Depois da pandemia, Recursos Humanos nunca mais será o mesmo

Marcos Machuca (*)

Sem dúvidas, a pandemia gerou grandes impactos para todos os segmentos do mercado e para todos os setores das empresas, incluindo o RH, que sofreu com o crescimento das demandas e teve a necessidade de se reinventar para propor soluções rápidas e melhorar o fluxo de trabalho. Em muitos casos, os modelos híbridos ou completamente remotos foram adotados e implantados às pressas.

Mesmo com tantas incertezas perante a esse cenário, acredito que esses novos formatos vieram para ficar, já que se provaram muito eficientes e produtivos, trazendo vantagens tanto para as empresas quanto para os colaboradores. Dentro desse processo, a digitalização do RH foi mais que necessária, já que com a tecnologia é possível otimizar processos e resolver fluxos de gestão e aprovação por meio de qualquer dispositivo com acesso à internet, como o celular.

Aplicativos e plataformas online possibilitaram a integração de dados de diversas redes e a conexão dos gestores com os times, sem a necessidade de ter todos trabalhando no mesmo ambiente. Impulsionadas pelas HRTechs, as transformações voltadas a este setor já estavam crescendo de forma gradativa no mercado brasileiro, no entanto, a pandemia acelerou, em pelo menos uma década, o processo de adoção de ferramentas com essas tecnologias.

Além da implantação de novas ferramentas para auxiliar no cotidiano do departamento pessoal, o profissional de Recursos Humanos também passou por transformações e passou a exercer um papel ainda mais importante dentro das organizações. Ele precisou se aproximar do negócio e entender de perto as operações para poder cuidar de todas as situações adversas que a pandemia trouxe, passando a ter uma forte atuação no apoio sócio-psicológico dos colaboradores e na adequação com novas escalas e dinâmicas de trabalho.

Se por um lado, avançamos bastante nos quesitos relacionados à tecnologia para otimização de processos no departamento pessoal, por outro lado, ainda há um longo caminho a ser percorrido em questões relacionadas aos modelos de gestão de pessoas, no sentido de transmitir cultura organizacional e skills de liderança, de fomentar motivação na equipe e de liderar de forma remota.

Esses são os grandes desafios do RH neste momento e acredito que o primeiro passo a ser dado para superá-los é procurar pessoas que melhor se encaixam nas atividades propostas, que façam aquilo que gostam e tenham satisfação pessoal no trabalho. Todas as novas ferramentas digitais e processos que foram incluídos nas rotinas do RH vieram para ficar e transformaram todo o setor.

As boas práticas de avaliação de pessoas evoluíram muito durante a pandemia e continuarão a ser importantes após este período. Mas também é importante encontrar um equilíbrio entre tecnologia e humanização. Portanto, as ações de socialização também devem ser introduzidas, assim que possível, para resgatar o senso de unidade e de foco nas estratégias de cada time e de cada empresa.

Por isso, acredito que a digitalização do RH sempre será um elo entre a tecnologia e profissionais qualificados que fazem o que amam.

(*) – É CEO e fundador da FolhaCerta, plataforma que otimiza o trabalho no departamento pessoal e mitiga riscos legais (www.folhacerta.com).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap