105 views 11 mins

Geral 30/11/2016

em Geral
terça-feira, 29 de novembro de 2016
chapecoense-1024x673-238x178 temproario

chapecoense-1024x673-238x178 temproario

Desastres aéreos que chocaram o futebol

Na tragédia de Superga, o avião com o time do Turino se chocou com o muro da Basílica da cidade.

Acidentes aéreos com clubes de futebol, como o sofrido pela delegação da Chapecoense na última segunda-feira (28), são raros e não aconteciam havia mais de 20 anos

Veja abaixo alguns dos desastres que marcaram a história do esporte mais amado do mundo:

Torino – Em 4 de maio de 1949, o avião que levava os jogadores do melhor Torino de todos os tempos se chocou contra a Basílica de Superga, em Turim, matando todas as 31 pessoas a bordo. Apelidada de “Grande Torino”, aquela equipe conquistou cinco títulos italianos na década de 1940 (1943, 46, 47, 48 e 49) e era a base da seleção italiana. Muito em função do desastre, a Azzurra sequer passou da primeira fase na Copa do Mundo de 1950, no Brasil, e viajou para o torneio de navio por causa do trauma. Depois da tragédia de Superga, o Toro nunca mais foi o mesmo e hoje luta no máximo por posições intermediárias na Série A.
Manchester United – Pouco menos de nove anos depois, o maior clube da Inglaterra também foi vítima de um desastre aéreo. Em 6 de fevereiro de 1958, quando tentava decolar do aeroporto de Munique, na Alemanha, o avião com a delegação do Manchester United não conseguiu ganhar velocidade suficiente por conta de uma tempestade de neve e caiu. O acidente deixou 23 mortos, incluindo oito jogadores. No entanto, um dos sobreviventes foi Bobby Charlton, maior nome da história do futebol inglês.
Dinamarca – Em julho de 1960, após decolar do aeroporto de Copenhague, o avião da seleção olímpica da Dinamarca caiu no estreito de Oresund e matou oito jogadores.
Green Cross – Um avião com o time chileno Green Cross caiu na Cordilheira dos Andes, em abril de 1961, e matou 24 pessoas, sendo oito jogadores. Os destroços foram encontrados apenas em fevereiro de 2015, quase 54 anos depois. O time sobreviveu até 1965, quando se uniu ao Temuco.
The Strongest – Tradicional time da Bolívia, o Strongest foi vítima de um acidente aéreo em setembro de 1969, na região de Viloco. O desastre deixou 74 mortos, incluindo 16 jogadores e membros da comissão técnica.
Alianza Lima – Já em 1987, uma aeronave que transportava o Alianza Lima, um dos principais clubes do Peru, caiu no mar quando seguia da capital Lima para Pucallpa. Apenas o piloto sobreviveu, e 43 pessoas faleceram. Entre as vítimas estava o goleiro José “Caico” González Ganoza, tio do atacante Paolo Guerrero, hoje no Flamengo.
Zâmbia – Em 27 de abril de 1993, um avião com a seleção da Zâmbia, na África, caiu no mar logo após ter sido reabastecido no Gabão. 30 pessoas morreram, incluindo 18 jogadores (ANSA).

Clubes vão emprestar jogadores para a Chapecoense

Quatro temproario

Os quatro grandes clubes de futebol de São Paulo – Corinthians, Palmeiras, São Paulo e Santos – anunciaram, por meio de nota oficial conjunta, que vão emprestar gratuitamente jogadores para a Chapecoense para as disputas da temporada do próximo ano. Além disso, os clubes anunciaram que pretendem solicitar formalmente à CBF que não rebaixe a Chapecoense no Campeonato Brasileiro nas próximas três temporadas.
“Mesmo cientes dos prejuízos irreparáveis provocados por este terrível acontecimento [o acidente aéreo], os clubes entendem que o momento é de união, apoio e auxílio a Chapecoense”, diz a nota dos quatro clubes, publicada nos sites oficiais de todos eles. “Trata-se de gesto mínimo de solidariedade que se encontra ao nosso alcance neste momento, mas dotado do mais sincero objetivo de reconstrução desta instituição e de parte do futebol brasileiro que fora perdida hoje”, acrescentam.
Na nota, os clubes também lamentaram a tragédia. “Neste momento de perda e de profunda tristeza, nós, presidentes dos clubes brasileiros que publicam essa nota, gostaríamos de manifestar nossos mais sinceros sentimentos de pesar e solidariedade à Associação Chapecoense de Futebol e seus torcedores, e em especial às famílias e amigos dos atletas, comissão técnica e dirigentes envolvidos na tragédia ocorrida na madrugada de terça-feira (29)” (ABr).

