79 views 6 mins

Lazer e Cultura 15/04/2016

em Lazer e Cultura
quinta-feira, 14 de abril de 2016

O julgamento

Cena de Doze Homens e Uma Sentença.

O Grupo TAPA remonta a sua celebrada peça “Doze Homens e Uma Sentença”

A peça apresenta o julgamento de um jovem norte-americano acusado de matar o próprio pai a punhaladas. Em um fervoroso exercício de argumentação, os 12 jurados devem decidir se o réu deve ser mandado para a cadeira elétrica. O elenco conta com a participação de Adriano Bedin, Augusto Cesar, Brian Penido, Bruno Barchesi, Fernando Medeiros, Gustavo Trestini, Ivo Muller, Manolo Rodrigues, Norival Rizzo, Rafael Golombek, Ricardo Dantas, Rodolfo Freitas e Zécarlos Machado. Escrito por Reginald Rose como um programa televisivo, o roteiro de “Doze Homens e uma Sentença” ganhou duas adaptações para o cinema. A mais famosa delas, de 1957, foi dirigida por Sidney Lumet e trazia Henry Fonda no elenco.

Serviço: Teatro Aliança Francesa, R. General Jardim, 182, Vila Buarque. Quintas e sextas às 20h30. Ingressos: R$50 e R$25 (meia). Até 06/05.

REFLEXÃO

ROGATIVA DO PEDREIRO: Senhor!…. Entre estacas e pedras, tijolos e prumos, deste-me a profissão com que me abençoas. Agradeço o privilégio do trabalho e a remuneração que me sustenta, no entanto, deixa que te enderece todo o meu reconhecimento pelas lições com as quais me honras todos os dias. Aprendo agora que não há construção correta sem plano adequado. Vejo mais, Senhor! A todo instante observo a necessidade da disciplina. Sem as pedras obedecendo aos imperativos do peso, sem que as vigas se mantenham no lugar que lhes é dado, sem que os tijolos se amparem uns aos outros e sem que os prumos funcionem indicando o equilíbrio, nenhum edifício nobre se levanta a fim de oferecer segurança à criatura ou monumentalizar o gênio do Homem!… Faze-me sentir que o mesmo ocorre em minha vida particular!… Induze-me a aceitar as leis da ordem e da cooperação por bases da felicidade que aspiro a alcançar. E auxilia-me, Senhor, a viver na obediência construtiva, para que eu possa ser realmente útil em tua obra. (De “Sentinelas da Alma”, de Francisco Cândido Xavier, pelo Espírito Meimei)

Popular

Cátia de França

Três grandes vozes, três sotaques diferentes e um só palco: assim vai ser o show “Cancioneiras. O espetáculo reúne Anelis Assumpção, Cátia de França e Alessandra Leão em um show inédito que coloca sob os holofotes o protagonismo feminino na música brasileira. Pela primeira vez, as três se revezarão no palco em formatos de solo, duos e trio para cantarem canções próprias e umas das outras. A inspiração de Cancioneiras veio de nomes como Chiquinha Gonzaga e Dolores Duran, que deixaram sua marca nos sons e ritmos da canção popular. Já as três cantautoras reunidas neste espetáculo são representantes de uma música brasileira mais moderna, mas tão inventiva quanto.

Serviço: Teatro do Sesc Belenzinho, R. Padre Adelino, 1000, Tatuapé. Sábado (16) às 21h. Ingressos: R$ 25 e R$ 12,50 (meia).

Ballet

A Russian State Ballet é considerada uma das companhias de dança mais respeitadas da Rússia. E tem uma unica apresentação na cidade.

Serviço: Casa Tom Brasil, R. Bragança Paulista, 1281, Santo Amaro, tel. 4003-1212. Domingo (24) às 19h. Ingressos: de R$ 120 a R$ 240.

Malandro

malandro temproario

Um Fulano de Tal, que veio das quebradas, se traveste de malandro, daí ele samba e compartilha com o público ideias a partir de um olhar para a vida como sendo um musical e suas memórias em ser negro e gay na periferia da grande cidade. “Ópera Tosca” lança mão da música, do samba, da dança e da poesia como busca para viver e sobreviver no convívio com tantos fulanos. Este Fulano de Tal empresta poesias de Vinícius de Morais a seu vizinho de bairro, Binho. Dizeres de figuras como Oswald de Andrade e Tolstói. Músicas de quem admira, nas vozes de quem admira. Reflexões vindas de estudos sobre textos de Milton Santos, Antonio Negri, Michael Hardt. E a necessidade de amarrar tudo isto numa dramaturgia que outro fulano resolveu amarrar, dirigir e encenar.

Serviço: CEU Inácio Monteiro, R. Barão Barroso do Amazonas, S/N, Cohab Inácio Monteiro. Sábados (16) às 16h. Entrada franca.

Progresso

A nova montagem do grupo mineiro Quatroloscinco, Teatro do Comum, Ignorância estreia dia 22 de abril. No espetáculo, o grupo retoma a criação autoral como motor do trabalho. Na peça dois atores constroem diversas situações, ligadas por um jogo com trinta cadeiras de madeira espalhadas pelo palco. As cenas, ora ironicamente cômicas, ora dramáticas, criam reações contrastantes frente à ignorância humana e a obsessão pelo progresso civilizatório. Com Rejane Faria e Ítalo Laureano.

Complexo Cultural Funarte São Paulo, Al. Nothmann, 1058, Campos Elíseos, tel. 3662-5177. Sextas e sábados, às 21h e domingos, às 20h. Ingressos: R$ 20 e R$ 10 (meia). Até 08/05.