104 views 3 mins

Agricultura: 18 mercados já adotaram algum grau de restrição à carne brasileira

em Manchete Principal
quinta-feira, 23 de março de 2017
O Ministério da Agricultura divulgou nota recebida dos EUA afirmando que o mercado está aberto à carne.

O Ministério da Agricultura divulgou nota recebida dos EUA afirmando que o mercado está aberto à carne.

Levantamento divulgado ontem (23), pelo Ministério da Agricultura mostra que 18 mercados já adotaram algum grau de restrição à entrada da carne brasileira após a Operação Carne Fraca, da Polícia Federal. Outros quatro mantiveram o mercado aberto mas intensificaram a fiscalização e três apenas enviaram pedidos de informação.
Os dados mostram que o foco de preocupação do ministério permanece. Hong Kong e China seguem sem permitir o desembaraço aduaneiro das cargas de carne e derivados que chegam ao País. Além desses dois, suspenderam temporariamente suas importações: Chile, Argélia, Jamaica, Trinidad e Tobago, Panamá, Qatar, México, Bahamas e São Vicente de Granadina.
Por outro lado, dois importantes mercados, o Japão e a União Europeia, suspenderam as compras apenas dos frigoríficos alvo da operação. Também estão nesse grupo a África do Sul, a Suíça, a Arábia Saudita, o Canadá e o Egito. Os Estados Unidos mantiveram seu mercado aberto ao produto brasileiro, apenas reforçando os controles. A mesma coisa fizeram o Vietnã, a Coreia do Sul e a Malásia.
A Rússia, outro grande comprador de carne brasileira, enviou apenas um pedido de informações. Também fizeram isso: Israel e Barbados. Mesmo os mercados que continuam abertos não estão recebendo carne das plantas alvo da operação. Por decisão do governo brasileiro, esses frigoríficos não têm recebido licenças de exportação.
O Ministério da Agricultura divulgou também uma carta recebida da embaixada da Palestina no Brasil. Ela informa que o Ministério da Economia Nacional da Palestina confirmou que as carnes provenientes do Brasil estão “em bom estado e não representam nenhum perigo para a saúde dos consumidores.
Uma nota dos Estados Unidos, datada de quarta-feira (22), trata de medidas adicionais para garantir a segurança da carne importada do Brasil. Os EUA não suspenderam a compra do produto, mas apertaram a fiscalização.
A nota diz que nenhuma das plantas envolvidas no “escândalo” da operação Carne Fraca enviou carne para lá. Ainda assim, o Serviço de Segurança Alimentar e Inspeção (FSIS, na sigla em inglês) intensificou a fiscalização das mercadorias no porto. “A agência vai manter indefinidamente a reinspeção e testes patogênicos de 100% de todos os lotes de produtos regulados importados do Brasil” (AE).