ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

J. B. Oliveira

Uma estratégia de mãe

 

 

                                                                                                                                                           * J. B. Oliveira

 

 

“Estratégia. 1. Arte militar de planejar e executar movimentos e operações de tropas, navios e/ou aviões, visando a alcançar ou manter posições relativas e potenciais bélicos favoráveis a futuras ações táticas sobre determinados objetivos. (...) 3. P. ext. Arte de aplicar os meios disponíveis com vista à consecução de objetivos específicos”. (Novo Dicionário Aurélio da Língua Portuguesa).

É impressionante o que uma mulher pode fazer por amor! Quando ama, nada se torna obstáculo intransponível para ela. De sua fragilidade, emergem forças físicas, morais e espirituais inimagináveis! De modo especial, a mulher-mãe! Ao dizer isso, vem-me à mente a figura de minha própria mãe.

Media apenas um metro e cinquenta centímetros (eu lhe dizia que tinha a estatura exata de uma fita métrica...). Era, além disso, bem magra, pesando não muito mais que 50 quilos... Entretanto, foi gigante em toda sua vida. Aos 17 anos de idade, casou-se com meu pai e, ao longo de 58 anos – até ele falecer – acompanhou-o em todas as suas muitas e pesadas lutas.

Ele foi um dos desbravadores do então sertão do extremo oeste de São Paulo, onde hoje se localiza uma metrópole chamada Presidente Prudente, que conta com cerca de 210.000 habitantes, e é o polo econômico e sociocultural da Alta Sorocabana. Entretanto, tudo era sertão quando ali chegaram. Tanto isso é certo, que a primeira emissora de rádio instalada no município – a PRI-5 – tinha por slogan “A voz do sertão”!

Fui o nono de seus dez filhos. E todos recebemos sua orientação, seu cuidado e sua rigorosa disciplina. Ninguém falava, aliás, sequer imaginava, um palavrão... Foi com ela que aprendi a ler a Bíblia, hábito salutar que mantenho até hoje.

Mas não é à minha mãezinha, já há anos “no andar de cima” que se refere esta crônica, mas sim a alguém que viveu muitos séculos antes dela. Chamava-se Joquebede, nome hebraico que significa “Jeová é glória” (Yoháved). Era esposa de um homem da tribo de Levi, chamado Anrão. À época desta história, os hebreus estavam no Egito. Haviam ido para lá 400 anos antes, levados por José, que era o governador daquele país, a que chegara como escravo! Entretanto, tornara-se o homem mais forte do Egito, onde o denomiram “Zafenate Paneá”: o salvador do mundo...

Contudo, com o passar de muitas gerações, a situação dos hebreus mudou. Os privilégios e estima de que gozavam no início, converteram-se em cruel e pesada escravidão. Isso porque haviam-se tornado mais numerosos do que os egípcios, e faraó temia que, em caso de guerra externa, eles se aliassem aos inimigos. Para conter seu crescimento, faraó determinou que todos os recém-nascidos de sexo masculino fosse mortos.

Então, no lar de Joquebede, nasce Moisés. Apesar da ordem de faraó, ela o oculta por três meses, após o que isso se torna difícil e arriscado para toda a família. É quando seus coração e mente de mãe engendram um plano original: faz um cesto de vime, impermeabiliza-o com betume, deposita nele o bebê, e o coloca no rio, no ponto em que a filha de faraó se banhava com suas aias... Claro que – sendo mulher – ela sentiu curiosidade em saber o que havia ali.

Vê, então, chorando, um bebê dos hebreus, muito bonito. Nessa hora, complementando o plano, surge Miriam – irmã de Moisés – e diz: “queres que eu chame uma ama das hebreias para que crie este menino para ti?”. Com a concordância da princesa, ela traz Joquebede, a quem a princesa diz: “Leva este menino, e cria-o para mim; e eu te darei teu salário”.

Pronto! A estratégia funcionou perfeita e abençoadamente: Joquebede salva seu filho, cria-o a seu modo, e ainda recebe salário por isso.
E é esse menino Moisés – o “salvo das águas” – que vai se tornar o libertador e o maior líder de seu povo.

www.jboliveira.com.br – O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

Mais artigos...

  1. "Me divirto tudo que tenho direito"
  2. Elas têm mais memória do que eles?
  3. Dá para ensinar Oratória em UM DIA?
  4. Onde começam as diferenças
  5. QI x QE
  6. Síncope no Judiciário
  7. Uma mesma lição: em São Tiago e na natureza...
  8. O médium e o monstro
  9. Até tu, Waze?
  10. Palavras da mais sábia das mulheres: a mãe!
  11. Matrimônio... ou Patrimônio?
  12. Os mais imbecis e insensíveis dos homens!
  13. “Brasil acima de tudo; Deus acima de todos”!
  14. Antes de ligar a boca...
  15. Estelionato conjugal!
  16. O GRUPO DE CRISTO
  17. Intuição existe mesmo? E... funciona?
  18. Você se comunica em branco e preto?
  19. Pasmem: o ser humano está deixando de existir!
  20. Será que fui claro?
  21. Onde, mesmo, começa a comunicação?
  22. A redação da filhinha do ministro de Brasília...
  23. Aí vão mais frases mal...ditas!
  24. Da “Voz do Povo” à Imprensa Oficial do Estado...
  25. Mais frases mal...ditas!
  26. Qual é a forma correta: havia ou haviam?
  27. Porque os Homens não estão mais amando as Mulheres!
  28. Por que os homens dizem e as mulheres falam...
  29. AFILANDO AS FILAS!
  30. Direito de resposta
  31. Uma frase mal...dita!
  32. “Caso consigam serem os mais votados...”
  33. “O amor é forte como a morte”.
  34. Novos tempos na Política?
  35. O QUE SE ESPERA DO ADVOGADO
  36. “Eu quero é rosetar...”
  37. A importância histórica da Grafotécnica e Documentoscopia
  38. Sociedade Amigos da Cidade e o Zoneamento Urbano
  39. Influências americanas na língua italiana...
  40. Conteúdo e Forma
  41. “Toda a mulher sábia edifica a sua casa”
  42. Licitude, Moral, Ética... e algo mais!
  43. Silêncio...
  44. Verbos diferentes para seres diferentes...
  45. E “O homem do tempo”, heim?
  46. Ela o chamou pelo nome completo? Hum...!
  47. EDUCAÇÃO: OBJETIVOS E RECURSOS. E NOSSA REALIDADE
  48. O turismo descollorido
  49. Haviam ou havia?
  50. Entendeu? ... Ou quer que eu desenhe?
  51. “Aquele acentozinho enjoado chamado crase...”
  52. “O pior cego é o que não quer ver”
  53. “Fale agora ou cale-se para sempre...”
  54. “...muitas pessoas que sofrem de depressão sentem-se melhores...”
  55. É um momento 'onde' só a acusação tem vez e tem voz
  56. “Esse corretor mais atrapalha do que ajuda”!
  57. Línguas parecidas...I
  58. Os pronomes possessivos. E o comportamento dos filhos
  59. Comunicação visual: o que elas fazem. E eles não entendem...
  60. O JOVEM E A EDUCAÇÃO : UM BINÔMIO CRÍTICO
  61. Jerry Lewis, Ruy Castro e Amar e gostar...
  62. A prolixidade castigada...
  63. Pó... ou Vida?
  64. “20% das mais de 18 milhões de moedas...”
  65. Codificação e decodificação
  66. Grama: no jardim ou na balança?
  67. Uma arroba de história...
  68. Um sério RUÍDO na comunicação interpessoal...
  69. Alternativas. Na aviação e na Oratória...
  70. HÁ 39 ANOS...
  71. IMPROVISO!
  72. Recordar é viver...
  73. Variações do mesmo tema ...
  74. SAUDOSISMO... E CIVISMO!
  75. Afinal, é Este ou Esse?
  76. É PÁSCOA. ONDE ESTÃO O COELHINHO E OS OVOS?
  77. A EDUCAÇÃO E A ÉTICA
  78. Que palavra usar: Humanização ou Fragilização da lei?
  79. Comunicação e Relacionamento Humano
  80. Línguas parecidas
  81. Duas fases da PALAVRA no grupo de Cristo
  82. DUAS PERGUNTAS PERTINENTES. E PREOCUPANTES
  83. No princípio era o Verbo
  84. O PODER DA IMPRENSA LIVRE
  85. A EDUCAÇÃO E A IMPRENSA
  86. EM ORATÓRIA, É PRECISO ESTAR SEGURO!
  87. PLEONASMOS: ESCRACHADOS, DISSIMULADOS E SUTIS...
  88. Travas e entraves da comunicação
  89. A vírgula... ah! a vírgula!
  90. BENEFÍCIO, PREVIDÊNCIA E PROVIDÊNCIA...NA GRAMÁTICA
  91. DELITOS NOVOS versus LEIS ANTIGAS...
  92. Uma palavra para ser usada... com cuidado!
  93. Juizeco e Chefete...
  94. UM POUCO DO DESCALABRO EDUCACIONAL
  95. O xis da questão...
  96. Inibição! Como e porque surge!
  97. COMO ANDA SUA ORATÓRIA FAMILIAR?
  98. PREMEIO ESSE EXCECIONAL SECTOR, SEM DECECIONAR NEM INDEMNIZAR!
  99. OS DOZE TRABALHOS DE...HÍFEN!
  100. COMO É QUE É MESMO?

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171