A revolução digital chega à indústria têxtil

A mais antiga indústria do mundo, com quase 200 anos de história no Brasil, pouco mudou ao longo dos séculos. Em plena 4ª Revolução Industrial, questões como o custo ambiental, otimização do uso de recursos e a personalização dos produtos, levaram a Epson a instalar no Brasil o seu primeiro Centro de Soluções na América Latina focado na transformação digital da indústria têxtil, localizado na planta da Epson do Brasil, em Barueri.

Único que utiliza tinta pigmentada, o Solutions Center vem para mostrar ao setor as inovações no maquinário têxtil e impulsionar a digitalização e a sustentabilidade nos processos de estamparia. De acordo com a ONU, a indústria da moda é o segundo setor da economia que mais consome água e produz cerca de 20% das águas residuais do mundo.
O Brasil tem a maior cadeia têxtil do Ocidente e é um dos setores da indústria de transformação que mais emprega no país.

  • Save
Foto: AI/Epson do Brasil

“O Brasil é um dos principais atores da indústria têxtil mundial. Produzimos desde fibra até o produto final manufaturado e foi com base neste mercado que a Epson desenvlveu as suas tecnologias de sublimação. Por isso, o país foi escolhido para sediar o primeiro Solutions Center da América Latina voltado para o setor”, explica Fábio Neves, presidente da Epson do Brasil. Já somos uma empresa líder em impressão, projeção e imagem digital, mas estamos expandindo a nossa expertise para o setor têxtil trazendo uma amostra de como serão as estamparias do futuro”, completa Fábio

Além de ocuparem um espaço físico dez vezes maior, as estamparias analógicas consomem em média de 80 a 200 litros de água por quilograma de tecido estampado, enquanto a impressão digital com tinta pigmentada utiliza apenas dois litros. Ao reduzir o consumo de água, diminui-se também o volume de águas residuais psara as usinas de tratamento e, por consequência, as emissões de carbono (cerca de 40%) que são liberados nos processos de limpeza dessas águas.

  • Save
Foto: AI/Epson do Brasil

O Centro de soluções mostra que em apenas 200 m² é possível produzir 20 mil camisetas estampadas e 200 mil m² de tecidos por mês. Uma estamparia analógica precisaria de um espaço dez vezes maior para fazer a mesma quanitidade. “O Solutions Center é um exemplo de como podemos fazer mais com menos, sem deixar de lado as questões ambientais. É tudo o que o empresário precisa somado a um rápido retorno de investimento”, explica Fábio Neves (CDI Comunicação).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

0 Shares
Share via
Copy link
Powered by Social Snap