprendam menos. Na opinião de 42%, o problema é a falta de concentração. Ademais, 40% reclamam do excesso de tarefas e 37% sentem falta das aulas práticas, incluindo laboratórios e educação física, entre outros aspectos. Nos casos de 36% dos estudantes, a dificuldade é não conseguir tirar dúvidas.

  • Save
Imagem: Pexels

Na avaliação do aprendizado, 67% revelaram estar aprendendo menos do que antes da pandemia. De acordo com 20% está igual e 9% acreditam que aprenderam mais nesse período. Adicionalmente, o levantamento questionou sobre o modelo ideal de ensino depois da pandemia. Entre os entrevistados, 47% gostariam que não existissem aulas online/EAD e 46% esperam um modelo híbrido, com aulas online e presenciais.

“Todos fomos lançados em um novo patamar, em um novo momento econômico e social e isso não foi diferente para escolas, estudantes, educadores e pais de alunos. Este novo momento deixou ainda mais evidente as fragilidades do sistema educacional e a urgência da realização de mudanças, assim como convida todos os elementos da cadeia educacional a iniciarem um diálogo mais produtivo e transformador com a sociedade. Muitas oportunidades apresentam-se neste novo momento para o setor educacional e deixá-las passar seria interromper uma evolução que está sendo demandada”, conclui Naira Maneo, sócia-diretora da Minds & Hearts e responsável pelo estudo.

Fonte e mais informações: (http://mindsehearts.com.br/).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap