79 views 3 mins

Uma saída estratégica para empresas em crise

em Mais
sexta-feira, 19 de abril de 2024

A recuperação judicial, recurso que é visto muitas vezes como última esperança para empresas em dificuldades financeiras, é um mecanismo legal que permite a reestruturação de dívidas e a continuidade das operações empresariais.

Cícero Alencar, advogado e especialista em processos como este, ajuda-nos a entender seu funcionamento, benefícios e a importância do acompanhamento por um profissional experiente, fundamental para navegar por este processo complexo.

  • Como funciona a recuperação judicial? – A recuperação judicial inicia-se pelo pedido da empresa ao judiciário, com a demonstração detalhada da crise econômico-financeira que enfrenta e as condições de superação.

Uma vez aceito o pedido, a empresa recebe um período de suspensão de todas as ações e execuções contra ela, conhecido como “stay period”, que segundo o instituto de insolvência da PUC de São Paulo, leva em média 520 dias. Durante esse tempo, a empresa e os advogados contratados devem apresentar um plano de recuperação, que será submetido à aprovação dos credores.

  • Benefícios da recuperação judicial – A principal vantagem da recuperação judicial é a possibilidade de a empresa continuar em operação, mantendo empregos e gerando receitas. Além disso, permite uma renegociação das dívidas em condições que refletem a capacidade atual de pagamento da empresa, podendo incluir descontos, prazos estendidos para a empresa voltar a crescer.
  • A importância do acompanhamento profissional – O processo de recuperação judicial é complexo e exige um profundo conhecimento das leis e regulamentações envolvidas. Por isso, o acompanhamento por um profissional experiente é indispensável. Esse especialista não apenas guia a empresa através dos trâmites legais, mas também auxilia na elaboração de um plano de recuperação viável e na negociação com credores.

Um advogado ou consultor com experiência em recuperação judicial pode fazer a diferença entre o sucesso e o fracasso do processo. A recuperação judicial não deve ser vista como um fim, mas como um meio para reestruturar e salvar uma empresa da falência.

É uma oportunidade para reorganizar as finanças e planejar o futuro com uma base mais sólida. Contudo, sua complexidade e as implicações para o futuro da empresa requerem um acompanhamento especializado – Fonte: (https://ciceroalencaradvogado.com.br/).