ISSN: 2595-8410 Contato: (11) 3043-4171

Recuperação de reservatórios vai demorar mesmo que chova forte em 2015

A situação dos reservatórios do Sudeste é pior do que a registrada em 2014.

A escassez atípica de chuvas e a cada vez mais frequente concentração da população em grandes centros urbanos são fatores determinantes para a falta de água enfrentada nos últimos meses, em regiões como o Sudeste e o Nordeste

A afirmação é do diretor do Departamento de Recursos Hídricos do Ministério do Meio Ambiente, Marcelo Medeiros, em audiência pública sobre o assunto, no Senado. Ele ressaltou que no Sudeste, por exemplo, não há registro de secas tão fortes como as de 2013 e 2014 . “Até 2013 dizíamos que o pior ano do Sudeste era 1953. Hoje em dia o patamar mudou, é 2014. E o ano de 2015 começou pior que 2014, em fevereiro e março subiu a vazão [das represas que abastecem a região], só que estamos em junho e as vazões continuam menores do que em 1953”.
Medeiros ressaltou que a recuperação dos reservatórios deve “levar alguns anos” mesmo que chova muito no final do ano. Explicou que o adensamento populacional concentra o consumo em um determinado ponto o que compromete a qualidade da água. O lançamento de esgoto e de lixo industrial nas fontes de abastecimento agrava ainda mais a situação, destacou. O coordenador nacional do Programa Uma Terra e Duas Águas, Antônio Gomes Barbosa, alertou para o desperdício da água e a necessidade de desenvolvimento tecnológico que permita aproveitar a água das chuvas.
“Existe um desperdício muito grande de água. Não adianta discutir apenas a ideia das fontes, mas a questão do desperdício como na lavagem de carros, com a bacia de descarga dos sanitários. Precisamos colocar em debate formas de guardar e usar a água das chuvas que pode ser usada inclusive nesses casos de lavagem de carro”, disse Antônio Gomes.
O assessor especial do Ministério da Pesca, Luiz Alberto de Mendonça, destacou o fato de as mudanças climática terem impactado a aquicultura. Esse problema decorre da influência do aquecimento global sobre os oceanos. Ele defendeu a necessidade de pesquisas para melhorar o aproveitamento da água. “Temos que ampliar investimentos em ciência, tecnologia e inovação para aproveitar a água para consumo humano, para adubagem de lavouras e também na produção de pescado” (ABr).

População carcerária do Brasil cresce 74% em sete anos

Levantamento mostra que 38% dos presos ainda não foi julgada.

A população prisional no Brasil cresceu 74% entre 2005 e 2012. Em 2005, o número de presos no país era 296.919. Sete anos depois, passou para 515.482 presos. A população prisional masculina cresceu 70%, enquanto a feminina aumentou 146% no mesmo período. Em 2012, aproximadamente um terço dos presos estava encarcerado em São Paulo. De acordo com o levantamento, 38% dos presos estão sem julgamento.
Pelo menos 61% deles foram condenados e 1% cumpre medida de segurança. Entre os condenados, 69% estão no regime fechado, 24% no regime semiaberto e 7% no regime aberto. “Quase metade (48%) dos presos brasileiros recebeu pena de até oito anos. Num sistema superlotado, 18,7% não precisariam estar presos, pois estão no perfil para o qual o Código de Processo Penal prevê cumprimento de penas alternativas”, cita o texto.
Os dados estão no estudo Mapa do Encarceramento: os Jovens do Brasil, divulgado pela Secretaria-Geral da Presidência. O levantamento foi feito pela pesquisadora Jacqueline Sinhoretto com base nos dados do Sistema Integrado de Informações Penitenciárias (InfoPen). Segundo o estudo, o crescimento foi impulsionado pela prisão de jovens, negros e mulheres.
Cerca de 13 estados tiveram crescimento acima da média nacional. Em Minas, segundo estado em população encarcerada, com 45.540 presos em 2012, o número de presos cresceu 624%. Isso se deve a programas que visam a repressão qualificada aos crimes contra a vida e a presídios privatizados instalados no estado. O Rio Grande do Sul teve o menor crescimento, de 29%.
“A análise conjunta das taxas de encarceramento e das taxas de homicídio por estado indica que prender mais não necessariamente reduz os crimes contra a vida, porque as políticas de policiamento enfocam os crimes patrimoniais e de drogas”, aponta o relatório. Os crimes contra o patrimônio e relacionados às drogas são os mais comuns, segundo o estudo. Somados, atingem cerca de 70% das causas de prisões. Crimes contra a vida responderam por 12%. Segundo o relatório, isso indica que o policiamento e a Justiça criminal não têm foco nos crimes “mais graves” (ABr).

Rendimento médio do trabalhador ficou estável

O rendimento médio habitual do trabalhador ficou em R$ 1.855 no trimestre encerrado em abril, segundo dados divulgados pelo IBGE. O valor é 0,5% inferior ao observado no trimestre encerrado em janeiro e 0,4% menor do que o registrado em abril do ano passado. O IBGE, no entanto, considera essas quedas estatisticamente insignificantes.
A massa de rendimento dos trabalhadores ficou em R$ 165,46 bilhões no trimestre encerrado em abril deste ano, valor considerado estatisticamente estável em relação a janeiro deste ano e a abril do ano passado. O rendimento médio ficou estável tanto entre os empregos com carteira assinada quanto entre aqueles sem carteira assinada.
Entre os grupamentos de atividade, na comparação com janeiro só houve queda nos transportes (-4,7%): os demais ficaram estáveis. Na comparação com abril do ano passado, houve recuos nos segmentos de alojamentos (-5,4%) e construção (-6,5%). Os demais ficaram estáveis nesse tipo de comparação (ABr).

Interpol emite alerta para prisão de um brasileiro e 5 estrangeiros

Interpol temporario

A pedido da Justiça dos Estados Unidos, a Interpol emitiu um alerta internacional para a prisão de dois ex-dirigentes da Fifa e quatro executivos acusados de extorsão, conspiração e corrupção. Entre os procurados está o brasileiro José Margulies, dirigente da empresa Valente Corp. e Somerton.
Os dois ex-dirigentes da Fifa procurados são o ex-vice-presidente Jack Warner, de Trinidad e Tobago, e o ex-membro do Comitê Executivo da entidade Nicolás Leoz, do Paraguai. O argentino Alejandro Buzarco, dirigente da empresa de marketing esportivo Torneos y Competencias, também está na lista, que inclui ainda seus compatriotas Hugo Jinkis e Mariano Jinkis, dirigentes da empresa Full Play Group S.A, do mesmo ramo.
O alerta serve para avisar aos países-membros da Interpol que as pessoas listadas são procuradas pela justiça de algum país e devem ser extraditadas. No comunicado, a Interpol informa que seu papel é o de ajudar na identificação e localização dos procurados e que não pode obrigar os países a efetuar as prisões. Chamado de Red Notice (alerta vermelho), o alerta não tem força de mandado de prisão internacional (ABr).

Proibida a venda de três marcas de suplemento vitamínico

A Anvisa proibiu a importação, a distribuição e a comercialização do produto suplemento de cafeína para atletas da marca Green Coffee Beads, fabricado por Arnold Nutrition e importado e distribuído por Nutribands. De acordo com o texto, foi comprovada divulgação irregular do produto por meio do site da empresa, onde são atribuí­das propriedades terapêuticas e medicamentosas não permitidas pela legislação, como queima de gordura, ação termogênica e bloqueio da gordura.
Foi proibida também a fabricação, a distribuição e a comercialização do produto suplemento vitamínico e mineral da marca No Xplode, fabricado por Probiótica Laboratórios. Segundo a Anvisa, o produto apresenta em sua composição cálcio arginato e magnésio arginato, substâncias cuja segurança não estão comprovadas perante a vigilância sanitária.
A agência proibiu ainda a fabricação, a distribuição e a comercialização do produto suplemento vitamínico e mineral da marca Monster Extreme Black, fabricado por Probiótica Laboratórios. De acordo com a agência, o produto apresenta em sua composição magnésio arginina quelato e cálcio arginina quelato, substâncias cuja segurança não estão comprovadas perante a Anvisa (ABr).

 
 
 
 
 
Mais Lidas

Strict Standards: Only variables should be assigned by reference in /home/storage/0/5e/4e/jornalempresasenegoc/public_html/modules/mod_sp_facebook/mod_sp_facebook.php on line 84

Rua Vergueiro, 2949, 12º andar – cjto 121/122
04101-300 – Vila Mariana – São Paulo - SP

Contato: (11) 3043-4171