Como se tornar um investidor da Bolsa de Valores?

A B3, Bolsa de Valores do Brasil, mais que triplicou o número de investidores ativos nos últimos três anos. De lá pra cá os números saltaram de 900 mil para 5 milhões de investidores em 2022, o que significa mais de 500 bilhões de reais investidos.

A maioria dos novos investidores da Bolsa são jovens, com idade média de 32 anos, tendo muitos deles sido influenciados pela geração de influenciadores de finanças como Nathalia Arcuri, Bruno Perini e Raul Sena, que falam diariamente incentivando milhares de pessoas a iniciarem operações no mercado financeiro e portanto influenciaram o crescimento da bolsa.

Embora o mercado financeiro esteja em alta, é importante ter atenção e cuidado na hora de investir, muitas pessoas acabam adquirindo grandes prejuízos financeiros por operar sem o conhecimento e o treinamento necessário. Os investidores profissionais de sucesso atribuem o sucesso na área de investimentos ao foco, determinação, estudo e dedicação.

Para desenvolver habilidades na área, existe uma infinidade de cursos, treinamentos e mentorias que podem ajudar pessoas comuns a se tornarem investidores, mas é imprescindível realizar uma análise de um determinado profissional que garantir que vai consumir um conteúdo de qualidade e com boa reputação entre as pessoas.

Alguns dos treinamentos mais renomados considerando qualidade do conteúdo, atendimento e reputação no Brasil são os cursos: “Do Mil ao Milhão”, do Thiago Nigro; “A única Verdade Possível’”, do Raul Sena; e “Mentoria Virando Investidor”, do Carlos Magno – alguns dos principais influenciadores de finanças do Brasil.
Através deste tipo de conteúdo é possível aprender a investir com o auxílio de profissionais e uma comunidade de diversas outras pessoas com um objetivo similar de construir um patrimônio financeiro para o futuro.

Mas apenas fazer um curso não é o suficiente para garantir rendimentos como investidor, é preciso criar uma rotina de trabalho e colocar em prática o conteúdo aprendido, agir com cautela e responsabilidade e estudo contínuo, já que o mercado financeiro requer tempo e paciência para apresentar resultados.

Afinal algumas perdas são inevitáveis e trata-se de um mercado de risco, no entanto, através do devido treinamento é possível criar diferentes fontes de renda dentro do setor financeiro e diminuir o risco a partir de uma carteira variada de diversos formatos diferentes de ativos, incluindo ações e criptomoedas.

Se você é iniciante no mercado financeiro ou tem interesse em operar neste setor, nós falamos com o Eduardo Melo, de Belo Horizonte, investidor da Bolsa há mais de 14 anos, influenciador e dono do canal EDUca Trader. Ele ministra um curso chamado “De Zero a Trader”, em que apresenta seu método de treinar novos investidores. Eduardo nos contou sobre as principais coisas a fazer para se tornar um trader, como enxergar os ganhos, as perdas e outros assuntos, veja:

  1. – Criar uma conta em uma Corretora de Investimentos – Para investir na Bolsa de Valores é necessário obter uma conta em uma corretora autorizada pelo Banco Central. O cadastro é simplesmente e geralmente gratuito, mas cada empresa pratica diferentes tipos de cobranças entre taxas únicas, taxas por operação ou comissão.

As corretoras mais conhecidas para se cadastrar e começar a investir são a XP Investimentos, Nu Invest, Warren, Isaex, Rico e Toro. Para o cadastro é necessário dados cadastrais, foto de documentos e uma análise do perfil do investidor.

  1. – Tenha paciência e Controle Emocional – Neste mercado existem momentos de ganhos e perdas, portanto é necessário ter disciplina, paciência, organização e controle emocional, para que não haja empolgação quando houver lucro e nem desânimo com as perdas. O sucesso neste setor também está ligado a constância e desenvolvimento contínuo de habilidades.
  2. – Adquira Conhecimento – Participe de lives, eventos virtuais, leia jornais e invista em um treinamento adequado. Opte por cursos ministrados por profissionais que realmente promovem um conteúdo de qualidade e com resultados. Um bom termômetro é acompanhar as redes sociais, fazer parte dos grupos, ler comentários e saber de histórias de outras pessoas que já investiram no curso e tiveram uma experiência positiva.
  3. – Acompanhe as tendências – Um trader deve aprender a analisar o preço dos ativos e a tendência do mercado. É importante acompanhar os grandes players para detectar sempre qual lado deve estar, de comprador ou vendedor dos ativos em cada operação. Na maior parte do tempo, o trader está em busca de uma boa oportunidade.
  4. – Operação diária – De acordo com Eduardo, não é preciso mais que 3 horas por dia para operar no mercado financeiro, por isso é possível operar como investidor mesmo desempenhando outras atividades, mas é essencial usar parte do tempo livre para analisar o mercado e ter acesso a conteúdos que vão ajudar a melhorar o desempenho no mercado. – Fonte: (www.nexxtpr.com).

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap