94 views 5 mins

É possível dizer “não” ao chefe? A maneira de abordar essa situação desafiadora

em Destaques
quinta-feira, 29 de fevereiro de 2024

Muitos profissionais já se viram diante do dilema de discordar ou recusar uma solicitação do chefe, uma situação que pode ser delicada e desafiadora. Em busca de orientações sobre como gerenciar essa complexidade, muitos se questionam: “É possível dizer ‘não’ neste cenário”? E, em caso afirmativo, “qual é a melhor maneira de fazer isso?”.

Segundo Hosana Azevedo, Head de RH do Pandapé, Software de RH do Infojobs, abordar essa questão de forma eficaz requer uma combinação de comunicação clara, empatia e estratégia: “Em determinadas circunstâncias, expressar discordância ou recusar uma tarefa pode ser não apenas aceitável, mas também necessário para a construção de relacionamentos saudáveis e produtivos”.

Dito isso, a especialista lista 4 estratégias para dizer “não” de maneira assertiva. Confira:

  1. – Seja transparente – Comunique suas razões de maneira clara, destacando como sua decisão está alinhada com o objetivo de contribuir efetivamente para a equipe e para a empresa. “Ser transparente sobre as razões por trás da decisão não apenas constrói confiança, mas também demonstra um compromisso genuíno com o sucesso da equipe”, observa Azevedo.

Ao articular como a recusa está em sintonia com as metas organizacionais, os profissionais podem transformar uma negação em uma oportunidade de colaboração construtiva.

  1. – Ofereça alternativas e soluções – Apresentar alternativas e soluções é uma abordagem proativa que vai além da simples negação. Essa prática não apenas mostra comprometimento em encontrar respostas, mas também reflete uma dedicação intrínseca à resolução de problemas dentro da equipe. Ao oferecer alternativas, você não está apenas rejeitando uma proposta; está contribuindo para a busca de soluções eficazes.

Essa postura não só evidencia uma mentalidade orientada para resultados, mas também demonstra um compromisso com o sucesso coletivo da equipe. Essa dinâmica colaborativa não só fortalece a equipe, mas também cria um ambiente de trabalho onde a inovação e a resolução de desafios são valorizadas.

  1. – Escolha o momento adequado – Encontrar o momento certo para expressar sua discordância é crucial. Isso não apenas demonstra sensibilidade às dinâmicas da equipe, mas também é crucial para garantir uma resposta mais receptiva por parte do chefe e dos colegas. Neste ponto, Azevedo alerta: “Expressar discordância em um momento de alta pressão pode ser contraproducente e impactar negativamente o ambiente de trabalho. Evitar abordar questões sensíveis durante momentos de estresse contribui para um diálogo mais construtivo, onde as emoções estão menos inflamadas e a mente está mais aberta à compreensão”.

A postura não significa adiar indefinidamente a comunicação. Pelo contrário, trata-se de identificar janelas de oportunidade, momentos em que a equipe ou o chefe estejam mais propensos a absorver informações de maneira positiva.

  1. – Demonstre empatia – Além dos aspectos práticos, a empatia desempenha um papel crucial ao expressar discordância ou recusar uma solicitação do chefe. A compreensão é uma ferramenta poderosa na gestão de conflitos e na construção de relacionamentos profissionais saudáveis.

Demonstrar empatia em relação à posição do superior não apenas valida suas preocupações, mas também cria um ambiente onde ambas as partes podem colaborar para encontrar soluções mutuamente benéficas.”, observa Azevedo.

Segundo a especialista, a transparência, o oferecimento de alternativas, a escolha do momento adequado e a demonstração de empatia não são simples passos da comunicação profissional, mas a base para o sucesso do colaborador e da equipe:

“Ao integrar esses elementos, não apenas gerenciamos efetivamente situações desafiadoras, mas também construímos uma harmonia de compreensão mútua. Dizer ‘não’ ao chefe, quando necessário, não é apenas uma ação assertiva, mas uma oportunidade para construir pontes, fomentar soluções e fortalecer as bases de uma cultura organizacional sólida e colaborativa”. Fonte e outras informações: (https://www.pandape.com).