Entre sonhos soterrados, dor, impasse e estagnação

Entre sonhos soterrados, dor, impasse e estagnação

Para além da morte de 19 pessoas e dos impactos ambientais e econômicos causados pelo rompimento da barragem de Fundão, em Mariana (MG), a dinâmica social do município e das comunidades atingidas sofreu drásticas e profundas alterações

Fotos: /Thiago Barcelos/Tássia Biazon
  • Save

Escombros de escola no subdistrito de Bento Rodrigues, localidade mais atingida pelo rompimento da barragem.

Adriana Menezes/Bruno Andrade/Renan Possari/Tássia Biazon/Jornal da Unicamp

Os rastros da tragédia do dia 5 de novembro de 2015 extrapolaram o percurso da lama que derrubou casas e apagou comunidades do mapa. Com o derramamento de milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério pertencentes à mineradora Samarco – que invadiram o Rio Doce e seguiram até o Oceano Atlântico – também foram soterrados sonhos, apagadas memórias, ameaçadas a economia e o orçamento municipal e, definitivamente, transformadas para sempre as vidas de pessoas direta ou indiretamente atingidas.
A tragédia trouxe um elemento novo à cidade que nasceu da exploração do minério: afinal, a mineração é boa ou ruim para Mariana? A questão continua sem resposta.
Transferidos das áreas onde hoje predomina a lama, os moradores dos distritos e subdistritos afetados vivem na cidade de Mariana. São cerca de 300 famílias, grande parte dos subdistritos Paracatu de Baixo e Bento Rodrigues, o segundo com mais de 200 casas completamente destruídas. O mercado imobiliário da cidade de 58 mil habitantes reagiu com a alta dos preços dos imóveis disponíveis. Muitos apartamentos e casas que estavam vazios foram alugados pela Samarco e ocupados pelas vítimas.
A partir daí começaram a surgir rumores que sugeriam que os atingidos estavam se aproveitando de sua situação para extorquir a mineradora. Isso gerou um conflito entre os moradores de Mariana e os dos subdistritos, levando muitos destes a serem hostilizados, principalmente nas escolas. A situação que só pode ser vista de perto não foi descrita pela grande imprensa nestes oito meses. As atividades da Samarco permanecem suspensas e boa parte da cidade pede que ela volte a operar para que o comércio aqueça novamente, os hotéis retomem a taxa de ocupação e os empregos de quase 3 mil funcionários sejam garantidos (diretos e indiretos).

Professora Silvany Diniz: "Tenho alunos tomando antidepressivo".
  • Save
“O núcleo central, que é aqui na cidade de Mariana, é muito dissociado dos distritos. E, para entender Mariana, para entender a lógica da cidade e como a mineração penetra na dinâmica social, tem que entender a relação com os distritos; e a relação do governo, das instituições públicas com os distritos também. Tem um certo ‘abandono’ na relação com os distritos. E eles são fundamentais”, avalia Frederico Tavares, professor do curso de Jornalismo da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP).
A riqueza mineral da cidade de Mariana está toda nos nove distritos pertencentes à cidade. Segundo o prefeito Duarte Eustáquio Gonçalves Junior (PPS), 89% da arrecadação do município vem da empresa Samarco, controlada pela Vale e a anglo-australiana BHP Billiton. O turismo tem pouca participação na arrecadação, apesar do valor histórico da cidade, que permanece intacto – o derramamento de rejeitos não atingiu a área urbana de Mariana.

Perdas imateriais
Embora praticamente todas as pessoas que viviam nas comunidades atingidas tenham sido reassentadas em Mariana, a insatisfação com as novas moradias é nítida. Alocadas em bairros diferentes e distantes entre si, como Barro Preto, Chácara, Colina, São Gonçalo e Vila Maquiné, muitas dessas pessoas foram separadas de seus familiares e amigos, com quem tinham frequente contato.
“Eles estão hoje amparados tecnicamente. Mas se você vai nas casas, é a mesma cor do armário, mesma televisão; nenhuma foto, nenhum quadro, nenhuma lembrança. É uma casa que parece uma loja. Eles perderam tudo. Eles nem gostavam de vir passear em Mariana. Tinham as atividades tanto culturais, quanto festivas e de lazer lá [em Bento Rodrigues]: andar a cavalo, ir para a cachoeira, ficar no Bar da Sandra, fazer festinha na casa de amigos… Eles gostavam de ficar lá”, afirma a professora Silvany Diniz, que desde 2002 dava aula na escola de Bento Rodrigues.
Não havia pobreza na comunidade. As casas, embora simples, eram aconchegantes, cercadas de árvores e flores. As crianças tinham seus próprios cavalos e gostavam de passear, brincar na pracinha e no campo de futebol. “São pessoas batalhadoras, do campo. Muitos não morreram porque estavam aqui, trabalhando”, conta Juçara Brittes, professora do curso de Jornalismo da UFOP, que convive com os atingidos. “Há várias realidades sobrepostas nos distritos e em Mariana.”