Avião já tinha sido usado pela Argentina

O avião que sofreu um acidente com o time da Chapecoense foi o mesmo usado pela seleção argentina para viajar ao Brasil para as eliminatórias da Copa do Mundo de 2018. Lionel Messi e seus colegas viajaram na mesma aeronave para irem até Minas Gerais, onde enfrentaram a seleção brasileira de Tite, no Mineirão, no último dia 10 de novembro.
O astro do Barcelona chegou a passar mal no voo de volta a Buenos Aires devido a turbulências, conforme relatado na época. De acordo com sites especializados, a aeronave tem 17 anos de uso, capacidade para 95 pessoas e é a única da companhia aérea Lamia, da Bolívia. O avião é o Avro Regional Jet 85, também conhecido como Jumbolino, de matrícula CP-2933, fabricado pela British Aerospace (ANSA).

Nacional pede que título seja dado à Chape

O Atlético Nacional emitiu ontem (29) um comunicado pedindo oficialmente que o título da Copa Sul-Americana seja dado à Chapecoense. As duas equipes disputariam em Medellín, na Colômbia, a primeira partida da decisão do torneio da Conmebol, mas o avião com a delegação do clube catarinense acabou caindo.
“Além de estarmos muito preocupados pela parte humana, pensamos no aspecto competitivo e queremos publicar esse comunicado no qual o Atlético Nacional convida a Conmebol a entregar o título da Copa Sul-Americana à Associação Chapecoense de Futebol por sua grande perda e em homenagem póstuma às vítimas fatais do acidente”, diz a nota.
Se a ideia for acolhida pela Confederação Sul-Americana, a Chape terá uma inédita vaga na Libertadores do ano que vem. “De nossa parte, e para sempre, Chapecoense campeã da Copa Sul-Americana 2016”, completou o Atlético Nacional. Além disso, times da primeira divisão do Campeonato Brasileiro iniciaram um movimento para emprestar jogadores gratuitamente à equipe catarinense em 2017. A elite do futebol nacional também pede que a Chape não fique sujeita a rebaixamento pelas próximas três temporadas (ANSA).

CBF decreta luto de sete dias e remarca as partidas

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) decretou luto oficial de sete dias pelo acidente aeronáutico na Colômbia que vitimou a delegação da Chapecoense, jornalistas e convidados. Com o luto, todas as partidas que seriam realizadas nesse período foram remarcadas.
A final da Copa do Brasil, entre Grêmio e Atlético Mineiro, que seria disputada hoje (30), foi remarcada para 7 de dezembro, às 21h45. Já a rodada final da Série A do Campeonato Brasileiro será realizada no dia 11 daquele mês, domingo, às 17h00. A final da Copa do Brasil sub-20, entre Bahia e São Paulo, foi remarcada para 8 de dezembro, às 21h15.
O avião seguia da Bolívia para a Colômbia quando caiu na região da Antióquia, nas proximidades da cidade de Medellín. Pelo menos 75 pessoas morreram na queda do avião na Colômbia (ABr).

Goleiro teve perna amputada

Um dos seis sobreviventes da queda do avião que levava a delegação da Chapecoense, o goleiro Jackson Follmann, teve uma das pernas amputadas após o acidente, informam os meios de comunicação da Colômbia. Segundo informação do médico Guillermo Molina à rádio “La Red”, o goleiro Danilo, que havia sido resgatado com vida, não resistiu aos ferimentos e faleceu horas depois de chegar ao hospital (ANSA).

Minuto de silêncio

O Barcelona e o Real Madrid fizeram um minuto de silêncio em homenagem às vítimas do desastre aéreo com o time da Chapecoense. Atletas dos dois times espanhois permaneceram em silêncio antes de iniciarem os treinos de hoje.
Já o Atlético de Madrid, em seu perfil no Twitter, fez uma homenagem ao meio-campo Cleber Santana, que vestiu a camisa do clube entre 2007 e 2010 e agora era capitão da Chapecoense (ANSA).