ju 662 p5 d temporario
  • Save
Também não tem sido fácil para os idosos de Bento Rodrigues se adaptarem à vida em Mariana. Muitos não conseguem se habituar ao barulho e à movimentação da cidade; outros vivem isolados, longe de seus antigos vizinhos e amigos, sem espaço para cultivar hortas ou realizar quaisquer atividades costumeiras do tempo em que viviam na comunidade. “Tem uma senhora que está no terceiro andar. Ela nunca mais desceu. Ela tem 90 anos e agora não quer mais sair de casa, está deprimida”, conta a professora Juçara Brittes. “Vivemos um conflito muito grave. Eu também sou uma atingida da barragem, porque todo o povo brasileiro foi”, protesta a professora.
Segundo o professor Frederico Tavares, há inúmeras pessoas com traumas psicológicos na cidade. Um caso de suicídio na cidade de Barra Longa, onde metade das casas ficou soterrada pela lama, foi registrado neste período. Dentro da universidade, as opiniões também são conflituosas. Há posturas mais críticas e outras mais alinhadas com a empresa Samarco, responsável pela barragem de Fundão. Muitos professores e pesquisadores prestam serviço ao setor com consultorias técnicas nas áreas de engenharia, controle de qualidade e segurança. “É também uma característica da cidade, um certo medo. No começo muita gente não queria nem falar. A cidade entrou em conflito e ainda está sob os efeitos da tragédia”, diz Tavares.
Fora do ambiente universitário ou das comunidades atingidas, também há pontos de vista diferentes. De acordo com Tavares, muitos moradores se mudaram da cidade. “Fica no imaginário o risco de acontecer novamente com uma chuva muito forte. É uma visão assustadora.” Quem chega a Mariana e pergunta nos hotéis sobre a tragédia e suas consequências vai ouvir reclamações sobre os “privilégios” que hoje têm os moradores dos distritos e subdistritos atingidos. “Muitos tinham uma TV velha, agora têm TV de Led”, diz uma recepcionista de hotel que não quis se identificar.

Integrantes do cletivo #UmMinutoDeSirene durante ato público na região central de Mariana: pela preservação da memória.
  • Save
Volta da Samarco divide a população
A crise econômica causada pela tragédia escancarou questões locais que vão muito além do comércio estagnado e da bolha imobiliária. A prática da mineração e a própria Samarco estão ligadas à população marianense a ponto de uma parcela das pessoas se identificar mais com a mineradora do que com os distritos atingidos. Apenas 15 dias após o rompimento ocorreu uma passeata, organizada por funcionários e simpatizantes da Samarco, pedindo o não fechamento da empresa.
Parte dos habitantes de Mariana possui laços tão estreitos com a mineradora que chegam a culpar as vítimas pela demora da volta da empresa.
Silvany Diniz, professora de História na escola municipal de Bento Rodrigues e Paracatu de Baixo – ambos subdistritos afetados pela lama – continua lecionando aos alunos atingidos, agora em uma escola instalada em Mariana. Ela fala que as vítimas estão enfrentando grandes dificuldades de adaptação. Segundo ela, eles se sentem muito sozinhos. As crianças, que costumavam se reunir após as aulas para brincar na pracinha da comunidade – às vezes até o anoitecer –, agora vão direto da escola para casa. “O índice de bebida entre os jovens aumentou”, relata a professora, que também testemunha o aumento da depressão. “Tenho alunos tomando antidepressivo.”
Antonio Paulo Goulart, proprietário do Café Chantilly Confeitaria, localizado no centro histórico de Mariana, diz que é favorável à volta das atividades da empresa na cidade. “Além de estarmos vivendo uma crise econômica no País, há uma crise isolada aqui. Economicamente, a cidade inteira sentiu”, diz Goulart, que é também a favor de penalidade sobre os responsáveis.
Simpatizantes da Samarco na passeata promovida 15 dias após a tragédia: minerdaoras movem a economia de Mariana.
  • Save
“A maior parte da população quer Justiça. A empresa deve pagar pelo que aconteceu, ela tem responsabilidade sobre isso, mas a cidade vai sofrer muito se ela sair. Precisamos ter uma fiscalização maior do governo”, defende. O empresário já demitiu funcionários por causa da queda no movimento da doceria. “A Samarco é um mal necessário”, conclui Goulart, que também vê na situação um bom momento para a cidade se reinventar e buscar diversificar a economia. “Acho que havia uma certa consciência de que a mineração um dia chegaria ao fim, mas não desta forma impactante e trágica.”
A advogada Ana Cristina Maia, titular do cartório de Registro de Imóveis de Mariana, é também favorável à volta das atividades da Samarco. Apesar de ser ativa no coletivo #UmMinutoDeSirene, criado pela sociedade civil para manter viva a memória da tragédia, ela defende a retomada. “Se a empresa não voltar a operar, a gente vai ter uma nova tragédia.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap